• Análise: O mais interessado no julgamento é Raniel

    Raniel ainda vai ser julgado pelo uso de cocaína. Foto: Diego Nigro/JC Imagem

    Raniel ainda vai ser julgado pelo uso de cocaína. Foto: Diego Nigro/JC Imagem

    A indefinição do julgamento do meia Raniel não é danosa apenas para o Santa Cruz, que não sabe se poderá contar com o jogador no futuro. O próprio Raniel deve estar interessado na decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva sobre o uso de cocaína por ele no ano passado. A explicação é simples: com o parecer do STJD, o meia poderá finalmente encontrar o foco no próprio futebol. É deixar de vez esse tema de lado para pensar somente no futuro profissional dentro das quatro linhas.

    Por enquanto Raniel vem lidando bem com o tema. Garante que o foco está no futebol. Mas com certeza já não deve mais aguentar as perguntas sobre o julgamento e sobre o caso. Também não deve ser legal para ele a ansiedade da burocracia judiciária. É algo que irrita a qualquer um, inclusive os jogadores de futebol, não tão acostumados com o processo.

    LEIA MAIS:
    > Ainda com futuro indefinido sobre o doping, Raniel garante estar focado no Santa Cruz

    > Análise: Raniel errou, mas puni-lo é que seria uma droga

    Então, pelo bem de Raniel, é bom que esse julgamento do STJD venha logo, seja para inocentá-lo ou puni-lo. Somente assim, ele poderá focar completamente no que interessa a ele, que é o futebol. Ainda mais pelo potencial que o meia demonstra ter no Arruda. Ter a cabeça no lugar é fundamental para crescer como atleta. O que acontece fora das quatro linhas deixa que nós, jornalistas, tratamos.

  • Crônica: Os atacantes que não fazem gols. Só raiva

    collage

    Os times de Pernambuco não têm ataque.

    Quem tem ataque são os torcedores. Ataque de nervos.

    E se nem o Sport, que é o primo rico da parada, não tem atacante que faça gols, só que faça raiva, imagine os outros.

    Aliás, disseram que os atacantes do Sport não vieram com os demais jogadores da Bahia por que o avião era da Gol. Perderam o voo. Bastou ser gol que perdem.

    No Náutico, meu Deus, destino de atacante é o Departamento Médico. Quando contratam um atacante nos Aflitos eles não avaliam se fazem gols, mas se tem plano de saúde.

    Carmona passou um ano só falando com os médicos do clube. Se fizer o Enem para medicina, já entra no segundo ano do curso. Tanto que nem dá mais autógrafo, e sim receita médica: “Um abraço, duas vezes por dia, após o café da manhã e o jantar.” Com a letra feia e tudo.

    Quem não tem remédio é o ataque do Santa. A dupla titular nunca jogou junta. Um não sabe nem o nome do outro. Azar maior é que Betinho não se machuca. Tem uma saúde de ferro. Também, com aquela cara de xarope.

    Quem fica doente mesmo é o tricolor. Se pelo menos fizessem uma cirurgia para trocar os pernas-de-pau do time.

    Como se não bastasse, não adianta nem a torcida reclamar, pois os presidentes dos três clubes, além de cegos, andam surdos.

    Não veem nada do que acontece em campo nem ouvem o que se grita da arquibancada.

    LEIA MAIS:

    >> Atacantes de times pernambucanos na berlinda

  • Renatinho quer transformar pressão em motivação

    Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem

    Foto: Alexandre Gondim / JC Imagem

    Pressão foi uma palavra bem conhecida nos últimos tempos no Santa Cruz. Com apenas duas competições no ano – Pernambucano e Série B -, o torcedor tricolor não admite nada menos do que chegar nos primeiros lugares. Mas o lateral-esquerdo Renatinho não vê isso como um fator inibidor para o grupo. Para ele, o anseio das arquibancadas tem que ser transformado em motivação para o primeiro dos jogos decisivos, sábado (18), diante do Central, pela semifinal do Estadual.

