publicidade
22/12/17
Projeto Parto Adequado lembra a importância do nascimento natural para a mãe e o bebê (Foto: Igo Bione/Divulgação)
Projeto Parto Adequado lembra a importância do nascimento natural para a mãe e o bebê (Foto: Igo Bione/Divulgação)

Parto cesárea agendado sem necessidade traz riscos para mãe e bebê; campanha faz alerta

22 / dez
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 22/12/2017 às 15:59

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) inicia uma nova campanha do Projeto Parto Adequado para sensibilizar gestantes e profissionais de saúde a evitarem o agendamento de cesarianas. O projeto, desenvolvido em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein e o Institute for Healthcare Improvement (IHI), visa incentivar o parto normal e conscientizar as futuras mamães e toda a rede de atenção obstétrica sobre a realização de cesáreas sem indicação clínica.

Como há um crescimento no número de partos cirúrgicos marcados no fim do ano, devido às férias e festas, a iniciativa traz importantes mensagens para lembrar os riscos acarretados pela antecipação do nascimento de bebês, fora do trabalho de parto, sem que eles deem sinal de que estão prontos.

Leia também: 

‘A melhor incubadora é o útero materno’, diz médica sobre combate ao parto prematuro

Medicina fetal contribui para realização do parto normal com segurança

Nas redes sociais, a ANS e as entidades parceiras divulgam informações importantes sobre o nascimento no tempo certo. Entre os benefícios do parto normal, que são abordados de forma explicativa na campanha, destacam-se: menor risco de complicações para a mãe e o bebê decorrentes da cirurgia, indução ao aleitamento materno devido à liberação de hormônios que facilitam o início da amamentação, contato imediato entre mãe e bebê (estimulando a interação materna), preparação do bebê para o ambiente externo com maior amadurecimento do pulmão e contato com as bactérias benéficas da mãe, o que reduz a incidência de doenças infantis. Além disso, o parto normal proporciona recuperação mais rápida do útero e do corpo da mulher.

“Entre dezembro e fevereiro, constata-se o aumento do número de agendamentos desnecessários de cesáreas devido aos feriados de Natal, ano-novo e Carnaval. Por isso, é importante que a ANS reforce a campanha de conscientização ao estímulo ao Parto Adequado”, explica o diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS, Rodrigo Aguiar.

Resultados

O Projeto Parto Adequado foi iniciado em 2015 e vem identificando modelos inovadores e viáveis de atenção ao parto e nascimento, reduzindo o número de cesarianas desnecessárias. O projeto está em sua fase 2, que será concluída em maio de 2019. Nesta etapa, participam hospitais e operadoras de todo o País. Foram selecionadas 136 maternidades e 68 operadoras de planos de saúde que manifestaram interesse em atuar como apoiadoras do projeto. Números que mostram o crescimento da iniciativa, já que a Fase 1 contou com a adesão de 35 hospitais. Ao longo de 18 meses, os hospitais pilotos protagonizaram a criação de um novo modelo de assistência maternoinfantil para o Brasil e evitaram a realização de 10 mil cesarianas desnecessárias.

Respeito às fases da gestação

A proposta da campanha digital da ANS é lembrar às futuras mamães e aos profissionais de saúde que o bebê tem seu tempo e que as fases da gestação devem ser respeitadas. É importante que a mãe se inteire e busque apoio de especialistas para entender as opções, fazendo sua escolha de forma consciente. Estudos científicos apontam que bebês nascidos de cesarianas apresentam maiores riscos de complicações respiratórias e são internados em unidade de terapia intensiva (UTI) neonatal com mais frequência.

“A mulher tem o direito de ser informada para se tornar parte ativa na decisão pelo tipo de parto. Hoje, não há evidências científicas que justifiquem o agendamento de uma cesariana, salvo algum risco claro para a saúde da mãe e do bebê. É importante buscar a opinião dos médicos, enfermeiras e demais profissionais que acompanham o pré-natal e trocar experiências com mulheres que tiveram diferentes tipos de parto”, destaca a coordenadora do projeto Parto Adequado na ANS, Jacqueline Torres.


FECHAR