publicidade
20/05/16

Ministro das Cidades, Bruno Araújo, afirma que Minha Casa, Minha Vida não será suspenso

20 / maio
Publicado por jamildo em Notícias às 12:38

Foto: Diego Nigro/JC Imagem Data: 20-05-2016 Assunto - Ministro Bruno Araujo da entrevista para rádio Jornal .
Ministro Bruno Araujo da entrevista para rádio Jornal. Foto: Diego Nigro/JC Imagem Data: 20-05-2016

Durante entrevista concedida à Rádio Jornal, o ministro das Cidades do governo do presidente interino Michel Temer, Bruno Araújo, afirmou que o programa Minha Casa, Minha Vida será mantido e desmentiu a total suspensão da terceira fase do programa, como havia afirmado reportagem do Estadão, na manhã desta sexta-feira (20).

“Vamos ampliar e aperfeiçoar. Já dei entrevista coletiva afirmando que o Minha Casa, Minha Vida será mantido de forma muito firme e na medida do possível que se possa encontrar recursos no Orçamento da União, eventualmente será ampliado. E mais do que isso, pode ser ser aperfeiçoado sem qualquer processo de suspensão”, ressaltou.

LEIA MAIS:

» Governo Temer suspende todas as novas contratações do Minha Casa Minha Vida
» Supremo autoriza e Sérgio Moro investigará Eduardo da Fonte
» No Recife, CUT realiza ato pelo “Fora Temer” e contra o fim do Ministério da Cultura 
» Campanha arrecada doações para mães de bebês com microcefalia

Ouça a íntegra da entrevista:

Mesmo assim, o pernambucano confirmou que fará uma auditoria no programa. “O governo [Dilma] se comprometeu com obras que a sociedade não podia pagar”. Segundo Bruno Araújo, é necessário fazer uma revisão na forma de contratação do Minha Casa Minha Vida, mas isso deve acontecer sem a necessidade da suspensão.

Sobre a meta traçada pela presidente afastada Dilma Rousseff de contratar 2 milhões de moradias do Minha Casa Minha Vida até o fim de 2018, Araújo afirmou que não pode se comprometer com o intento.

Ouça a segunda parte da entrevista com o ministro:

» Em nova missão, PF mira em pessoas ‘próximas’ de Lula e contratos da Odebrecht
» Câmara do Recife concede título de cidadão ao líder da Assembleia de Deus no Brasil
» Posse de ministros de Temer confirma ausência de mulheres no primeiro escalão
» Humberto Costa acusa Governo Temer de revogar construção de 35 mil moradias do Minha Casa Minha Vida

Sem título

LEIA TAMBÉM:

» Ministro critica falta de liderança no PSB de Pernambuco após morte de Eduardo Campos
» ‘Sem meta fiscal, quem vai pedalar sou eu’, diz Michel Temer
» Michel Temer diz a procuradores que não barrará Lava Jato
» Para Humberto, Temer quer recriar “engavetador-geral da República”

No Facebook, o ministro já tinha negado mais cedo a suspensão do programa habitacional, afirmando que essa informação “não corresponde à realidade.”

Na última terça-feira (17), o pernambucano revogou uma portaria editada por Dilma que autorizava a Caixa a contratar a construção de até 11.250 unidades habitacionais do programa.

» Enquete: Você aprovou a extinção do Ministério da Cultura?
» Artistas protestam contra fim do Ministério da Cultura no Recife
» Senado convoca Mendonça Filho para explicar fim do Ministério da Cultura
» ‘Bela, recatada e do lar’: campanha na web ironiza perfil de Marcela Temer em revista; Veja os memes

A terceira fase do programa foi lançada no fim de março pela presidente, agora afastada, prevendo recursos totais de R$ 210,6 bilhões para construção de 2 milhões de moradias até 2018.

» Bolsonaro é batizado em Israel durante votação do impeachment
» Janaína Paschoal chora durante depoimento na comissão do impeachment
» Janaína Paschoal grita com senador e leva bronca do presidente de comissão

Na ocasião, o governo informou que do total de recursos, R$ 41,2 bilhões seriam do Orçamento da União, R$ 39,7 bilhões em subsídios do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e o restante em financiamentos pelo FGTS.

» “O problema foi ousar questionar o Deus do petismo”, diz Janaína Paschoal
» Discurso pró-impeachment de Janaína Paschoal vira meme nas redes sociais
» Em vídeo, pernambucanos justificam apoio a Jair Bolsonaro para presidente em 2018

PERNAMBUCANO:

Alçado aos holofotes por ter proferido o 342º voto a favor da admissibilidade do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados, o que garantiu a maioria de dois terços necessária para que o pedido fosse encaminhado ao Senado, o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) assumiu na última semana o Ministério das Cidades.

LEIA MAIS:

» Voto pernambucano sacramenta impeachment de Dilma Rousseff
» Humberto Costa critica PSB de Paulo Câmara por dar apoio ao PMDB
» Silvio Costa dispara: “Quem está tentando assumir o poder é o PCC: Partido da Corja do Cunha”

Ele é um dos nomes indicados pelo PSDB para compor o governo de Michel Temer, que assumiu a Presidência após Dilma ter sido afastada por até 180 dias, enquanto o Senado realiza o julgamento final sobre seu impedimento.

>> A favor do impeachment, Priscila Krause diz que se pode esperar milagre
>> Em vídeo, Jair Bolsonaro treina declaração do voto a favor do impeachment; assista
>> Legislativo não é mero puxadinho do Poder Executivo, diz relator

Araújo, que cumpria seu terceiro mandato como deputado federal, passou a ganhar destaque a partir de 2012, quando se tornou líder do PSDB na Câmara. Até fevereiro deste ano, ele desempenhou o papel de líder da oposição e foi um defensor de primeira hora do impeachment de Dilma, mesmo quando as lideranças tucanas ainda se demonstravam relutantes em encampar a proposta.

Ouça a última parte da entrevista:

BRASIL:

» ‘Sem meta fiscal, quem vai pedalar sou eu’, diz Michel Temer
» Michel Temer diz a procuradores que não barrará Lava Jato
» Para Humberto, Temer quer recriar “engavetador-geral da República”
» Juiz Sérgio Moro condena José Dirceu a 23 anos de prisão na Lava Jato

» “Não fale em crise, trabalhe”, diz Michel Temer em discurso de posse
» Michel Temer assina notificação de posse como presidente interino do Brasil
» Raul Jungmann elogia comportamento das Forças Armadas no impeachment

» Ministro da Justiça nega mal-estar com Michel Temer
» Janot acusa Lula de ter ‘papel central’ na tentativa de obstruir Lava Jato
» Aliado de Cunha, novo líder do governo na Câmara é investigado pela Lava Jato


FECHAR