publicidade
17/07/17
Edno Melo (E) e Diógenes Braga (D) foram aclamados presidente e vice, respectivamente. Foto: Divulgação/Resgate Alvirrubro
Edno Melo (E) e Diógenes Braga (D) foram aclamados presidente e vice, respectivamente. Foto: Divulgação/Resgate Alvirrubro

“Não tem nenhuma dificuldade que seja maior do que o Náutico”, diz vice eleito

17 / jul
Publicado por Karoline Albuquerque em Instant Articles às 15:02

Após a aclamação da chapa Resgate Alvirrubro para a gestão do biênio 2018-2019 no Náutico, o vice-presidente eleito Diógenes Braga ressaltou a crença na manutenção do time timbu na Série B do Campeonato Brasileiro e elogiou o comportamento da torcida nos últimos jogos da equipe. No momento, o Náutico ocupa a lanterna da competição, com sete pontos.

O vice-presidente destacou o desempenho do time apesar dos empates em casa com o líder Juventude e no clássico contra o Santa Cruz. “Tem que acreditar. Rodadas atrás estávamos a 10 pontos do vice lanterna. Agora estamos a cinco, diminuímos a diferença. Distância para o primeiro da zona caiu de 13 para nove nesse momento. Não vamos conseguir resolver em duas ou três rodadas. precisa fazer campeonato consistente, de recuperação continua e conseguindo sair da situação”, avaliou.

LEIA MAIS:

Aflitos: Edno Melo reforça “volta para casa” do Náutico

Presidente eleito Edno Melo pede que resgate do clube comece “a partir de amanhã”

Náutico comunica falecimento de ex-técnico Duque

Braga pediu que a melhora no retrospecto e a recuperação no campeonato seja feita sem afobamento e com entrega dentro e fora de campo, além de voltar a ressaltar a crença na permanência. O vice-presidente também destacou a necessidade de “abraçar o Náutico” em um momento difícil, com dificuldades financeiras e a situação desfavorável na tabela.

“Não tem nenhuma dificuldade que seja maior do que o Náutico. O Náutico é maior do que qualquer dificuldade. Só que isso não pode ser só um discurso, tem que ser posto na pratica. Se todos nós efetivamente nos abraçarmos e contribuirmos, não importa o tamanho da contribuição, não importa se é em gesto ou monetário, se cada um der sua parcela de colaboração, o somatório disso tudo vai fazer com que a gente consiga reverter essa situação o quanto antes”, destacou Diógenes Braga.



PUBLICIDADE
FECHAR