publicidade
11/07/16
Foto: @humbertocostapt/Reprodução
Foto: @humbertocostapt/Reprodução

Lula calcula que precisa convencer seis senadores a votar contra o impeachment para salvar Dilma

11 / jul
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 21:39

Em ato a favor da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, na noite desta segunda-feira (11), o ex-presidente Lula (PT) afirmou que precisa de seis senadores para reverter o resultado contra a petista. “Estamos empenhados em tentar convencer senadores a votar contra o impeachment. Precisamos convencer seis”, afirmou no discurso.

Dilma foi afastada há dois meses após 55 senadores votarem a favor da admissibilidade do impeachment. Agora, uma comissão na Casa analisa o mérito do processo para avaliar se a petista cometeu crime de responsabilidade fiscal. A leitura e a votação do relatório final estão marcadas para o início de agosto e o resultado do processo deve ir a plenário algumas semanas depois. O impedimento será concretizado se 54 parlamentares votarem a favor, o que equivale a dois terços do total.

LEIA TAMBÉM
» Em Pernambuco, Humberto Costa acusa Temer de não ter “condição moral” de ser presidente
» “Eles que rezem para que eu não precise voltar”, ameaça Lula na Bahia

Lula ressaltou que 75% dos votos dos eleitores da cidade em 2014 foram para Dilma, na chapa encabeçada pela petista que tinha o interino Michel Temer (PMDB) como candidato a vice-presidente. “Para ser vereador ou sindicalista tem que disputar a eleição e ganhar. Como é que o seu Temer quer chegar sem disputar?”, questionou. “A gente não troca de presidente como troca de roupa. A Dilma tinha três anos de mandato ainda. Os caras reuniram uma maioria e assaltaram o poder. Assaltaram por uma maioria muito duvidosa na Câmara dos Deputados.”

» Sílvio Costa Filho vai se encontrar com Lula no Recife
» Lula vai a ato em apoio à candidatura de Odacy Amorim à Prefeitura de Petrolina

O ex-presidente ainda reafirmou que pode voltar a ser candidato nas próximas eleições presidenciais. “Se eles quiserem reduzir os direitos do povo brasileiro a pó, eu digo: Não me provoquem porque eu posso voltar e ser candidato em 2018. Desde 1978 (quando ganhou projeção nacional como sindicalista) falo pra Marisa (esposa dele) que vai ser meu último mandato e acho que vamos curtir nossa aposentadoria. Os caras não querem deixar”, afirmou. “Para quem sobreviveu ao Sertão, não morreu de sede e nem de fome. Não vai se agora que vão me tirar do jogo.”

A mobilização em Petrolina faz parte da Caravana da Democracia, que realiza, desde a semana passada, uma série de manifestações em 12 municípios do Estado contra o impeachment de Dilma. O município no Sertão é o primeiro a ser visitado por Lula. O ex-presidente ainda tem compromissos em Carpina, na Zona da Mata, e Caruaru, no Agreste, antes de chegar ao Recife, na próxima quarta-feira (13).

» Veja os próximos passos do processo de impeachment contra Dilma Rousseff
» Leitura de parecer de Anastasia sobre impeachment de Dilma será dia 2 de agosto

Pernambuco foi o último Estado visitado por Dilma antes de ser afastada pelo Senado. Poucos dias, antes da votação da admissibilidade do impeachment, esteve no Sertão para vistoriar uma estação de bombeamento da Transposição do Rio São Francisco. Há um mês, já durante o processo de impeachment, voltou ao Recife para o lançamento de um livro sobre o impedimento e para um ato de mulheres pela democracia.

» Em tom de despedida, Dilma diz em Pernambuco que ficará triste se não vir fim da Transposição
» No Recife, Dilma diz que “a democracia é uma árvore, e o golpe é o machado”
» Dilma critica governo Temer e diz que acorda se perguntando: Quem vai cair hoje?


FECHAR