publicidade
16/08/15
jarbas_blog
jarbas_blog

Em ato no Recife, Jarbas Vasconcelos defende renúncia de Dilma

16 / ago
Publicado por jamildo em Notícias às 10:46

Foto: Marcela Balbino/BlogImagem

Com informações da repórter de Marcela Balbino, repórter do Blog

O deputado federal Jarbas Vasconcelos, do PMDB, defendeu, ainda há pouco, nas manifestações de rua que ocorrem na praia de Boa Viagem, no Recife, que a presidente Dilma renuncie.

O ex-governador de Pernambuco explicou, ao chegar à manifestação, nesta manhã, que defende a renúncia de Dilma por acreditar que seja uma opção menos traumática do que o impeachment (impedimento).

“A melhor decisão é a renúncia dela. Essa ficha tem que cair”, declarou.

Ao lado da presidente, o ex-senador por Pernambuco pelo PMDB disse o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, do PMDB, também deveria abandonar o cargo. “Cunha tem que sair junto com ela. Ou mesmo na frente dela”, afirmou, repetindo as críticas públicas que tem feito ao deputado federal carioca, desde que a operação Lava Jato revelou o suposto recebimento de propinas, em uma das delações premiadas.

Jarbas reclamou ainda da crise econômica.

“O País vive uma paralisia geral. O PT acabou e está no fundo do poço”

Na avaliação de Jarbas, após a saída da presidente, para evitar o vácuo político na política nacional, deveria ser montado um governo de coalizão nacional e o vice-presidente Michel Temer deveria assumir o governo. “Não dá para fazer novas eleições, mudar o calendário eleitoral é complicado. O entendimento tem que ser em torno de Temer”.

Jarbas ainda ironizou a aproximação de Dilma e o presidente do Senado, com a chamada Agenda Brasil.

“O afogado (Dilma) se agarra em tronco (Renan) achando que é gente”, parafraseou o ditado popular.

LEIA MAIS:
» Após racha nos movimentos contra Dilma, Recife tem novo protesto esta tarde
» Ruas mandam recado para Dilma 23 anos após Fora Collor
» Ao final de protesto, organizadores estimam 50 mil pessoas em Boa Viagem
» No Recife, faixa pede apoio ao juiz Sergio Moro, que apura casos de corrupção na Petrobras, na operação Lava Jato


FECHAR