• Santa Cruz contra o melhor ataque da Série B

    Léo Gamalho avalia que o meio é a chave do Ceará. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

    Léo Gamalho avalia que o meio é a chave do Ceará. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

    A missão do Santa Cruz nesta sexta-feira, contra o Ceará, na Arena Castelão, não será nada fácil. Isso porque o Tricolor terá pela frente o melhor ataque da competição, com 52 gols. Somente como mandante, os alvinegros balançaram as redes em 32 oportunidades – o primeiro nesse aspecto. Além disso, o atacante Magno Alves estará em campo. Ele é o artilheiro da Série B com 17 gols e sempre é uma ameaça para as defesas.

    O segredo para tanto poder ofensivo quem explica é o atacante Léo Gamalho, que jogou no Ceará na temporada passada. Segundo ele, o meio de campo alvinegro é a chave do jogo adversário. “Ricardinho é um meia que foi deslocado para dar maior qualidade na saída de bola. Do meio para frente eles são só alegria”, disse o jogador.

    LEIA MAIS:
    > Os pilares do Santa Cruz na Série B 

    > Aproveitamento de Canindé no Santa Cruz é superior ao do líder da Série B

    Apesar dos perigos do Ceará, Gamalho demonstra confiança na vitória, principalmente pelo momento que o Santa Cruz vive na Segundona, onde não perde há cinco jogos. Afora isso, o atacante pega o desempenho dos corais contra os cinco primeiros colocados e utiliza como argumento para o otimismo. “Se for pegar nosso histórico vai ver que podemos jogar em qualquer lugar contra qualquer adversário”. O Tricolor só perdeu duas partidas contra as equipes que estão na ponta – Ceará e Vasco. Fora isso, são três vitórias e três empates.

    Outro fator considerado positivo por Léo é a semana livre de treinos. Como o jogo contra o Vila Nova, no Arruda, foi adiado para a semana que vem, os corais ficaram com folga, enquanto o Ceará vai ter que jogar na terça-feira, contra o Icasa, fora de casa. “Bom que tenho essa semana para descansar e dar uma recuperada”.

  • Santa Cruz não pode vacilar, avalia Tiago Cardoso

    Foto: Guga Matos/Acervo JC Imagem

    Foto: Guga Matos/Acervo JC Imagem

    Com o Santa Cruz a sete pontos do G4 da competição, é o sétimo com 45, o goleiro Tiago Cardoso avalia que não é mais momento da equipe vacilar na competição e perder pontos. Segundo ele, é hora de reunir mais forças para dar a arrancada nesta reta final de competição. Tudo para alcançar o tão desejado sonho do acesso.

    “A gente diminuiu para sete pontos e isso é importante para nós porque dá esperança. Sabemos que temos que vencer a partir de agora. Por isso tem que buscar a vitória contra o Ceará”, disse.

    LEIA MAIS:
    > Os pilares do Santa Cruz na Série B

    > Aproveitamento de Canindé no Santa Cruz é superior ao do líder da Série B

    Contra o Ceará, o goleiro ainda espera ter uma pouco de ‘vingança’ por conta da vitória dos alvinegros no confronto do Arruda, no primeiro turno. “Aqui a gente jogou melhor, mas eles ficaram ali atrás. Agora acho que será diferente porque eles vêm de derrota e vão sair para o jogo”.

    Sobre a greve da última quinta-feira, Tiago preferiu não entrar em muitos detalhes sobre o assunto. Apenas considerou que confia na diretoria. “A gente sabe que o pessoal não está parado. A esperança é que tudo se resolva”.

  • Confira os destaques do Blog desta segunda-feira

    destaques_2010

    A indisciplina de Roberto e Tadeu custou o emprego da dupla no Clube Náutico Capibaribe, Além deles, o Blog do Torcedor também traz como destaques os cinco pilares do Santa Cruz na Série B. No Sport, o meia Diego Souza admitiu que o foco do time, agora, é alcançar logo a pontuação que o livre do rebaixamento.

    Veja tudo e mais um pouco aqui:

    » Náutico dispensa Tadeu e Roberto

    » Régis ainda aprimora a parte física

    » Arena Pernambuco explica problemas de Santa Cruz x Vasco

    » Os cinco pilares do Santa Cruz na Série B

    » Diego Souza diz que o foco é fugir da zona de rebaixamento

    » Náutico precisa melhorar finalizações

     

  • Os pilares do Santa Cruz na Série B

    Léo Gamalho é uma das referências do time na Segundona. Foto: Alexandre Gondim/Acervo JC Imagem

    Léo Gamalho é uma das referências do time na Segundona. Foto: Alexandre Gondim/Acervo JC Imagem

    Ainda com o sonho do acesso vivo, o Santa Cruz chega para a reta final da Série B com cinco jogadores funcionando como ‘pilares’ da campanha coral na competição. Todos os setores do time estão representados nessa lista. Tiago Cardoso, Everton Sena, Renan Fonseca, Sandro Manoel e Léo Gamalho estiveram em no mínimo 27 partidas dos tricolores na Segundona e contribuíram, cada um dentro do seu respectivo setor, com o desempenho tricolor na Segundona, onde o Santa é o sétimo com 45 pontos.

