publicidade
13/05/19
A arquiteta Larissa Krenmayr, 30 anos, é mãe de Benjamin, que nasceu há menos de 30 dias (Foto: Andréa Leal/Divulgação)
A arquiteta Larissa Krenmayr, 30 anos, é mãe de Benjamin, que nasceu há menos de 30 dias (Foto: Andréa Leal/Divulgação)

Palavras para as mamães recém-nascidas

13 / maio
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 13/05/2019 às 18:45

Pode soar como clichê, mas há uma frase que faz todo o sentido no mundo da maternagem: “Quando nasce um bebê, nasce uma mãe”. Um bebê e uma mãe sem iguais no mundo. Sabe por quê? Porque cada dupla (mãe-bebê) é única. Cada dupla tem uma realidade, experiência, vivência, desarranjos e dificuldades. Ao olharmos para uma mulher que acaba de dar um bebê à luz, conhecemos uma mãe recém-nascida, que carrega expectativas diante da nova tarefa de cuidar, além de um leque imenso de sensações e sentimentos jamais experimentados. Assim como os seus bebês, elas exalam sensibilidade, mas também demonstram uma força e uma capacidade de resiliência sem igual.

Leia também:

Veja respostas para 10 dúvidas comuns que toda gestante tem antes de o bebê nascer

Lembrar essas mulheres, neste mês em homenagem às mães, é importante porque não há muitas orientações para cuidados com elas. Que o diga a fonoaudióloga Thaís Vilarinho, que acaba de lançar o livro Mãe recém-nascida (Buzz Editora, 240 páginas) e conquista meio milhão de seguidores no Instagram (@maeforadacaixa) com reflexões maternas. “É sempre sobre o bebê. Livros e mais livros sobre o bebê. Tem também diários e mais diários. Do bebê. Mas e a mãe que acabou de nascer? Aqui está. Algo para você. Algo que é meio livro, meio diário, meio conversa entre amigas. É meio conforto, meio direção para você se conectar com seu instinto e se reconectar com sua identidade. É meio choque de realidade, meio cafuné. É meio incentivo, meio desabafo. Um chacoalhão, um abraço apertado. Sinceridade. Norte. Amor”, escreve Thaís Vilarinho, ao resumir a obra que acaba de chegar às livrarias.

Já a fotógrafa Andréa Leal, que se especializou em captar imagens dos primeiros dias de vida dos bebês, conta que se capacitou para entender os dois recém-nascidos: a mulher e o seu filho. “Fazê-la sentir que o bebê está em segurança é importante. Mas, para saber como atuar da melhor maneira possível com a mulher que está passando a fase do puerpério, com todas as questões emocionais e hormonais envolvidas, procuro sempre participar de capacitações. É também uma questão de empatia e sororidade”, relata Andréa Leal.

“O fotógrafo de recém-nascido entende e respeita o bebê e o seu tempo. A experiência garante ainda que o ensaio não demore mais que o necessário e não afete a rotina do bebê, que tem a horinha de mamar, dormir e ser trocado”, destaca a fotógrafa Andréa Leal, embaixadora da Associação Brasileira de Fotógrafos de Recém-Nascidos (Foto: Divulgação)

A fotógrafa acrescenta que é essencial estar ao lado da mãe recém-nascida da melhor maneira possível, numa fase de descobertas cercada por inseguranças e que precisa de apoio de todos que a cercam.

A arquiteta Larissa Krenmayr, 30 anos, é uma das milhares de mães recém-nascidas que fizeram contagem regressiva para a chegada deste mês comemorativo. “É o meu primeiro filho. Nasceu no último dia 22. Só tenho a dizer que ser mãe é uma experiência incrível. É a melhor sensação do mundo”, conta a mãe do pequeno Benjamin, com a certeza de que agora tem em seus braços um amor sem tamanho.


FECHAR