publicidade
05/03/15

“Quem decide a hora do impeachment é o povo”, diz Luciana Genro

05 / mar
Publicado por Blog de Jamildo em Notícias às 18:46

Luciana Genro afirma que não apoia impeachment proposto pelo PSDB. Foto: BlogImagem.
Luciana Genro afirma que não apoia impeachment proposto pelo PSDB. Foto: BlogImagem.

Em meio à polêmica envolvendo pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) no Congresso Nacional, a ex-candidata do PSOL à Presidência da República, Luciana Genro, afirma que não é favorável à decisão e diz não endossaria o pedido feito pelo PSDB.

“Eu acho que quem decide a hora do impeachment é o povo”, defendeu a ex-deputada federal, em entrevista à TV JC.

“Eu não vejo justificativa do impeachment da Dilma para que o Michel Temer (PMDB) assuma a Presidência da República. O Michel Temer é parte deste mesmo esquema que a Dilma representa, assim como não defendo um impeachment para manter este sistema eleitoral viciado, como foi na eleição de 2014. Precisaríamos ter novas eleições, com novas regras mais democráticas, para que de fato o poder econômico e os grandes espetáculos de marketing político não se sobrepusessem ao povo”, analisou a deputada, acrescentando que o PSOL não seria parceiro do PSDB neste processo. “Somos parceiros dos movimentos sociais”.

>> Enquete: você é favorável ao impeachment de Dilma?
>> Especialistas acham debate sobre impeachment de Dilma prematuro

DIREITOS TRABALHISTAS – A ex-candidata também criticou a postura adotada por Dilma em relação ao corte de verbas dos direitos trabalhistas.

Durante a campanha eleitoral, a então candidata à reeleição Dilma Rousseff se saiu com a frase “nem que a vaca tussa” para deixar claro que não mexeria nos direitos trabalhistas. Daquele dia 17 de setembro, já na reta final da disputa, o PT transformou o bordão em viral na internet, com uma campanha nas redes sociais em que aparecia uma vaquinha com os dizeres: “Mexer nos meus direitos? Nem que a vaca tussa.

Passadas as eleições, o primeiro anúncio feito pelo governo para cortar gastos atingiu justamente o trabalhador. Foram seis medidas com projeção de R$ 18 bilhões de economia por ano, a partir de 2015, três delas com impacto direto nos direitos dos trabalhadores.


FECHAR