publicidade
13/02/17
Foto: Cortesia
Foto: Cortesia

Em clima de rolo compressor, comissões da Alepe aprovam projeto de reajuste da PM

13 / fev
Publicado por jamildo em Notícias às 14:10

Não adiantou a pressão, na porta da Alepe, de militares da ativa e aposentados contra o projeto de reajuste. O governo Paulo Câmara mostrou força na Assembleia Legislativa e aprovou, em reunião conjunta de três comissões da casa, o reajuste da forma que mandou para os deputados analisarem.

LEIA TAMBÉM
» Sob pressão, reajuste salarial da PM é discutido na Alepe nesta segunda
» Em dia de discussão do reajuste da PM na Assembleia, Paulo Câmara chama prefeitos para reunião do Pacto pela Vida
» Oposição quer retirada da urgência do reajuste dos PMs para poder debater melhor projeto

O líder do governo na Assembleia Legislativa, Isaltino Nascimento, citou que, já próxima semana, começam a chegar turistas ao Estado e o governo não poderia ficar refém das discussões.

“Precisamos ter responsabilidade com o povo pernambucano”.

“Interessa a quem postergar este debate?”, perguntou, reclamando de interesses de grupos e categorias.

Antes da aprovação nas comissões, a oposição abandonou o Plenário, reclamando que não houve debate.

Isaltino Nascimento disse que a expectativa é que o projeto de lei, publicado no Diário Oficial do Estado, nesta terça-feira, possa ser votado já no período da tarde. Quem define a pauta de votação é o presidente da Alepe, Guilherme Uchoa.

» Romário Dias promove reunião para tentar fechar acordo entre praças e oficiais
» Governo Paulo Câmara abre 43 primeiros processos disciplinares contra quebra de hierarquia na PM do Estado
» Paulo Câmara reclama de “politização” de movimento de PMs e diz que greve seria “irresponsabilidade”

tabela-pms

O presidente da Associação de Cabos e Soldados (ACS), Albérison Carlos, disse que a entidade era contra porque o projeto era injusto.

“Os coronéis vão receber R$ 10 mil de aumento. Os soldados que trocam bala com os bandidos nas ruas vão receber R$ 800 de aumento”, observou. A entidade também questionou a quantia que o governo do Estado informou que vai gastar com o reajuste. Segundo a ACS, o impacto seria de apenas R$ 167 milhões e não R$ 300 milhões, agora em 2017.

“Estão rasgando o regimento interno da alepe”, apelou ainda Albérison Carlos.


FECHAR