publicidade
04/01/17
Hemorragia subconjuntival, mais conhecida como derrame nos olhos, pode aparecer em hipertensos, pessoas com diabetes e também após traumas nos olhos (Foto: Divulgação)
Hemorragia subconjuntival, mais conhecida como derrame nos olhos, pode aparecer em hipertensos, pessoas com diabetes e também após traumas nos olhos (Foto: Divulgação)

Já ouviu falar em derrame nos olhos? Saiba o que é o problema e como tratar

04 / jan
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 04/01/2017 às 13:53

Hemorragia subconjuntival. Já ouviu falar neste nome complicado? Provavelmente você conhece a expressão de outra forma: derrame nos olhos. O problema oftalmológico pode causar receio e medo em virtude da aparência preocupante, mas os especialistas garantem que, na maioria dos casos, não oferece riscos e é bastante simples de tratar.

Leia também:
» Coçar os olhos pode agravar deformidade na córnea e aumentar grau de astigmatismo
» Oftalmologista lista as principais dicas sobre cuidados com os olhos no verão
» Amigos da visão: confira alimentos que ajudam a manter a saúde dos olhos
» Nove coisas que devemos saber sobre a visão e a saúde dos olhos

O derrame acontece quando um dos vasos da conjuntiva (membrana transparente que reveste a parte interna das pálpebras e a região branca dos olhos) se rompe. Em grande parte dos casos é registrado em pacientes com pressão alta ou diabetes. Também pode ser ocasionado por microtraumas no olho ou até por esforços excessivos (como tossir repetidamente ou vômitos frequentes), que podem aumentar a pressão venosa e romper os pequenos vasos do olho. “São veias muito finas, que se rompem diante desses esforços. Algumas mães, quando estão amamentando, também atingem os olhos dos bebês e ficam preocupadas, porque a aparência pode ser assustadora”, explica o oftalmologista Thiago Correia, do Hospital de Olhos de Pernambuco (Hope).

Como a área afeta tem muitos vasos quando ocorre extravasamento de sangue, a aparência é considerada preocupante para o paciente. “Costumo comparar com uma pancada na perna, que deixa a região roxa, por causa do sangue, que fica acumulado no local. Porém, como a pele é mais grossa, não conseguimos enxergar bem o sangue, mas no olho conseguimos. Mas nada mais é do que sangue acumulado e some de duas a três semanas”, pontua.

Mesmo com a simplicidade do problema, a recomendação é procurar um oftalmologista assim que os sintomas forem notados. “Em caso de pancadas, é preciso ver se tem algum trauma que venha a prejudicar a visão. E se for algum pico hipertensivo e o paciente não sabe que tem o problema, nós encaminhamos para um médico especialista”, ressalta Correia.

A hemorragia subconjuntival não causa danos irreversíveis. Normalmente, se reverte espontaneamente, mesmo se o volume se sangue for muito grande. Em duas semanas, é absorvido espontaneamente. Em alguns casos, os médicos prescrevem colírios, principalmente os que têm pequena dose de vaso constritor, para contrair o vaso. “Nós podemos recomendar também um lubrificante gelado, porque o gelado ajuda. O mais indicado, no aspecto de tratamento, é que o indivíduo, ao perceber a vermelhidão no olho, coloque uma compressa fria no local para contrair os vasos”, finaliza o oftalmologista.


FECHAR