publicidade
28/01/20
Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil

Coronavírus: saiba o que acontece se avião ou navio relatar um caso suspeito a bordo

28 / jan
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 28/01/2020 às 15:25

Com o aparecimento dos casos de doença respiratória causada pelo coronavírus na China, o governo brasileiro anunciou medidas de preparação, orientação e controle para um possível atendimento de casos suspeitos no País. Confira o que acontece, na prática, no caso de um navio ou aeronave relatar um caso suspeito a bordo. As informações são da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Avião

A aeronave pousa, mas não pode iniciar o desembarque.

A Anvisa aciona os órgãos responsáveis e vai a bordo em conjunto com o serviço médico e a vigilância do município do aeroporto para avaliar o paciente.

Se o médico descartar o caso a bordo, o desembarque dos passageiros é liberado.

Caso a suspeita seja mantida, o passageiro doente é removido para um hospital de referência local.

Todos os demais passageiros seguem para uma entrevista com a vigilância epidemiológica para que possam ser monitorados, caso a suspeita seja confirmada posteriormente.

A Anvisa monitora o trabalho de desinfecção da aeronave, descarte de resíduos e descarte de efluentes.

Leia também: ‘Coronavírus tem alta letalidade’, destaca ministro da Saúde

Navio

O navio não recebe autorização para operar e ninguém pode desembarcar.

A Anvisa e a vigilância epidemiológica sobem a bordo para inspecionar a embarcação e avaliar o paciente.

Caso a suspeita seja mantida, o passageiro ou tripulante é removido para um hospital de referência.

O navio não recebe a Livre Prática (autorização para operar), e a tripulação e os passageiros ficam impedidos de desembarcar.

Se o caso for confirmado, a Anvisa e a vigilância epidemiológica fazem uma avaliação sobre o procedimento com a tripulação e os passageiros que ficaram a bordo.

Leia também: Coronavírus: Pernambuco inicia ações de vigilância da doença

No caso de navios que já haviam iniciado a operação quando o caso suspeito apareceu, a Anvisa manda suspender a operação do navio e os tripulantes devem ficar a bordo.

Nesse caso, deve ser investigado se o tripulante suspeito já havia descido do navio para que a vigilância epidemiológica realize a investigação de possíveis contatos.

Em todas as situações de casos suspeitos encaminhados para o serviço hospitalar, a confirmação ou descarte definitivo da suspeita é feita pelo serviço de saúde e pela vigilância epidemiológica.


FECHAR