    Desses, Tiago é o único que atuou em todas as partidas do Tricolor na competição. Ele é um dos responsáveis pelo posto de quarta melhor defesa na Série B – são apenas 29 gols sofridos. Além disso, o goleiro é o capitão e grande referência do time. Quando a situação aperta, Cardoso está lá para garantir pelo menos a tranquilidade, porque tem horas que o arqueiro garante mesmo é o resultado. Foi assim contra o Vasco, na Arena Pernambuco, no último sábado. Tiago salvou os corais em pelo menos duas oportunidades e ainda viu Cassiano marcar o gol da vitória por 1×0.

    Foto: Guga Matos/Acervo JC Imagem

    Tiago Cardoso esteve em todos os jogos corais. Foto: Guga Matos/Acervo JC Imagem

    LEIA MAIS:
    > Aproveitamento de Canindé no Santa Cruz é superior ao do líder da Série B

    Só que o goleiro não é o único responsável pelos poucos gols que a defesa tomou. Os zagueiro Everton Sena e Renan Fonseca também possuem parcela neste feito. A dupla esteve em 27 das 30 partidas do Santa Cruz na Segundona. Além disso, Sena ajudou o ataque em duas oportunidades. Marcou nos empates contra Oeste e Ponte Preta. Só que é provável que essa dupla seja desfeita por Oliveira Canindé, que aposta em Alemão para o lugar de Everton.

    Renan jogou 27 partidas. Foto: Bobby Fabisak/Acervo JC Imagem

    Renan jogou 27 partidas. Foto: Bobby Fabisak/Acervo JC Imagem

    No meio, Sandro Manoel é nome praticamente certo. O volante esteve em 29 partidas do Tricolor na Segundona. Só jogou menos do que Tiago Cardoso. Além disso, vem se destacando na competição como o melhor passador e o jogador que mais desarma na Série B. Sandro é aquele típico jogador que não aparece muito para a torcida com lances plásticos, mas que exerce função importante no time.

    Chegando ao ataque, a referência atende pelo nome de Léo Gamalho. Na Série B, são 9 gols e o posto de artilheiro do time na competição. Gamalho é não só o destaque da parte ofensiva coral, mas também ‘o cara’ da equipe. Até agora, foram 27 jogos na Segundona. Nos pés do atacantes, estão depositadas as esperanças do torcedor coral na busca pelo acesso.

    Só que apesar de todo esse destaque para o quinteto, o Santa Cruz vai precisar do bom momento de todo o elenco coral na reta final da Série B, ainda mais quando se precisa de sete vitórias em oito jogos. Nesse caso, as individualidades precisam dar lugar ao coletivo.

  • Arena Pernambuco explica problemas no jogo Santa Cruz x Vasco

    Foto: Edmar Melo/JC Imagem

    Foto: Edmar Melo/JC Imagem

    No sábado, muitos torcedores do Santa Cruz passaram por um verdadeiro sufoco para conseguir assistir ao jogo contra o Vasco na Arena Pernambuco. As reclamações são constantes, não só dos tricolores, como também dos torcedores de Náutico, Sport e Santa Cruz.

    No sábado, nós escrevemos o seguinte:

    Opinião: A Arena Pernambuco precisa respeitar o torcedor pernambucano.

    A Arena Pernambuco enviou uma nota de esclarecimento, explicando os problemas ocorridos.

    NOTA DE ESCLARECIMENTO

    A Arena Pernambuco reforça o seu compromisso com conforto e segurança do torcedor pernambucano e trabalha com planejamento para proporcionar a ele a melhor experiência no futebol. Para a partida do último sábado (18/10), pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, entre Santa Cruz e Vasco, apesar da venda antecipada ter sido iniciada três dias antes, em três pontos de venda físicos e ainda pela internet, 7.200 ingressos foram comprados na bilheteria da Arena. Dos 24 guichês, 12 foram utilizados apenas para sócios por uma solicitação do Santa Cruz que é responsável por esse sistema de bilhetagem, concentrando o público geral nas outras 12 bilheterias operadas pela arena, o que representou a maior demanda com 5.700 ingressos comercializados na hora. Diante do ocorrido, sendo mantido esse planejamento, a Arena Pernambuco irá ampliar os caixas para público geral com a instalação de uma outra bilheteria container.

