publicidade
04/03/17
É preciso combater a psicofobia, que são atitudes discriminatórias contra pessoas com transtornos mentais (Foto: Free Images)
É preciso combater a psicofobia, que são atitudes discriminatórias contra pessoas com transtornos mentais (Foto: Free Images)

“Os transtornos mentais são como qualquer outra doença”, diz psiquiatra sobre combate ao estigma

04 / mar
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 04/03/2017 às 8:56

Temos um grave problema: a saúde pública brasileira sofreu um desmantelo. Foi com essa frase que o psiquiatra Antônio Geraldo da Silva, presidente eleito da Associação Psiquiátrica da América Latina, começou a opinar sobre a política nacional de saúde mental, em entrevista ontem à TV JC.

Para ele, o acesso a um atendimento psiquiátrico de qualidade praticamente não existe em alguns lugares do País. E lamentavelmente o preconceito contra as pessoas que convivem com transtorno mental, como depressão e esquizofrenia, ainda perdura, inclusive na rede pública de assistência à saúde.

“Precisamos acompanhar as pessoas sem quebrar a rede social da qual elas fazem parte. É preciso atendê-las no bairro onde vivem. O que é mais simples para isso? Colocar uma equipe de saúde mental (psicólogo, psiquiatra e assistente social) nos postos de saúde. Por que alimentar a psicofobia (atitudes discriminatórias contra pessoas com transtornos mentais) ao criar um serviço específico, que são os Caps (Centros de Atenção Psicossocial), para esse paciente?”, questiona Antônio Geraldo.

Leia também:

Contra cura gay, psiquiatra diz: “É preciso se preocupar com educação sexual para conviver com diversidade”

Em mulheres com câncer de mama, prevalência de depressão pode chegar a 25%, diz psiquiatra

No Recife, pacientes com depressão são convidados a participar de pesquisa com tratamento inovador

Conheça a tricotilomania, distúrbio que causa a compulsão em arrancar cabelo

Possibilidade de relação entre transtornos psiquiátricos e arboviroses é investigada

O médico, que está no Recife para ministrar um curso na sede da Sociedade Pernambucana de Psiquiatria (SPP), levou adiante uma campanha que ganhou as redes sociais, enquanto esteve à frente da Associação Brasileira de Psiquiatria (2010-2016), com a hashtag #PsicofobiaÉumCrime.

"A saúde mental do brasileiro era para ser uma das melhores do mundo porque atualmente, no País, temos uma psiquiatria de excelência. A Revista Brasileira de Psiquiatria, entre 2,8 mil periódicos médicos, é a número um de todas as áreas da ciência nacional. Os profissionais estão nos sistemas público e privado, mas só neste último se faz psiquiatria de primeiro mundo porque temos condições de trabalhar", diz Antônio Geraldo, em entrevista à TV JC (Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem)
“A saúde mental do brasileiro era para ser uma das melhores do mundo porque atualmente, no País, temos uma psiquiatria de excelência. A Revista Brasileira de Psiquiatria, entre 2,8 mil periódicos médicos, é a número um de todas as áreas da ciência nacional. Os profissionais estão nos sistemas público e privado, mas só neste último se faz psiquiatria de primeiro mundo porque temos condições de trabalhar”, diz Antônio Geraldo, em entrevista à TV JC (Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem)

A mobilização deixou raízes, e os psiquiatras continuam trabalhando para acabar com o estigma nesta época em que os transtornos desse tipo só fazem aumentar. Um exemplo é a ascensão dos casos de depressão: aumentou 18% de 2005 a 2015, quando chegou a um universo de 322 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

E nesse cenário, a falta de informação e o estigma prolongam a dor de milhões de pessoas. “Os distúrbios mentais são como qualquer outra doença. A depressão e a fobia social, por exemplo, são doenças como qualquer outra, mas não são vistas dessa maneira”, frisa Antônio Geraldo, que reforça a importância de se ampliar o acesso ao atendimento aos pacientes. “Por que a pessoa com transtorno mental não pode simplesmente ir a um posto de saúde e ser atendido como quem tem problema ginecológico, pneumonia e amigdalite?”, levanta a questão. Em Pernambuco, ele destaca a parceria com a SPP para se ampliar o acesso ao tratamento de qualidade.

“No sistema privado, temos condições de prescrever o melhor medicamento e encaminhar para o melhor tipo de psicoterapia. No público, não. Quem perde é o paciente. Queremos, então, fazer um bom trabalho (também) na rede pública”, frisa o psiquiatra.

"Hoje as prisões estão cheias de pessoas com transtorno mental. São 12% da população carcerária com distúrbios graves. Mas é um contraponto: 95% das pessoas que cometeram crime não são doentes mentais. Significa dizer que doente mental não é perigoso? A verdade é que as pessoas com transtornos psiquiátricos tratadas não representam ameaça, mas as não tratadas são perigosas", destaca Antônio Geraldo (Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem)
“Hoje as prisões estão cheias de pessoas com transtorno mental. São 12% da população carcerária com distúrbios graves. Mas é um contraponto: 95% das pessoas que cometeram crime não são doentes mentais. Significa dizer que doente mental não é perigoso? A verdade é que as pessoas com transtornos psiquiátricos tratadas não representam ameaça, mas as não tratadas são perigosas”, destaca Antônio Geraldo (Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem)


FECHAR