publicidade
14/09/16
ovitrampas no recife_destaque
ovitrampas no recife_destaque

Mil armadilhas monitoram o Aedes aegypti em bairros do Recife

14 / set
Publicado por Cinthya Leite em Aedes aegypti - 14/09/2016 às 11:25

Noventa e duas ovitrampas começaram a ser instaladas área do Porto, no Bairro do Recife (Foto: Antônio Tenório/PCR)
Noventa e duas ovitrampas começaram a ser instaladas área do Porto, no Bairro do Recife (Foto: Antônio Tenório/PCR)

Com o objetivo de fortalecer a estratégia de monitoramento do Aedes aegypti, a Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde instalou ontem, no Porto do Recife, 92 ovitrampas – armadilhas de garrafas pet pintadas de preto que simulam um ambiente ideal para proliferação do mosquito. Com isso, a capital pernambucana passa a ter cerca de mil ovitrampas espalhadas pelos bairros, a fim de apresentar novo indicador sobre a infestação do Aedes, responsável pelo adoecimento de quase 50 mil pessoas em todo o Estado este ano, levando em consideração os casos de dengue, chicungunha e zika confirmados até o último dia 10.

“A região do Porto do Recife corresponde a aproximadamente 60% de todo o Bairro do Recife, cuja área residencial tem mais outras 17 ovitrampas. Alguns outros bairros da cidade já possuem as armadilhas, como Alto José Bonifácio, Nova Descoberta e Mangabeira”, informa o gerente de Vigilância Ambiental do Recife, Jurandir Almeida. Ele acrescenta que a previsão é chegar, até o fim deste ano, com 2,7 mil ovitrampas distribuídas pela cidade. “É um novo indicador de infestação do mosquito.”

Leia também:
» Chicungunha: em um ano, Pernambuco tem 77 mortes associadas à doença
» Chicungunha: Cuidado e tratamento passam a ser oferecidos a altura do tamanho da dor

Construídas para coletar ovos do Aedes, as ovitrampas têm água e larvicida biológico, além de uma palheta feita de folha onde as fêmeas depositam os ovos. O objeto serve para avaliar a infestação no local de modo mais preciso. A cada 15 dias, agentes de saúde ambiental e controle de endemias trocam a água e recolhem as palhetas, que são analisadas no laboratório do Centro de Vigilância Ambiental do Recife. A Secretaria de Saúde do Recife orienta as pessoas a não produzirem a armadilha em casa porque apenas um especialista tem habilidade para produzir ovitrampas corretamente e acompanhar de forma segura a infestação do Aedes aegypti.

Infográfico - Arboviroses - 14/09/16

“Já se percebeu que, além de monitorar o Aedes, elas podem reduzir de forma significativa a proliferação do mosquito, quando aplicadas maciçamente”, destaca o secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia. “Vivenciamos época de queda de casos de arboviroses, o que faz a percepção de risco de adoecimento diminuir entre a população, mas é preciso continuar o trabalho de enfrentamento ao Aedes. Estamos numa guerra permanente”, garante Jailson.


FECHAR