    Em relação aos registros de congestionamento no portão B, esclarecemos que a Arena possui um total de 12 portões de acesso e 78 catracas que estavam sendo utilizados pelo torcedor. O problema relatado no acesso pelos torcedores ocorreu apenas no portão B por conta de uma falha na impressão de aproximadamente 1.500 ingressos, que indicaram o portão B e não P, concentrando um número maior de torcedores naquelas catracas e não descentralizando o fluxo de pessoas. Assim que a falha foi identificada, os orientadores foram acionados para organizar o fluxo de pessoas. Em pouco mais de um ano de operação, esse foi o primeiro erro registrado na impressão das entradas e a concessionária pede desculpas ao torcedor pelo transtorno gerado.

    Atenciosamente,

    Equipe Arena Pernambuco

  • Aproveitamento de Canindé no Santa Cruz é superior ao do líder da Série B

    Desempenho do treinador é superior ao da Ponte Preta. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

    Desempenho do treinador é superior ao da Ponte Preta. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

    O desempenho do técnico Oliveira Canindé no Santa Cruz até o momento é típico daqueles que faz o torcedor pensar em como seria a produção da equipe se o treinador tivesse chegado antes na Série B. Claro que é tudo na base da hipótese, afinal a partícula ‘se’ não faz gols nem defesas, mas ainda assim vale o registro pelo bom desempenho da equipe na reta final da Segundona. Com Canindé, o Tricolor tem um aproveitamento de 66,6%, que é superior ao da líder Ponte Preta, que possui um desempenho de 63%.

    Desde que o novo técnico chegou ao Arruda, foram sete jogos com 4 vitórias, 2 empates e apenas uma derrota (para o América-MG fora de casa). Além disso, os corais não perderam para equipes que estão no G4 da Série B neste período. O Santa Cruz segurou Joinville e Ponte Preta garantindo dois empates em 1×1, ambos fora de casa, e bateu o Vasco por 1×0 nesse sábado, na Arena Pernambuco. Ou seja, não encarou apenas times que estão abaixo na tabela.

    O desempenho convincente dos corais é baseado na solidez defensiva, que sofreu apenas quatro gols com Canindé no comando, o que dá uma média de 0,57 gol por partida. O número já é bem abaixo dos mais de um de média que o Santa tinha antes da chegada do treinador. Já os gols marcados, foram 11.

    Só que o atual aproveitamento de Canindé pode não ser o suficiente para os tricolores conseguirem o acesso. Se mantiver esses números, o Santa Cruz deve somar 16 pontos até o final da Série B. Assim, chegaria aos 61 e ficaria no limite da briga pelo acesso. Dependeria da queda de rendimento dos adversários do G4 para obter a vaga na Série A. Com o atual desempenho do grupo de quatro melhores da Segundona, o ‘ponto de corte’ para subir ficaria na casa dos 64 pontos. Ou seja, Canindé e o Santa Cruz precisam subir um pouco mais de produção para terem um fim de ano feliz.

  • Os melhores momentos de Santa Cruz 1 x 0 Vasco

  • Para zagueiro, vitória sobre o Vasco serve de referência para o Santa Cruz

    Foto: Bobby Fabisak/Acervo JC Imagem

    Foto: Bobby Fabisak/Acervo JC Imagem

    Vencer um adversário difícil trouxe tranquilidade ao Santa Cruz depois de uma possibilidade de greve dos jogadores por falta de salários. Com um gol de Cassiano, o placar final do jogo contra o Vasco foi de 1×0, mas o resultado não foi o único ponto a se destacar entre o time. Para o zagueiro Renan Fonseca, o Tricolor contou com o apoio da torcida para fazer uma partida repleta de entrega e superação.

    >> Leia mais: Vitória contra o Vasco traz tranquilidade ao Santa Cruz depois de semana pesada

    “Foi uma vitória maravilhosa. O jogo em si foi muito bonito para quem assistiu. A torcida deu show e teve um momento em que ouvi eles gritando o nome do estado. Foi muito legal e gratificante. Temos que respeitar muito esse resultado que nos dá ainda mais gás pra gente vencer os próximos jogos”, afirmou.

    De acordo com o jogador, a partida contra o Vasco deve agora servir de exemplo para o próprio Santa Cruz no restante da competição. “Acho que esse jogo mostrou como o grupo tá unido. A maneira como nos comportamos em campo, com dedicação e entrega de todos foi importante para conseguir a vitória. Estão todos de parabéns e devemos usar essa partida como referência nas próximas”, disse.