publicidade
15/01/20
Objetivo da imunização é proteger a população dos altos riscos de complicações da gripe e até mortes (Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem)
Objetivo da imunização é proteger a população dos altos riscos de complicações da gripe e até mortes (Foto: Felipe Ribeiro/JC Imagem)

Gripe em Pernambuco: H1N1 e outros vírus causam 145 casos graves de doenças respiratórias em 2019

15 / jan
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 15/01/2020 às 10:26

O Estado de Pernambuco registrou 145 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) ao longo de 2019, segundo boletim da Secretaria Estadual de Saúde (SES) que traz o balanço do ano passado. Desses casos, 12 evoluíram para o óbito. A maioria dos 145 adoecimentos (78 deles – ou 53,8% do total) está relacionada ao vírus da gripe H1N1. Outros 43 foram causados pelo influenza B e 10 pelo H3N2. Além deles, 12 casos foram associados ao influenza A não subtipado (ou seja, podem ter sido causados pelo H3N2 ou H1N1).

Leia também:

Pernambuco já identifica circulação de três vírus da gripe: H1N1, H3N2 e B

Também foram registrados 2 casos de vírus sincicial respiratório (VSR), que é responsável pela maioria dos casos de infecções do trato respiratório inferior em bebês.

Entre as mortes por gripe, a maioria (33,3%) ocorreu na faixa etária de 30 a 39 anos, seguida pelo grupo dos 40 aos 49 anos (25%).

Vacinação

Em 2019, 2.647.796 de pessoas foram imunizadas contra gripe em Pernambuco. A cobertura vacinal em crianças foi de 94,13%; em gestantes, 102,15%; em idosos, 101,48%. O Estado também foi o primeiro do Nordeste a atingir a meta mínima (90%) e o terceiro no País.

A campanha nacional contra a gripe deste ano, realizada entre abril e maio, contará com um novo público, os adultos de 55 a 59 anos. O objetivo é ampliar a imunização dos grupos mais vulneráveis para a doença. O público-alvo, portanto, representará aproximadamente 67,7 milhões de pessoas. A meta é vacinar, pelo menos, 90% dos grupos prioritários para a vacinação, que já conta com crianças, gestantes, mulheres que acabaram de ter bebês, povos indígenas, pessoas com doenças crônicas, trabalhadores de saúde e idosos, entre outros.

 


FECHAR