Saulo acumula bons resultados e destaca simplicidade

Por Laura Cortizo

"Goleiro bom é goleiro simples." A frase é um conselho que o goleiro Saulo recebeu do professor, ídolo e amigo Magrão e nunca mais esqueceu, adotou como mantra. De volta à titularidade do Sport depois de meses difíceis de recuperação do joelho, o defensor que é prata-da-casa do Sport, almeja retorno à seleção e acredita que a combinação de trabalho e humildade o levarão até lá.

Enquanto esse dia não chega, ele vem dando sorte para o Leão em suas atuações. Dos setes jogos que disputou com a camisa rubro-negra, Saulo só contabiliza uma derrota, contra a Portuguesa, na Série B de 2010. Além disso, foram quatro vitórias e dois empates.

Entre as vitórias, ele destaca o 3×1 contra o Santa Cruz no Pernambucano de 2010. Mas a mais marcante, sem dúvida, foi a contra o Vitória, pelo Pernambucano de 2010. Naquele 1º de fevereiro, o jovem goleiro viveu o céu e o inferno em questão de minutos. Depois de fazer o gol de cabeça que conferiu a vitória do Leão, ele pisou em falso no gramado e terminou rompendo os ligamentos do joelho.

O incidente terminou em cirurgia e seis longos meses de fisioterapia e fortalecimento muscular. "No começo fiquei muito preocupado, pensava que meu joelho nunca ia ser do mesmo jeito", confessa o atleta. Com o tempo e com o apoio da comissão técnica e da família, ele foi retomando a confiança.

Se a lesão do joelho foi a pior lembrança da sua carreira, Saulo não hesita em revelar a melhor delas: a passagem pela seleção brasileira Sub-20, em 2009. Os treinos na Granja Comary e os dois meses que passou no Egito foram a melhor experiência profissional do atleta. "Você sempre vê a Granja pela televisão e fica sonhando. Realizei um sonho", declara.

Natural de Piranhas, Alagoas, Saulo Araújo Fontes, de 23 anos, conta que a ida dele para as traves foi quase uma imposição. Mais alto entre o s amigos, ele sempre era escalado como goleiro nas peladas da infância. "No começo eu achava ruim, mas comecei a pegar gosto", revela. Já aos 16 anos, o alagoano fazia parte da equipe de juniores do Sport.

Mesmo com um longo tempo na Ilha do Retiro, as oportunidades no time titular da equipe profissional não foram muitas – sete jogos em três anos. Coisa de goleiro. Saulo garante, entretanto, que a competição com Magrão é a mais saudável possível.

"Aproveito para aprender com ele, observo muito tudo o que ele faz. Sempre torci para tudo dar certo com ele dentro de campo. A gente está sempre apoiando o outro. Aos pouquinhos eu vou conquistando meu espaço também." De acordo com ele, dentro de campo, Magrão é professor e exemplo e, fora dele, é um amigo. 

O nasciemento do filho pedro, há 22 dias, tem tudo para ajudar o jovem goleiro a focar ainda mais no caminho do sucesso. "Sempre que vou treinar, coloco ele na minha cabeça. Meu filho veio para ajudar na minha cerreira. Estou mais quieto, mais tranquilo, não saio tanto como eu fazia antes", conta.

Saulo reconhece que a situação do Leão no Brasileirão não é nada confortável, mas do alto de seus seis anos de Ilha do retiro, enxerga uma mudança positiva nos bastidores. "Tudo começou a se encaixar. A relação com o treinador é a melhor possível, ele dá espaço para a gente chegar e conversar. E o grupo é muito unido. Estamos juntos para tirar o Sport dessa situação", conclui.

Assista no vídeo abaixo, o lance que deixou o goleiro longe dos gramados por seis meses:

 

Deixe um Comentário