Vica entrega o cargo e não é mais o técnico do Santa Cruz

vica
Vica se sentiu incomodado com as críticas e o afastamento da torcida do Santa Cruz e, por isso, pediu demissão do cargo/Foto: Alexandre Gondim/ JC Imagem

Depois do empate contra o ABC-RN, no estádio do Arruda, na estreia do Santa Cruz na Série B, o técnico Vica demorou mais do que o normal para aparecer na sala de imprensa para conceder a entrevista coletiva. A desconfiança ficou no ar. Primeiro, a informação de que o treinador havia entregador o cargo. Em seguida, a confirmação. Vica apareceu e anunciou que não seria mais o técnico da equipe no restante da temporada. A diretoria já trabalha para buscar um novo comandante para a equipe.

Vica justificou que as eliminações na Copa do Nordeste e no Pernambucano Coca-Cola, ambas para o Sport, afastou a torcida do Santa Cruz. “Nós construímos uma bolha no Arruda, onde dirigentes, comissão técnica, jogadores e, principalmente, a torcida devem estar dentro. Mas, infelizmente, por conta dos nossos resultados, o torcedor não está junto. Não estou sentindo um clima positivo e eu mostrei à diretoria que a minha saída pode trazer o torcedor de volta para o clube”, afirmou.

O treinador foi bem equilibrado e realista. O futebol é cruel e Vica sabe muito bem disso.  As  já citadas eliminações foram motivos suficientes para que ele ficasse na mira da crítica dos torcedores. Ele sentiu o peso da pressão, que, no seu ponto de vista, estava atrapalhando bastante a busca pela retomada do Santa Cruz dentro de campo. “É muito difícil falar de injustiça no futebol. O comandante tem que tomar decisões antes dos jogos. Quando a gente ganha, você agiu certo. Mas se peder, agiu errado. Mas é assim que funciona. Como é que eu vou criticar o torcedor?”, disse.

Vica sentiu que não mais havia sinergia da torcida com o Santa Cruz e isso o incomodava. O treinador também reconheceu que não conseguiu fazer com  que os jogadores absorvessem as eliminações no Estadual e no Nordestão  e seguisse em frente. E a torcida estava se afastando do Arruda. “Por conta desse clima, eu já havia tomado a decisão de entregar o cargo independente do resultado. Eu não quero que outros resultados ruins aconteçam. E acho que com a vinda de outro comandante, o torcedor volte a ficar mais perto do clube”.

Ao tomar a decisão de sair do Santa Cruz, Vica não foi egoísta. Ele pensou no Santa Cruz e isso merece elogios. Na entrevista, ele deixou claro que tinha uma boa relação com jogadores e dirigentes. “A gente já estava conversando sobre a contratação de reforços, pois sempre falei que o grupo precisava qualificar para a Série B e também ganhar novas mentes, ideias”, destacou o treinador, que lamentou o fato de ter perdido alguns jogadores por causa de contusões nos momentos decisivos. “Isso atrapalhou bastante”, completou.

Logo após Vica, o presidente do Santa Cruz, Antônio Luiz Neto, apareceu na sala de imprensa para explicar a situação. O mandatário coral elogiou a postura do treinador e lamentou a sua saída.  “A verdade é que o treinador se colocou de forma bastante forte, enfáticao. Vica foi um profissional que demonstrou grandeza neste momento. Para ele, seria melhor deixar o comando técnico para ajudar o clube. O Santa Cruz tem um grupo qualificado e vencedor. Mas dentro do futebol, têm momentos que é importante ter a mudança. Então, Vica achou que esse seria o momento”, disse o presidente, que já trabalha nomes para assumir o Tricolor para o restante da temporada.

 

Náutico: Lisca se diz satisfeito com empate diante do Bragantino fora de casa

lisca
Foto: JC Imagem

O Náutico foi valente e conseguiu arrancar um empate diante do Bragantino no estádio Nabi Abi Chedid depois de estar perdendo por 2×0.

Cheio de reservas, e muitos deles jovens das categorias de base, o Timbu não fez uma boa partida apresentando muitas falhas em todos os setores da equipe.

