publicidade
28/11/16
Para oncologista, metástase é uma condição que pode ter várias formas de apresentação e, às vezes, o paciente com metástase tem prognóstico (evolução da doença) melhor do que tem o tumor localizado na próstata (Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem)
Para oncologista, metástase é uma condição que pode ter várias formas de apresentação e, às vezes, o paciente com metástase tem prognóstico (evolução da doença) melhor do que tem o tumor localizado na próstata (Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem)

Oncologista esclarece dúvidas sobre metástases do câncer de próstata

28 / nov
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 28/11/2016 às 13:21

Barra - Novembr Azul - CS

Receber um diagnóstico de doença metastática (condição em que o tumor sai do local onde começou e vai para outras partes do corpo) sempre traz um peso, mesmo o paciente sabendo que os tratamentos avançaram e aumentam a sobrevida. No caso de câncer de próstata, se a doença desenvolver-se fora da glândula, pode geralmente espalhar-se para os ossos.

“No imaginário coletivo, quando se fala em metástase, é como se estivéssemos nos referindo ao momento de terminalidade do paciente. Isso não é verdadeiro. É uma condição que pode ter várias formas de apresentação e, às vezes, o paciente com metástase tem prognóstico (evolução da doença) melhor do que tem o tumor localizado na próstata”, informa o oncologista Rubens Barros Costa, professor do Departamento de Medicina Clínica da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Leia as reportagens da seção Novembro Azul

O tratamento, segundo Rubens Costa, vai depender do local para onde a doença se espalhou. “Outro detalhe é que, se houver metástase de baixo volume, o paciente tem chance de sobrevida maior e de controlar o tumor por um período muito prolongado.” O médico ainda acrescenta que o tratamento do câncer de próstata deve ser discutido de forma multidisciplinar – ou seja, com vários especialistas, como cirurgião, urologista, oncologista e psicólogo. Exames de imagem, como tomografia, ressonância magnética e cintilografia óssea devem ser realizados antes de definir o novo tratamento.

“É comum os pacientes procurarem o oncologista nos casos de metástase e também quando eles são submetidos à retirada da próstata, mas o urologista entende que existe um risco de a doença voltar e se avalia uma conduta terapêutica para diminuir o risco de uma possível recidiva”, ressalta Rubens Costa. É importante reforçar que, quando o câncer atinge os ossos, aliviar a dor e outras complicações é uma parte importante do tratamento.


FECHAR