publicidade
06/12/17
Quando o Náutico jogou nos Aflitos da Série B, a média de público era 12 mil por partida. Foto: Fernando da Hora/Acervo JC Imagem
Quando o Náutico jogou nos Aflitos da Série B, a média de público era 12 mil por partida. Foto: Fernando da Hora/Acervo JC Imagem

Náutico começa sem casa a temporada de 2018

06 / dez
Publicado por Maria Lua Ribeiro em Instant Articles às 7:14

Com algumas opções de campo para comandar os jogos da próxima temporada, o Náutico ainda não tem nenhum lugar definido como mandante em 2018. O ideal mesmo, pelo menos para o torcedor alvirrubro, é retornar aos Aflitos da Conselheiro Rosa e Silva. Mas essa realidade parece distante, afinal a casa do Timbu está em reforma. Há uma semana o clube anunciou que vai lançar um crowdfunding para arrecadar verba para a continuidade da obra na sede alvirrubra.

Em entrevista à Rádio Jornal, o gerente de futebol do Náutico, Ítalo Rodrigues, disse que não tem nada certo com nenhuma das possibilidades. “Nem com a Arena de Pernambuco (São Lourenço da Mata), nem com o Gileno de Carli (Cabo de Santo Agostinho), nem com o o Luiz Lacerda (Caruaru). Estamos vendo todas as possibilidades, porque a gente precisa pensar no nosso torcedor e ver o que financeiramente vai ser mais viável para o clube para poder definir. Também temos que torcer para que logo logo a gente possa voltar para a nossa casa que são os Aflitos”, disse.

LEIA MAIS:

“Não existe preocupação com goleiro”, diz dirigente do Náutico

Diretoria espera que torcida lote jogos do Náutico como mandante

Náutico deve anunciar novos reforços nesta semana para 2018

Além da dificuldade com a definição do estádio, o Náutico vem enfrentando problemas com a renovação de profissionais como um todo no clube, e não somente no futebol. “A intenção é sempre profissionalizar o clube como um todo. Como responsável pelo futebol cobro muito isso da diretoria. A gente tem passado por momentos difíceis, inclusive de amigos que o clube está tendo que abrir mão, mas infelizmente é um processo que precisamos passar para poder nos reorganizarmos. Não podemos continuar sofrendo o que vem acontecendo há tantos anos no clube”, disse.

Nas duas últimas semanas, o dirigente informou que foram 60 horas contabilizadas de reunião com a gestão do clube. “É um processo muito exaustivo, mas necessário para a reformulação. É uma luta diária, mas interminável, pois estamos sempre buscando algo diferente e melhor, pra que a gente consiga trazer o Náutico pro cenário positivo nacional. A torcida precisa entender que ela é um combustível que não temos como mensurar”, destacou Ítalo, que aproveitou para convocar a torcida para comparecer ao campo, independente de onde o Náutico vá jogar como mandante.



PUBLICIDADE
FECHAR