publicidade
13/09/18
Existem quatro sorotipos de dengue, uma das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem)
Existem quatro sorotipos de dengue, uma das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem)

Vírus mais agressivo da dengue se torna mais frequente e preocupa especialistas

13 / set
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 13/09/2018 às 16:49

Considerado o vírus mais agressivo da dengue por estar associado aos casos mais graves de adoecimento pela doença, o sorotipo 2 (DEN-2) tem deixado os pesquisadores em alerta. A preocupação ganhou destaque no 54º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (MedTrop), realizado na última semana no Centro de Convenções, em Pernambuco. “O sorotipo 2 da dengue começar a voltar, principalmente em Goiás, onde é feita uma boa vigilância dos casos. Isso faz considerarmos que há possibilidade de se repetir a situação que enfrentamos anos atrás (na década de 1990, o DEN-2 trouxe os casos de dengue com hemorragia). Como a chance existe, recomenda-se que as autoridades de saúde estejam preparadas da melhor forma (para enfrentar um possível aumento de casos)”, destacou o médico e farmacêutico Felipe Lorenzato, em mesa-redonda durante o evento.

Leia também:

Responsável por epidemias de dengue hemorrágica, sorotipo 2 da doença preocupa em PE

EUA começam a testar uma só vacina contra zika e dengue em humanos

Neste ano, até 30 de junho, foram enviadas, ao Ministério da Saúde, 11.518 amostras (vindas de todos os Estados brasileiros) para isolamento viral de dengue. Desse total, 710 (6,2%) foram positivas: as maiores proporções dos sorotipos virais identificados, no País, correspondem ao DEN-2 (52,4%), seguido do DENV-1 (23,9%). São menos frequentes os sorotipos DEN-4 (0,4%) e DEN-3 (0,1%).

“Risco de hospitalização por dengue é cinco vezes maior quando a infecção é causada pelo sorotipo 2, em comparação aos outros três sorotipos”, destacou Felipe Lorenzato, em palestra durante o MedTrop (Foto: Filipe Jordão/JC Imagem)

A Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES) informou que este ano, por enquanto, somente o tipo 1 (DEN-1) foi detectado. “Mas isso não significa que os outros sorotipos não estejam circulando”, esclarece, em nota, o órgão. Atualmente, o Estado já notificou 16.629 casos de dengue em 175 dos 184 municípios pernambucanos. O volume de registros deste ano, que considera dados até 1º de setembro, representa um aumento de 20% em relação ao mesmo período de 2017, que notificou 13.878. Entre esses registros suspeitos, mais de 4 mil diagnósticos da doença foram confirmados.

“Dengue não é algo trivial. Às vezes, a população diz que é a doença é tão frequente que pode parecer um resfriado. Mas não é bem assim. Inclusive, o volume de casos de dengue que se tornam graves, precisam de acompanhamento em unidade de terapia intensiva (UTI) e necessitam hemodiálise é maior do que o número de casos severos de doença meningocócica, que também é uma doença bem agressiva”, frisa Felipe. O médico acrescenta que a população precisa saber que existem quatro sorotipos de dengue e que geralmente a segunda infecção é mais grave do que a primeira. “E o risco de hospitalização pela doença é cinco vezes maior quando a infecção é causada pelo sorotipo 2, em comparação aos outros três”, conclui o especialista.


FECHAR