    “Não vejo como pressão e sim motivação. O torcedor para o estádio e com 40 50 mil pessoas não tem pressão. Vejo pelo lado bom porque isso me motiva a trabalhar bem para eles saírem felizes do estádio. Espero que motive os outros também”, ressaltou.

    A mesma palavra também foi levantada pelo lado bom. Como o Santa venceu o Central nas duas vezes em que se enfrentaram no hexagonal do título, os adversários podem entrar ressabiados e sem a confiança necessária. Agora Renatinho acredita que isso possa ajudar, mas que não signifique possibilidade de encontrar uma situação mais fácil porque mata-mata é diferente.

    “Ajuda a colocar pressão, pois foram dois jogos em que nossa equipe se saiu bem. Mas não podemos relaxar porque mata-mata é outro campeonato, é um tipo de jogo que temos que ter mais atenção. Ainda por cima vamos começar em casa e o ideal é fazer um bom resultado aqui”, apontou.

  • Confira os destaques desta terça-feira no Blog do Torcedor

    destaques_1404

    » Conselho suspende verba para CT do Náutico

    » Love.fútbol indicada para prêmio

    » Wendell foca na Copa do Brasil

    » Sport pode trocar atacantes com a Ponte Preta

    » Sacoman pronto para levar o Santa a mais uma decisão

  • Santa Cruz: Bruno Mineiro cauteloso para voltar a jogar

    Bruno Mineiro pode voltar no jogo de volta das sêmis

    Bruno Mineiro voltou a treinar com bola nesta terça

    Depois de 65 dias recuperando-se de uma lesão no adutor direito, o atacante Bruno Mineiro reencontrou-se oficialmente com a bola nesta terça-feira (14). E, apesar de fazer todos os movimentos, inclusive chutar, sem sentir nada, o jogador foi bastante cauteloso em falar sobre voltar ao time titular. A previsão é de que ele tenha totais condições no segundo jogo contra o Central pela semifinal do Pernambucano, no dia 26, em Caruaru.

    Bruno explicou que sua lesão foi bastante delicada e não quer queimar etapas sob risco de um novo retorno longo ao departamento médico. “Não foi simples. Treinei bem e não senti nada mas não vivo só de um jogo. Estamos pensando no ano todo até porque fiz contrato até o fim do ano e quero cumprir”. Ele lembrou que, uma vez disputando um jogo oficial não pode tentar dosar a força como é possível fazer em treinos. “Lá dentro não posso dosar. Não quero que o torcedor me veja entrando para sair depois. Isso é triste para eles e para mim também. Quero jogar mas tudo tem que ser avaliado passo a passo”, lembrou.

    Os questionamentos sobre seu retorno têm razão de ser. O Santa Cruz tem o pior ataque entre os semifinalistas do Estadual e o único jogador do setor disponível para o primeiro jogo, no próximo sábado (19) é Betinho, já que Anderson Aquino está vetado. Bruno Mineiro entende as cobranças mas faz a ressalva que um gol começa lá atrás, com um jogada bem criada, um cruzamento bem feito… “Sabemos que temos que o ataque tem que fazer masi gols. Mas não depende só do centroavante. A cobrança tem que existir e é assim que se melhora”.

    Sobre o confronto com os centralinos ele não vê favoritismo do Santa. Aliás, aponta vantagem para o rival, mesmo com os tricolores tendo vencido os dois jogos na fase de classificação. “O que manda é dentro de campo. Não adianta ser grande e jogar como pequeno. Todo mundo está ciente do que vem pela frente”, destacou.

    TRABALHO - O treino que Bruno participou foi focado nas saídas em velocidade e valorização da posse da bola. Nos próximos dois dias, o técnico Ricardinho comanda os trabalhos com os portões fechados. Ele vai usar esses treinos para definir o companheiro de Betinho, no ataque. Thiaguinho e Guilherme Biteco são os candidatos mais fortes.

