publicidade
10/08/17
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem

André compara o Sport atual com o time que estreou com a Ponte Preta

10 / ago
Publicado por Wladmir Paulino em Instant Articles às 14:31

No próximo domingo (13), o Sport terá pela frente ninguém menos que o adversário que lhe impôs a maior derrota no Brasileirão 2017. No dia 14 de maio, a Ponte Preta fez 4×0 em um time apático, bem diferente do que terminou o primeiro turno. O comando era outro e a formação tão diferente da atual que o atacante André considera aquele um jogo de outro campeonato.

“Acho que é outro time, outra cabeça e posso dizer outro campeonato porque agora já começa o segundo turno. Então é totalmente diferente. E a gente espera que o resultado seja totalmente diferente também”, pontuou.

Leia mais:

André avalia as vantagens de o Sport ter a semana cheia

Com todos atacantes à disposição de Tite, Diego Souza tem prova de fogo na seleção

Sport cresce diante do top 10 da Série A, mas vacila com os abaixo

Sport: Contra a Ponte, André tem duelo pessoal pela artilharia do Brasileiro

Se colocarmos na conta o lateral-direito Samuel Xavier, que cumpre suspensão automática, apenas quatro daqueles titulares podem manter a mesma condição do próximo jogo: Magrão (goleiro), Everton Felipe (meia-atacante), Osvaldo (atacante) e André (atacante). Como Lenis era titular e está voltando de suspensão, esse número pode cair para três.

A zaga, por exemplo, foi formada por Igor e Matheus Ferraz – emprestado ao Goiás. No meio de campo estava Neto Moura, hoje no América Mineiro.

André lembrou que, mais do que mudanças no time, o aspecto principal que atrapalhou o desempenho dos rubro-negros naquele dia foi a confiança. Ou melhor, o abalo que ela havia sofrido recentemente. O Sport chegou em Campinas depois de quase deixar escapar a classificação para a segunda fase da Copa Sul-Americana para o Danubio (URU). Venceu o primeiro jogo por 3×0 e foi derrotado pelo mesmo placar em Montevidéu. Nas cobranças de pênalti, Magrão salvou o time.

“Acho que o principal é a confiança. A gente vinha de uma classificação, mas de uma forma muito complicada lá no Uruguai. Claro que enfrentar a Ponte Preta lá é sempre difícil, ainda mais em uma estreia de campeonato. Mas agora já passou o friozinho da estreia e o time já está entrosado”, avaliou.



PUBLICIDADE
FECHAR