publicidade
15/10/17
O diagnóstico precoce das doenças reumáticas pode evitar erosões nas articulações e incapacidade física (Foto ilustrativa: Pixabay)
O diagnóstico precoce das doenças reumáticas pode evitar erosões nas articulações e incapacidade física (Foto ilustrativa: Pixabay)

Saiba como as doenças reumáticas afetam a qualidade de vida

15 / out
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 15/10/2017 às 21:03

O grupo de doenças reumáticas, que pode atingir pessoas de todas as faixas etárias, engloba cerca de 100 tipos de enfermidades que afetam as articulações. Entre elas, a mais conhecida é a artrite reumatoide, que é três vezes mais comum em mulheres do que em homens. É uma doença autoimune crônica e debilitante que afeta uma população estimada de 23,7 milhões de pessoas em todo o mundo. O problema faz o organismo erroneamente atacar as juntas saudáveis, causando dor, inchaço, rigidez e, com o passar do tempo, perda da função articular, assim como fadiga e fraqueza geral. Tudo isso leva a uma incapacidade para realização de algumas atividades comuns do dia a dia.

Leia também: 

Chicungunha: o que se sabe (e o que está em estudo) sobre o elo entre reumatismo e o vírus

Infância limitada pela dor do reumatismo

Além das articulações: artrite reumatoide pode comprometer olhos, coração e pulmões

O estudo PROSE-RA (sigla, em inglês, para Patient reported outcomes survey of employment in patients with rheumatoid arthritis), realizado no Brasil, Argentina, Colômbia e México, acompanhou 309 pacientes e comprova que os brasileiros com artrite reumatoide são os mais afetados na qualidade de vida e em produtividade no trabalho.

No País, os pacientes que vivem com a doença apresentam a menor taxa de empregabilidade (40%), enquanto os argentinos apresentam a maior, com 73% dos pacientes empregados, seguidos pela Colômbia (61%) e México (54%).

O diagnóstico das doenças reumáticas é feito com base em exames clínicos, laboratoriais e de imagem (como raios-x e ressonância magnética). O tratamento inclui fisioterapia, medicamentos (anti-inflamatórios e agentes imunobiológicos) e adoção de hábitos saudáveis, como não fumar e praticar exercícios físicos.

O alerta à população é importante, pois o diagnóstico muitas vezes ocorre com atraso de mais de cinco anos, já que a doença pode se apresentar em surtos de branda intensidade. Quanto mais cedo se inicia o tratamento, melhor a qualidade de vida do paciente.


FECHAR