  • Atacantes de times pernambucanos na berlinda

    atacantes_770

    Gol de atacante, que nos últimos anos era problema exclusivo do Sport, parece ter ‘contaminado’ os rivais Náutico e Santa Cruz. Tudo bem que os leoninos têm, disparado, a maior quantidade de gols do Campeonato Pernambucano (19), mas a participação de quem tem por ofício balançar as redes adversárias é inferior à metade do que foi marcado. Até o Salgueiro com seu bom início de temporada não escapa à escassez. O percentual de gols de seus

    Foram 21 jogos em 2015, excetuando a Taça Ariano Suassuna, um torneio amistoso, o time da Ilha marcou 35 gols entre Estadual, Copa do Nordeste e Copa do Brasil. Os quatro atacantes – Joelinton, Mike, Felipe Azevedo e Samuel – marcaram 12, o que corresponde a apenas 34,2% do total. O artilheiro do time é Élber, meia de origem, que marcou cinco vezes – quatro no Pernambucano e uma na Copa do Nordeste. O atacante com melhor desempenho é Felipe Azevedo, com seus quatro gols – dois no regional e dois no estadual.

    Média: 1,66 gols por jogo

    Joelinton
    16 jogos em 2015
    1 gol na Copa do Nordeste
    1 gol no Campeonato Pernambucano

    Felipe Azevedo
    10 jogos
    2 gols na Copa do Nordeste
    2 gols no Pernambucano

    Mike
    16 jogos
    2 gols no NE
    1 gol no PE

    Samuel
    8 jogos
    1 gol NE
    2 gols PE

    Artilheiro na temporada:
    Elber (meia)
    20 jogos
    4 gols no PE
    1 gol no NE

    SANTA CRUZ

    Relegado apenas ao Campeonato Pernambucano, o tricolor seguiu a linha de pouca competição pouco gol. Nos dez jogos disputados pelo hexagonal do título do Campeonato Pernambucano, o tricolor marcou apenas 9 vezes. Dos cinco atacantes disponíveis no elenco apenas dois marcaram gols. Betinho, artilheiro coral na temporada, fez três; e Anderson Aquino, um. Bruno Mineiro, que jogou apenas duas vezes por conta de uma lesão muscular, ficou em branco. O mesmo acontece com Thiaguinho e Waldison.

    O vice-artilheiro do time é o meia João Paulo, que anotou duas vezes. Muito pouco para quem mais vezes fez o artilheiro do Campeonato Pernambucano: 30 vezes. Os quatro gols dos atacantes corais representam 44,4% do total.

    Média: 0,9 por jogo

    Betinho
    9 jogos
    3 gols

    Anderson Aquino
    7 jogos
    1 gol

    Bruno Mineiro
    2 jogos
    0 gol

    Thiaguinho
    5 jogos
    0 gol

    Waldison
    7 jogos
    0 gol

    NÁUTICO
    Com três competições – Pernambucano, Nordestão e Copa do Brasil – o Náutico tem o jogador que mais marcou gols entre os grandes. O atacante Josimar balançou as redes sete vezes. Foram quatro no Pernambucano e três na Copa do Nordeste. Isso representa quase um terço de tudo que o time fez no ano, já marcou 22 vezes em 17 jogos.