Por isso o técnico Lisca gosotu do primeiro ponto somado na competição. “Gostei muito do time em campo e estou satisfeito com o resultado. Não gostei do primeiro gol sofrido, pois sabíamos que o Tássio era o homem de referência e perigoso na bola parada”, afirmou.

O time foi para os vestiários perdendo por 1×0, na volta, Lisca colocou Renato e Leleu nos lugares de Izaldo e Geovane. As coisas pioraram ainda mais para o Timbu após o gol de Leo Jaime aos 22 do segundo tempo.

Mas o time teve forças para buscar a igualdade no placar e sair com um ponto somado na tabela de classificação. E foi pela luta e pelo acerto nas mudanças que o técnico Lisca ficou ainda mais contente com o time.

“No segundo tempo cobrei mais vibração do time e fiz duas mudanças. Coloquei o Leleu e o Renato e o time ficou mais dinâmico. No final conseguimos o empate e foi justo”, contou.

Para o próximo jogo na Série B, sábado diante do Vila Nova-GO na Arena PE o comandante garantiu todos os titulares que estiverem à disposição, afirmando que não vai mais usar time misto daqui pra frente.

“Contra o Vila vai ser o time titular, hoje foi para preservar para o jogo de quarta-feira. Vamos ver se teremos todos os jogadores de volta ao time”, encerrou.

Santa Cruz joga mal e fica no empate em 1×1 contra o ABC

santa_betinho
Betinho (à direita) marcou o gol do Santa Cruz, no primeiro tempo. No segundo, o time levou o gol de empate e não teve como reagir/Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

O Santa Cruz não teve uma estreia na Série B como a sua torcida queria. Jogando um futebol de pouca inspiração, a equipe do técnico Vica não saiu de um empate em 1×1 diante do ABC-RN, no estádio do Arruda. Insatisfeita com a sequência de maus resultados, a torcida coral vaiu a equipe e o comandante tricolor. Como se não bastasse, a torcida ainda viu o ídolo Dênis Marques, que agora defende as cores do time potiguar, balançar as redes do goleiro Tiago Cardoso. O gol coral foi marcado por Betinho.

Ser eliminado nas semifinais do Pernambucano pelo rival Sport e começar a Série B sem vencer em casa aumenta a pressão sobre o técnico Vica. Para mudar a situação, o Santa Cruz precisa vencer o Salgueiro na próxima terça-feira para conquistar a terceira colocação do Estadual e, consequentemente, a vaga no Nordestão 2015. O próximo compromisso pela competição nacional é diante da Portuguesa, em São Paulo, no próximo sábado. Isso se a Lusa entrar em campo, já que a diretoria do clube paulista declarou que só volta a jogar a Série B depois que o imbróglio jurídico for resolvido.

O JOGO

No primeiro temo, o time coral encontrou dificuldades para superar a boa marcação do time potiguar, que foi a campo com uma equipe bem postada defensivamente e com toque de bola no setor ofensivo.

O Santa Cruz parecia nervoso em campo. E, por isso, o primeiro chute a gol só aconteceu aos 20 minutos. E foi logo abrindo o placar. Raul passou para Sorriso, que mandou uma bomba. O goleiro Gilvan deu rebote e Betinho aproveitou.

Era o que a equipe tricolor precisava para ficar mais tranquila em campo. O ABC saiu para o ataque, mostrando-se uma equipe desorganizada demais para jogar ofensivamente. E assim, o Santa Cruz encontrou espaços para chegar mais à frente e oferecer perigo ao goleiro Gilvan.  O time pernambucano poderia ter feito o segundo gol se calibrasse o pé.

No segundo tempo, a equipe pernambucana manteve o ritmo, buscando o ataque para sufocar o adversário. Mas o ABC surpreendeu. Zé Teodoro promoveu a entrada de João Henrique no lugar de Otávio. O time potiguar ganhou mais mobilidade e ficou mais ousado.

Logo aos oito minutos, o ABC-RN conseguiu o gol de empate. João Henrique foi acionado pela esquerda, avançou e cruzou na cabeça de Dênis Marques, que mandou para as redes. O atacante não comemorou por respeitar o Santa Cruz, clube que o trata como ídolo. Mas o placar estava igual.

