publicidade
29/03/16

Por aclamação, PMDB aprova rompimento com o governo Dilma e a entrega imediata dos cargos

29 / mar
Publicado por jamildo em Notícias às 15:18

 (Valter Campanato/Agência Brasil)
(Valter Campanato/Agência Brasil)

Agora é oficial. Por aclamação, o PMDB aprovou, nesta terça-feira (29), o rompimento com o governo da presidente Dilma Rousseff e a entrega imediata dos cargos. Aos gritos de “Fora PT”, a reunião, que selou afastamento do governo, durou poucos minutos.

LEIA TAMBÉM:
Temer diz a Lula que PMDB está fora do governo
>
 Após acordo com Renan, PMDB deve aprovar saída por aclamação
Após PMDB, outros aliados também dão sinais de saída do governo

Os seis ministros do partido, assim como membros da sigla que ocupam postos no governo, devem deixar o cargo até o próximo dia 12 de abril. Na noite de ontem, o então ministro do Turismo Henrique Alves se antecipou ao posicionamento oficial da sigla e pediu demissão.

A decisão de hoje foi feita por aclamação. O vice-presidente Michel Temer (presidente do PMDB) e os ministros não participaram da reunião de hoje, comandada pelo senador Romero Jucá (RR).

“A partir de hoje, dessa reunião histórica, o PMDB se retira da base do governo Dilma Rousseff. Ninguém está autorizado a exercer qualquer cargo federal em nome do PMDB”, disse Jucá.

O rompimento do PMDB com o governo vinha sendo defendido há alguns meses por integrantes do partido como o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que, em julho de 2015, anunciou seu afastamento pessoal da base governista. O PMDB é o maior partido do Congresso Nacional com 68 deputados federais e 18 senadores.

LEIA TAMBÉM:
Raul Henry e Jarbas Vasconcelos defendem saída do PMDB do Governo Dilma
>
 Na véspera da reunião do PMDB, Dilma encontra ministros do partido
> Bovespa sobe mais de 1,5% com aposta de que PMDB deixará base aliada

O clima de tensão entre o governo e o PMDB ficou ainda mais evidente em dezembro do ano passado quando o vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, enviou uma carta para Dilma (que acabou vazando para a imprensa) na qual acusou a presidente de mentir para “sabotar” o PMDB e de transformá-lo em um “vice-decorativo”.

No final do ano passado, o governo tentou se aproximar do PMDB e ampliou de seis para sete a participação do partido na Esplanada dos Ministérios. Na última segunda-feira (28), porém, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) pediu demissão do cargo de ministro do Turismo.

No início deste ano, o governo voltou a tentar uma reaproximação com o PMDB apoiando a candidatura de Leonardo Picciani (PMDB-RJ) para a liderança do partido na Câmara, mas a medida parece não ter surtido o efeito desejado depois que, no último final de semana, o diretório estadual do PMDB no Rio de Janeiro, comandado por Jorge Picciani, pai de Leonardo, anunciou a intenção de romper com o governo.

O destino de outros ministros do partido como Marcelo Castro (Saúde), Celso Pansera (Ciência e Tecnologia) e Kátia Abreu (Agricultura) ainda é incerto.


FECHAR