publicidade
14/11/17
Cal Rodrigues disputou mais de 20 jogos pelo Náutico na temporada e espera conquistar mais espaço em 2018. Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Cal Rodrigues disputou mais de 20 jogos pelo Náutico na temporada e espera conquistar mais espaço em 2018. Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Volante do Náutico projeta um 2018 com mais vitórias e volta aos Aflitos

14 / nov
Publicado por Karoline Albuquerque em Instant Articles às 16:04

O volante Cal Rodrigues subiu da base para o time principal do Náutico em 2016, mas apenas nesta temporada passou a compor o elenco integralmente. Ele disputou 21 jogos com a camisa alvirrubra, entre partidas como titular e entradas no decorrer. Apesar de avaliar o ano do Timbu de forma negativa como um todo, o jogador acredita que é uma jornada de amadurecimento em sua carreira e espera um 2018 melhor para ele e para o Alvirrubro.

Pessoalmente, Cal quer continuar ganhando experiência, aprimorando a velocidade de raciocínio na hora de pensar as jogadas em sua área de atuação no campo. E, claro, entrar mais em campo e quem sabe conquistar a titularidade. “Quero jogar mais vezes e se possível ganhar mais jogos. A torcida do Náutico merece um ano melhor. Acho que, somada a volta aos Aflitos, porque realmente é a casa da gente, jogar na Arena é complicado pela questão de torcida, espero de 2018 um ano melhor”, disse.

LEIA MAIS:

São Petersburgo quer retomar centro para recuperar torcedores embriagados na Copa

Náutico x Vila Nova transferido da Arena de Pernambuco para o Arruda

Meia da base pode ter oportunidade no Náutico

Ao olhar para trás e fazer uma análise, o volante admite que começou o ano de 2017 com esperanças melhores e lembrou que o time não começou mal. Por ter saído da base, Cal acredita que passa por um processo de amadurecimento constante e relembra até o técnico do rival.

“Só que junta muita coisa, talvez o planejamento. Não sei. No início do ano realmente tive oportunidades, acho que fiz bons jogos. Dois clássicos, joguei bem. Depois me machuquei, perdi um pouco de espaço. Acontece. Eu vi uma entrevista de Vinícius Eutrópio, na época do Santa Cruz, falando que atleta da base leva em torno de três anos oscilando bastante. Então, estou nesse processo de amadurecimento”, avaliou o alvirrubro.



PUBLICIDADE
FECHAR