O lance deixou o Santa Cruz impaciente. O time ficou ansioso, enquanto a torcida cobrava uma reação. Na medida em que o tempo passava, a equipe coral cometia erros e o ABC aproveitava. Aos 17 minutos, Dênis Marques limpou a jogada e chutou forte. Tiago Cardoso espalmou, a bola subiu e ainda bateu no travessão.

O técnico Vica foi cobrando mais ofensividade ao time. Mas o Santa Cruz cometia erros na troca de passe. Para dar mais velocidade, o comandante tirou Raul e escalou Renatinho. A equipe foi à frente, conseguiu trabalhar a bola na frente, mas criou poucas chances de gols. Numa delas, aos 39 minutos, Luciano Sorriso chutou forte e a bola passou perto do gol, mas foi para fora. O Santa Cruz ainda tentou buscar o ataque, mas não conseguiu encontrar espaço e o tempo se esgotou. Só restou ao time ouvir as vaias da torcida.

Ficha do jogo

Tiago Cardoso, Oziel, Everton Sena, Renan Fonseca e Zeca; Sandro Manoel, Luciano Sorriso, Raul (Renatinho) e Raniel (Jéferson Maranhão); Caça-Rato (Pingo) e Betinho. Técnico: Vica.

ABC – Gilvan, Patrick, Samuel, Suelinton e Luciano Amaral; Michel, Somália, Daniel Amora e Otávio (João Henrique); Lúcio Flávio (Liel) e Dênis Marques (Beto). Técnico: Zé Teodoro.

Local: Estadio do Arruda. Árbitro: Grazianni Maciel (RJ). Assistentes: Rondinelle dos Santos e Lennon Maccartney (AL). Gols: Betinho, aos 20 minutos do primeiro tempo, e Dênis Marques, aos 8 do segundo. Cartões amarelo: Sorriso, Suelinton, Somália e Liel. Público: 10.024. Renda: R$ 138.420,00.

Com time misto, Náutico arranca empate contra o Bragantino em São Paulo

Estreia é sempre difícil, ainda mais quando a competição é a complicada Série B do Campeonato Brasileiro, muito mais quando a equipe coloca em campo os reservas que estão totalmente sem ritmo de jogo.

E mesmo assim o Náutico arrancou um empate por 2×2 diante do Bragantino no estádio Nabi Abi Chedid em Bragança Paulista, pela primeira rodada da Série B.

O técnico Lisca escolheu ir à São Paulo com um time mesclado por conta da segunda partida da final do Campeonato Pernambucano. Cheio de garotos o time não fez uma boa partida, chegou a tomar 2×0, mas uniu forças e conseguiu o empate.

Os gols do Braga foram marcados por Tássio, aos 47 minutos do primeiro tempo e Léo Jaime, aos 22 do segundo tempo.Pelo Náutico, Hugo, de pênalti, aos 25 e Leleu, aos 45 do segundo tempo.

Agora, o time paulista vai até Santa Catarina enfrentar o Avaí na próxima terça-feira, enquanto o Timbu tem a decisão do Pernambucano na próxima quarta-feira. Depois, recebe o Vila Nova-GO na Arena PE, no sábado.

O Jogo

Foi difícil, com um time cheio de garotos, para o Náutico se sobressair frente ao Braga no Nabi Abi Chedid. Em campo uma equipe desarrumada e confusa, errando muitos passes e sendo pouco produtivo no ataque.

Logo aos seis minutos o goleiro Alessandro cresceu na frente de Gustavo e fez uma grande defesa. O lance aconteceu após bobeada da zaga. Sem poder de criação o Náutico teve que apelar para as bolas paradas.

Aos nove minutos teve uma boa oportunidade, mas o volante Gustavo Henrique jogou a bola na barreira. As principais jogadas do Braga eram criadas pela direita, mas o lateral Gedeílson não estava com o pé calibrado e não acertava os levantamentos na área.

Era no escanteio que o time paulista assustava mais. Em um dos lances, a bola pingou na grande área mas ninguém apareceu para finalizar.

Tentando sair para o jogo o Náutico assustou com Hugo, que chutou cruzado mas ninguém apareceu, isso aos 28 minutos. Aos 45, após falta cobrada por Izaldo, William Alves subiu sozinho e tocou pra fora.

