publicidade
05/12/17
Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Em nota, FBC diz que segue confiante em absolvição no STF

05 / dez
Publicado por jamildo em Notícias às 18:08

Por meio de nota oficial, a defesa de Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE), representada pelo advogado André Luiz Callegari, observou que, apesar do voto do relator pelo recebimento da denúncia, os votos dos ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli foram no sentido de rejeitá-la por absoluta falta de provas em relação ao senador.

“Nas palavras do ministro Dias Toffoli: a “denúncia não para em pé” contra o parlamentar”, frisa a defesa.

“Como houve o empate, a turma decidiu aguardar o retorno do ministro Lewandowski, com voto divergente do ministro Gilmar, pois o empate deve favorecer a defesa”.

“O senador segue confiante nos votos que abriram a divergência e que demonstram, claramente, a ausência de sua participação nesses fatos”.

No mesmo manifesto, o advogado André Callegari diz reforçar que “nestes 35 anos de vida pública de Fernando Bezerra Coelho – que sempre trabalhou única e exclusivamente para o desenvolvimento do país e do estado de Pernambuco – não existe qualquer condenação em desfavor do parlamentar.”

Entenda a polêmica

Nesta terça-feira, depois de um adiamento na semana passada, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por aguardar o retorno do ministro Ricardo Lewandowski à Corte para decidir se aceita ou não a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE).

Na sessão desta terça-feira (5) o colegiado se dividiu sobre o tema.

LEIA TAMBÉM
» Fachin e Gilmar divergem sobre recebimento de denúncia contra FBC

Relator da Operação Lava Jato no STF, o ministro Edson Fachin se posicionou favorável ao recebimento da denúncia contra o senador pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, sendo acompanhado pelo decano da Corte, ministro Celso de Mello.

Foto: Nelson Jr./STF

Por outro lado, os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli votaram contra o recebimento da denúncia contra o senador, cabendo agora a Lewandowski desempatar o julgamento e definir o resultado.

» Janot pede novo inquérito contra Fernando Bezerra Coelho no caso Odebrecht
» Já denunciado antes, Fernando Bezerra é acusado de receber da Odebrecht em 2010
» Janot denuncia Fernando Bezerra Coelho e comprador do avião de Eduardo Campos ao STF
» PGR diz que propina foi usada na campanha de Eduardo Campos em 2010

A denúncia aponta que as construtoras Queiroz Galvão, OAS e Camargo Corrêa fizeram doações oficiais ao PSB, supostamente relacionados à construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Os recursos estariam relacionados a vantagens que o governo pernambucano, do PSB, daria às obras da refinaria, conforme relatado nas colaborações premiadas do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef.

Os valores obtidos com as doações teriam irrigado a campanha à reeleição de Eduardo Campos ao governo de Pernambuco, em 2010, em um esquema que teria contado com a participação de Fernando Bezerra Coelho.

» Gilmar Mendes assume relatoria da delação da Odebrecht sobre Fernando Bezerra Coelho
» Campanha de FBC recebeu R$ 1 milhão por prioridade da Odebrecht em obra
» Campanha de Eduardo Campos recebeu R$ 20 milhões ilegalmente, diz PF

Caso Lewandowski decida acompanhar Fachin e Celso de Mello, o senador se tornará réu no âmbito da Lava Jato e responderá à ação penal na Corte. O gabinete de Lewandowski informou que é provável que o ministro retorne à Corte na semana que vem – o ministro está de licença, após sofrer um acidente ao passear com os cães em São Paulo.

Foto: Nelson Jr./STF

“Me impressiona a quantidade de vezes que Eduardo Campos é citado. Fiquei a refletir que realmente me parece que a denúncia não para em pé se retirarmos a presença de Eduardo Campos. Tudo indica que seria um esquema coordenado por Campos”, ponderou Toffoli.

» FBC diz que Paulo Câmara abandonou Pacto pela Vida de Eduardo Campos
» Raul Henry diz que FBC não fala pelo PMDB e o acusa de ‘cinismo’
» Briga entre FBC e Raul Henry entra para os ‘anais’ da Alepe

“Diante da leitura que fiz da inicial da denúncia, o acusado aqui seria outro acusado que não esse. Me parece que se procurou trazer elementos colhidos e apontar outra pessoa para responder os atos imputados praticados”, prosseguiu Toffoli, que defendeu aguardar o retorno de Lewandowski para concluir o julgamento.

Para o ministro Celso de Mello, o Ministério Público Federal “demonstrou elementos mais do que mínimos de informação” que viabilizariam a abertura da ação penal.

Foto: Nelson Jr./STF

O ministro Gilmar Mendes discordou dos colegas e disse que, diante do empate, o resultado deveria ser proclamado no sentido de rejeitar a denúncia contra o senador. Gilmar destacou que Lewandowski não acompanhou as sustentações orais dos advogados nem a sessão desta terça-feira.

» Delator da Odebrecht diz que entregou propina a Aldo Guedes através de dono de avião usado por Eduardo Campos
» Odebrecht tentou pagar propina a Eduardo Campos por conta na China, diz delator
» Delator diz que avião usado por Eduardo Campos era de Aldo Guedes, afirma Veja

Em relação aos outros dois acusados – Aldo Guedes Álvaro e João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho -, Gilmar e Toffoli defenderam o envio dos casos às instâncias inferiores, por envolverem pessoas sem prerrogativa de foro.

 


FECHAR