publicidade
11/02/17
Na escola, crianças aprimoram habilidades linguísticas, motoras, cognitivas, sociais e afetivas (Foto ilustrativa: Free Images)
Na escola, crianças aprimoram habilidades linguísticas, motoras, cognitivas, sociais e afetivas (Foto ilustrativa: Free Images)

Sociedade de Pediatria de Pernambuco se coloca à disposição de escolas para orientar sobre viroses

11 / fev
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 11/02/2017 às 10:02

O início da vida escolar é marcante para os pequenos e a família. E também para os professores, que abraçam a missão de promover o desenvolvimento das crianças num ambiente estranho (para elas) à primeira vista e que, aos poucos, vai se tornando acolhedor e estimulador. Nos primeiros meses, os pais observam a evolução da linguagem, das habilidades motoras, cognitivas, sociais e afetivas.

Leia também:

Viroses se tornam mais comuns com a volta às aulas. Saiba como proteger as crianças

Pediatra explica por que infecções virais e bacterianas são mais comuns no início da vida escolar das crianças

Paralelamente a esse avanço, eles começam a adoecer mais, em comparação aos meses anteriores em que passavam o dia em casa. Febre, tosse, dor de ouvido, espirros, nariz escorrendo ou entupido passam a ser a temática da conversa entre as famílias, que ficam apreensivas. “É assim mesmo. Com o tempo, eles ficam mais resistentes”, dizem os pais de crianças que já passaram pela educação infantil. De fato, é uma fase. Mas é preciso atenção especial nesse tempo em que vírus e bactérias são mais ameaçadores.

Para orientar sobre o assunto, a Sociedade de Pediatria de Pernambuco (Sopepe) se coloca à disposição de escolas e creches para participar das reuniões de pais e mestres. “Queremos participar de discussões sobre medidas preventivas para evitar a transmissão cruzada de infecções respiratórias e digestivas. A Sopepe vai encaminhar comunicado para as principais escolas do Recife com orientações”, informa o médico  Eduardo Jorge da Fonseca Lima, presidente da Sopepe.

As portas das escolas podem ficar abertas para os pediatras. Assunto tem de sobra para gerar conversas repletas de aprendizado para todos.


FECHAR