Parecia que os primeiros 45  minutos acabariam assim. Mas, aos 47 o castigo veio – Falta cobrada na área e o centroavante Tássio subiu sozinho e abriu o placar.

Na segunda etapa Lisca fez alterações tentando colocar mais ofensividade em campo, Renato e Leleu entraram nos lugares de Izaldo e Geovane.

O Timbu até começou melhor, mais rápido e tocando um pouco melhor a bola. Do outro lado, o alvinegro passou a apostar nos contra-ataques, e em um deles quase marcou o segundo, após boa jogada de Léo Jaime.

Renato entrou bem no jogo mas aos 14 minutos esqueceu o futebol e tentou mostrar suas qualidades como ator, caiu na área, mas a cena não convenceu o árbitro.

O segundo gol do Braga veio aos 22 minutos, após linda jogada de Léo Jaime, que driblou William alves e chutou forte de perna esquerda no ângulo de Alessandro.

Não demorou muito para a reação começar. Aos 25, João Ananias foi derrubado e o árbitro marcou pênalti. Hugo cobrou bem e diminuiu.Após o gol alvirrubro o jogo perdeu em emoção por alguns minutos, o Braga abdicou do ataque e o Náutico ainda pecava nos passes e nas finalizações por causa do desentrosamento.

Lisca mecheu mais uma vez, colocou Hélder Maurílio no lugar de Gustavo. Mas não foi esta mudança que surtiu o efeito que ele esperava. Foi a do jovem Leleu, que aos 46 minutos arriscou de longe e marcou um belo gol. Fim de jogo em Bragança Paulista e o Náutico estrou com um bom empate fora de casa.

Ficha de jogo

Bragantino: Leandro Santos; Alex Moraes, Guilherme e Yago (André Astorga); Gedeílson, Francesco, Fabiano (Robertinho), Gustavo e Pará; Léo Jaime e Tássio (Paulinho). Técnico: Marcelo Veiga.

Náutico: Alessandro, João Ananias, Diego, William Alves e Izaldo (Leleu); Gustavo Henrique (Hélder Maurílio), Rodrigo Possebon, Roberson e Liniker; Geovane (Renato) e Hugo. Técnico: Lisca

Campeonato Brasileiro Série B (1°rodada)
Local: Estádio Nabi Abi Chedid (Bragança Paulista-SP)
Árbitro: Alinor da Paixão (MT).
Assistentes: José Larroyd e Fernanda Colombo Uliana (ambos de SC).
Cartões amarelos: Bragantino (Francesco, Alex Morais); Náutico (Izaldo, Liniker, Gustavo Henrique, Roberson)
Gols: Bragantino – Tássio(aos 47 min do 1°t) e Léo Jaime (aos 22 min do 2°t), Náutico – Hugo (de pênalti, aos 26 min e Leleu aos 45 do 2°t)

Morre Luciano do Valle, um ícone da transmissão esportiva na TV

É com muita tristeza que informamos a morte do narrador esportivo, apresentador de televisão e empresário Luciano do Valle, 70 anos.

Ele foi vítima de enfarte. Luciano havia viajado de São Paulo para Uberlândia, onde transmitiria a partida Atlético-MG x Corinthians, na estreia das equipes no Brasileirão.

Na aeronave, o narrador esportivo passou mal e, na cidade mineira, foi levado direto para a UTI do Hospital Municipal, onde não resistiu e faleceu.

Luciano do Valle foi um grande entusiasta do futebol pernambucano. Ele foi o primeiro a promover as transmissões dos jogos do campeonato estadual ao vivo pela TV.

No vídeo abaixo, confira uma entrevista exclusiva que Luciano do Valle concedeu ao Blog do Torcedor, durante a cobertura da Copa do Mundo da África, em 2010. Quando perguntado pelo Recife, ele chorou de emoção ao relembrar os bons tempos que viveu na capital pernambucano.

Análise do primeiro tempo – Bragantino 1×0 Náutico

Estreia é sempre difícil, ainda mais quando a competição é a complicada Série B do Campeonato Brasileiro, muito mais quando a equipe coloca em campo os reservas que estão totalmente sem ritmo de jogo.

