publicidade
25/06/17
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem

Paulo Câmara aceita divisão de custos da transposição e promete isentar mais pobres

25 / jun
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 11:56

O governador Paulo Câmara (PSB) afirmou que acha justo que os custos de operação da transposição do Rio São Francisco sejam divididos entre a União e os estados compartilhados. “Mas precisa ter uma clareza nas regras”, disse. “E não pode, de maneira nenhuma, custar para aqueles que não têm como pagar”, defendeu ainda.

Segundo o socialista, caso os valores sejam repassados também para o Governo do Estado, quem não tiver renda suficiente para arcar com a despesa vai ter “as isenções necessárias”. “Vai pagar por essa água quem puder pagar, quem tiver condições dentro de um levantamento”, garantiu.

LEIA TAMBÉM
» Paulo Câmara promete resolver crise na segurança e entregar estações de BRT até 2018
» Sem previsão do Arco Metropolitano, projeto paliativo fica para 2019
» Paulo Câmara quer R$ 600 mi do BNDES em quatro vezes e espera fechar acordo em julho

Paulo Câmara foi questionado sobre o assunto em entrevista à Rádio Jornal, na quinta-feira (22).

Em março, também em entrevista à Rádio Jornal, o presidente da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), Roberto Tavares, estimou, que não será baixo o impacto – já que não é tão simples empurrar água pelos mais de 200 quilômetros de canais só no eixo leste, o primeiro entregue. “Se fosse calculado hoje, o custo da água seria de 8% a 10% na conta do pernambucano”, declarou.

» Água da transposição pode encarecer de 8% a 10% contas de água
» Maia assina ordem de serviço de trecho da transposição parado há um ano
» Ministério vai estudar uso de energia eólica e solar na transposição

Paulo Câmara lembrou que ainda não está definido quem vai administrar a transposição. Como mostrou o Jornal do Commercio essa semana, a ideia é que de o empreendimento seja administrado pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), que é vinculada ao Ministério da Integração Nacional e já atua no projeto, enquanto o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não termina o estudo que prevê a viabilidade de uma gestão privada para o projeto, através de uma Parceria Público-Privada.

“A companhia já concluiu e está executando uma série de atividades visando à pré-operação do projeto”, explicou a presidente da Codevasf, Kênia Marcelino, essa semana, pela assessoria de imprensa.

“Tem um semestre para definir isso”, advertiu Paulo Câmara.

Essa semana, como presidente em exercício, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assinou a ordem de serviço para a conclusão do eixo norte da transposição, obra que está parada há um ano.


FECHAR