publicidade
25/02/18
Pelo novo documento, crianças com menos de 8 que precise de tratamento medicamentoso contra o TDAH, assim como pacientes com mais de 18 anos, não contarão com remédio ofertado pela rede pública em Pernambuco (Foto ilustrativa: Pixabay)
Pelo novo documento, crianças com menos de 8 que precise de tratamento medicamentoso contra o TDAH, assim como pacientes com mais de 18 anos, não contarão com remédio ofertado pela rede pública em Pernambuco (Foto ilustrativa: Pixabay)

PE muda regras para dispensação de medicamento para TDAH no SUS; médicos questionam

25 / fev
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 25/02/2018 às 14:25

Quando se fala sobre transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), várias vozes entoam. Nos corredores por que caminham profissionais de saúde, são múltiplas as visões sobre um dos distúrbios mais diagnosticados na infância e na adolescência, com prevalência de aproximadamente 5% nessa faixa etária e 3% entre adultos no mundo. Atualmente, em Pernambuco, os olhos dos especialistas no tema se convergem para o único medicamento oferecido, na rede pública, para tratar o TDAH: o metilfenidato. Um grupo de médicos questiona a atualização de uma norma técnica da Secretaria Estadual de Saúde (SES) sobre a medicação.

Assista ao programa na TV JC sobre o tema:

O documento ressalta que, para receber o tratamento medicamentoso, o paciente tenha entre 8 e 18 anos, além de passar por exames laboratoriais e outros como eletroencefalograma e eletrocardiograma. De um lado, especialistas alegam que essa exigência é sinônimo de retrocesso. Em outra esfera, gestores argumentam que esse novo protocolo vai ajudar a impedir que o metilfenidato seja superprescrito e que o TDAH rotule crianças, adolescentes e adultos.

Em entrevista ao programa Casa Saudável, na TV JC, na quinta-feira (22), a presidente da Sociedade Pernambucana de Psiquiatria, Kátia Petribú, destacou a importância do diagnóstico preciso e em tempo oportuno para se iniciar o tratamento do transtorno e, dessa maneira, evitar que os problemas de atenção e hiperatividade se intensifiquem a ponto de interferir nas habilidades acadêmicas, afetivas e sociais das pessoas com TDAH.

Segundo médicos, adultos também estão sujeitos a TDAH e precisam de tratamento (Foto ilustrativa: Pixabay)

“Tenho vários pacientes adultos no Hospital Universitário Oswaldo Cruz e que terão que ver com a SES se continuarão ou não a receber a medicação. São pessoas que estavam impactadas pelo transtorno e que, com tratamento, conseguiram melhorar a qualidade de vida, passar no vestibular, conseguir emprego e se relacionar melhor. Agora, terão que deixar de usar a medicação. É preciso esclarecer: não é por decreto que se termina uma doença”, frisou Kátia.

O aprendizado na escola melhorou para a estudante Manuela Monteiro depois que ela começou a tomar medicação (Foto: Diego Nigro/JC Imagem)

A médica Patrícia Monteiro, 46, relata que a terapêutica medicamentosa foi um divisor de águas no desempenho escolar da filha, a estudante Manuela Monteiro, 13. “O aprendizado tornou-se mais viável. Captar informações passou a ser menos sofrido e sem exaustão. Além disso, o tratamento é fundamental para melhorar a autoestima. Minha filha hoje é uma aluna que tem um desempenho na média da turma”, relata Patrícia.

Também durante o programa na TV JC, o diretor-geral da Assistência Farmacêutica de Pernambuco, Mário Moreira, informou que, no dia 1º de março, a SES realizará uma nova reunião para se apresentar outras propostas sobre a dispensação da medicação. Tudo em prol do bem-estar dos pacientes.

Várias vozes sobre TDAH

Kátia Petribú, psiquiatra

“De 50% a 60% (dos casos de TDAH diagnosticados na infância) se mantêm com o transtorno à medida que crescem. E na adolescência e fase adulta, o mais grave são os distúrbios associados, como dependência do álcool e drogas, que acomete um terço dos pacientes”, frisa Kátia Petribu, da Sociedade Pernambucana de Psiquiatria (Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem)

Gustavo Arribas, psiquiatra

“Há um estudo que alerta para o uso do metilfenidato e o diagnóstico precipitado do TDAH nas crianças e adolescentes. Cerca 30% dos pacientes com o transtorno e que faziam uso da medicação não possuíam critério para tomar o medicamento nem para ter diagnóstico de TDAH”, diz o psiquiatra Gustavo Arribas, da Gerência de Atenção à Saúde Mental de PE (Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem)

Adélia Henriques Souza, neuropediatra

 

“O TDAH é um problema de saúde pública, que exige tratamento medicamentoso e acompanhamento de vários profissionais. Não há requerimento sobre exames prévios para se tratar (o distúrbio). São necessários boa anamnese (observação médica) e conhecimento amplo sobre o paciente”, salienta a neuropediatra Adélia Henriques Souza (Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem)

Mário Moreira, da Farmácia de PE

“Há um comitê de farmacoterapia, do qual participam profissionais de determinadas áreas. Para discutir o metilfenidato, foram convocados neuropediatras, psiquiatras e psicólogos. Mas haverá nova reunião. Vamos ver como podemos avançar”, informa o diretor-geral da Assistência Farmacêutica de PE, Mário Moreira (Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem)


FECHAR