    O problema é baixo volume e depender apenas de um jogador. Dos cinco atacantes do grupo, dois ainda não marcaram – Jefferson Nem e Stéfano Yuri. João Paulo fez um e Renato conseguiu quatro – 1 no Pernambucano e três no Nordestão. Prova disso é que o timbu tem o segundo melhor ataque do Estadual, 11 gols, mas não conseguiu se classificar às semifinais e terminou o hexagonal do título na lanterna. O percentual de participação é o melhor, com 54,5%

    Média 1,29 gols por jogo

    Jefferson Nem
    9 jogos
    0 gol

    João Paulo
    6 jogos
    1 gol no PE

    Josimar
    14 jogos
    7 gols
    3 no NE
    4 no PE

    Renato
    16 jogos
    4 gols
    1 no NE
    3 no PE

    Stéfano Yuri
    2 jogos
    0 gol

    SALGUEIRO
    O Carcará, semifinalista do Pernambucano e classificado antecipadamente para a segunda fase da Copa do Brasil, marcou 25 gols em 19 jogos e seu artilheiro é mais eficaz que os atacantes rubro-negros e tricolores. Anderson Lessa marcou cinco vezes, três no Nordestão e duas no Pernambucano. Atrás dele vem Kanu com seus três gols marcados na goleada sobre o Piauí na Copa do Brasil por 5×1. O time sertanejo tem nada menos que oito atacantes. Três deles não marcaram – Júlio Estevão, Cicinho e Alemão – e Gustavo Alves ainda não jogou. A média dos homens da frente é semelhante à do Santa: 44%.

    Média: 1,31 gols por jogo

    Júlio Estevão
    7 jogos
    0 gol

    Gustavo Alves – não jogou

    Kanu
    11 jogos
    3 gols na Copa do Brasil

    Cicinho
    3 jogos
    0 gol

    Anderson Lessa
    11 jogos
    5 gols
    3 no NE
    2 no PE

    Paulinho Mossoró
    1 jogo
    1 gol na Copa do Brasil

    Alemão
    1 jogo
    0 gol

    Paulo Júnior
    4 jogos
    2 gols na Copa do Nordeste

  • Diego Sacoman pronto para levar o Santa a mais uma decisão

    Foto: Matheus Albino - Blog do Torcedor

    Foto: Matheus Albino – Blog do Torcedor

    Por Felipe Amorim, da editoria de Esportes do Jornal do Commercio

    Acostumado com decisões. Foi desta maneira que se autointitulou o zagueiro Diego Sacoman, que terá a responsabilidade de substituir Danny Morais na defesa tricolor.

    Escolhido para formar dupla com Alemão, Sacoman foi contratado para ser um dos líderes da equipe ao longo da temporada. Só que mesmo com poucos jogos até o momento (titular contra o Central e entrou no segundo tempo diante do Sport), o defensor, de 28 anos, tem conseguido passar um pouco da sua experiência ao jovem grupo tricolor.

    “Na minha carreira, sempre tive a sorte de atuar em jogos decisivos, e agora terei mais uma oportunidade. Dá aquela ansiedade, um friozinho na barriga, mas quando o árbitro apita tudo passa. É uma sensação muito boa”, disse Sacoman.

    Quando esteve no Corinthians, clube que o revelou, foi campeão da Copa do Brasil em 2009, contra o Internacional. Naquela noite, entrou no decorrer do jogo e pôde contribuir para a conquista histórica. No Campeonato Paulista, naquele mesmo ano, disputou, como titular, a final diante do Santos, em mais um título no currículo. Até na Ponte Preta, seu último clube, participou do título do Interior, em 2013.

    Em relação aos desfalques que o Santa Cruz terá de lidar, Sacoman preferiu valorizar quem entrará na equipe a lamentar as perdas. “São jogadores que sentiremos a falta, porque estávamos numa crescente, mas quem vai entrar corresponderá à altura. Disso tenho certeza. O momento é de dar confiança a quem vai entrar”, afirmou Diego Sacoman, que substituirá o titular Danny Morais.

  • Confira os destaques desta segunda no Blog do Torcedor

    destaques_1304

    » Diego Souza pode pegar até 180 dias de suspensão

    » Welton Felipe fora por três semanas

    » Desembarque apático do Sport

    » Simeone espera um jogo diferente com o Real Madrid

    » Jogos da volta das semifinais do Estadual serão no dia 26