publicidade
24/01/18
Segundo médica, abusar dos temperos naturais, como salsinha, cebolinha, orégano, manjericão, páprica ou coentro, é uma dica para diminuir o consumo do sal iodado (Foto ilustrativa: Pixabay)
Segundo médica, abusar dos temperos naturais, como salsinha, cebolinha, orégano, manjericão, páprica ou coentro, é uma dica para diminuir o consumo do sal iodado (Foto ilustrativa: Pixabay)

Não consegue diminuir o consumo do sal? Nutróloga dá 4 dicas para você tirar o saleiro da mesa

24 / jan
Publicado por Cinthya Leite em Alimentação - 24/01/2018 às 11:35

“É fato que ainda precisamos do sódio na nossa alimentação. Ele contribui para a regulação osmótica dos fluídos, o que interfere no metabolismo, e atua na condução de estímulos nervosos, como a contração muscular. O excesso dele, contudo, é muito prejudicial à saúde”. Esse é o alerta que faz a médica nutróloga Marcela Voris, Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), ao comentar sobre as diversas evidências científicas que comprovam que o abuso de sódio pode causar doenças como hipertensão arterial, mesmo em pacientes jovens, além de problemas cardíacos, doenças renais e neurológicas.

Leia também:

Sem chances para a hipertensão, uma inimiga silenciosa

Menos sal e mais potássio no prato: equação ajuda a conter a pressão alta

Um levantamento publicado este mês na revista científica Nature NeuroScience comprovou que o consumo elevado de sódio pode promover um declínio cognitivo, que tem como sintomas perda de memória, dificuldades no raciocínio lógico e falta de atenção. Os pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, alimentaram ratos com uma dieta semelhante à dieta humana durante 12 semanas. Ficou evidenciado que o mineral suprime o fluxo sanguíneo cerebral quando em descanso ao prejudicar a função endotelial, responsável pela espessura dos vasos sanguíneos.

Pesquisa revelou que o consumo elevado de sódio pode promover um declínio cognitivo, que tem como sintomas perda de memória, dificuldades no raciocínio lógico e falta de atenção (Foto ilustrativa: Pixabay)

Menos de 5 gramas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o consumo de sal por dia para um indivíduo adulto seja menor do que 5 gramas, o que equivale a menos de uma colher de chá rasa de sal ou cinco pacotes daqueles servidos em restaurantes, já que cada um geralmente contém 1 grama. “Principalmente na dieta da cultura americana, o cloreto de sódio é muito presente. Precisamos suspender certos hábitos enraizados que promovem um consumo excessivo de sal”, diz a médica nutróloga.

Temperos ajudam o organismo de diversas formas e dão um toque especial na comida (Foto ilustrativa: Pixabay)

Veja as dicas de Marcela Voris para uma alimentação saudável:

1 – Sinta o gosto dos alimentos como eles são

Os alimentos por si só já possuem sódio. Não é o sal que dá sabor a eles. Adicionar principalmente o sal iodado torna o gosto mais forte, de fato, mas prejudica sua saúde. Tente fazer experimentos com a comida e sinta os alimentos como são. Se não conseguir, siga a segunda dica:

2 – Abuse dos temperos naturais

Salsinha, cebolinha, orégano, manjericão, páprica ou coentro são ótimos substitutos para o sal iodado. Todos esses temperos ajudam o organismo de diversas formas e dão aquele toque especial na comida. Mas cuidado…

3 – Não caia na tentação!

A melhor forma de excluir o sal da sua alimentação é tirar o saleiro do seu alcance. Quanto mais facilidade tiver para incrementar a refeição com o sal, você o fará. Não é um grande problema, mas se não conseguir, então adote o seu novo mantra:

4 – Quanto menos sal melhor!

Você já tentou de tudo para diminuir, mas não conseguiu? Não se preocupe. Adicione menos sal apenas durante o preparo. Se ainda assim sentir falta, coloque o menos possível. Pense que esses hábitos são para sua saúde e longevidade. No fim das contas, vai valer a pena.


FECHAR