É mais ou menos por isso que o Náutico não conseguiu fazer um bom primeiro tempo diante do Bragantino no estádio Nabi Abi Chedid em Bragança Paulista e saiu de campo perdendo por 1×0.

O pior é que o gol do Braga saiu com 47 minutos, após a cobrança de falta e a cabeçada de Tássio, sem chances para Alessandro. Neste lance, o técnico do Timbu, Lisca, saiu reclamando bastante do árbitro por conta do tempo em que o gol saiu.

Em campo um Náutico desarrumado e confuso, errando muitos passes e sendo pouco produtivo no ataque. Não fosse Alessandro essa derrota poderia estar com um placar ainda maior.

Logo aos seis minutos ele cresceu na frente de Gustavo e fez uma grande defesa. O lance aconteceu após bobeada da defesa. Sem poder de criação o Náutico teve que apelar para as bolas paradas.

Aos nove minutos teve uma boa oportunidade, mas o volante Gustavo jogou a bola na barreira. Em cima, o Braga foi em busca do gol e não deu espaços.

As principais jogadas eram criadas pela direita, mas o lateral Gedeílson não estava com o pé calibrado e não acertou os levantamentos na área.

Era no escanteio que o time paulista assustava mais. Em um dos lances, a bola pingou na grande área mas ninguém apareceu para finalizar.

Tentando sair para o jogo o Náutico assustou com Hugo, que chutou cruzado mas ninguém apareceu, isso aos 28 minutos. Aos 45, após falta cobrada por Izaldo, William Alves subiu sozinho e tocou pra fora.

Parecia que os primeiros 45  minutos acabariam assim. Mas, aos 47 o castigo veio – Falta cobrada na área e o centroavante Tássio subiu sozinho e abriu o placar.

Análise do primeiro tempo – Santa Cruz 1 x 0 ABC

O futebol não foi do jeito que a torcida queria, mas o Santa Cruz conseguiu abrir uma vantagem mínima, mas importante de 1×0 sobre o ABC, no primeiro tempo da partida de estreia das duas equipes na Série B.

O time coral encontrou dificuldades para superar a boa marcação do time potiguar, que foi a campo com uma equipe bem postada defensivamente e com toque de bola no setor ofensivo.

O Santa Cruz parecia nervoso em campo. E, por isso, o primeiro chute a gol só aconteceu aos 20 minutos. E foi logo abrindo o placar. Raul passou para Sorriso, que mandou uma bomba. O goleiro Gilvan deu rebote e Betinho aproveitou.

Era o que a equipe tricolor precisava para ficar mais tranquila em campo. O ABC saiu para o ataque, mostrando-se uma equipe desorganizada demais para jogar ofensivamente. E assim, o Santa Cruz encontrou espaços para chegar mais à frente e oferecer perigo ao goleiro Gilvan.  O time pernambucano poderia ter feito o segundo gol se calibrasse o pé.

Diante do Santos, Sport quer estrear com pé direito no Brasileirão

AG-durval
Durval está confirmado no tim do Sport e, assim, vai encarar seu ex-clube pela primeira vez/Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

A final do Pernambucano Coca-Cola 2014 acontece na próxima quarta-feira, mas o técnico do Sport, Eduardo Baptista,  não quer saber de moleza. Neste domingo, a partir das 18h30, na Vila Belmiro, o Leão faz sua estreia no Brasileirão, diante do Santos e o comandante rubro-negro manda a campo sua força máxima. Baptista que, neste início de competição, surpreender os rivais antes da paralisação por conta da Copa do Mundo. E, para isso, não vai poupar ninguém apesar da decisão no Estadual, diante do Náutico. Contra o Peixe, a ideia é valorizar a posse de bola no setor ofensivo e bloquear as jogadas do time paulista. Mas a missão não é fácil. Afinal, o time do técnico Oswaldo Oliveira venceu todos os jogos que fez em seu estádio. Até agora foram 11 vitórias, 26 gols marcados e cinco sofridos.

Eduardo Baptista sabe da força que o adversário tem. Por isso, o comandante pediu atenção máxima dos seus atletas. A única mudança confirmada no time que vinha jogando é a saída do meia Aílton, que está desgastando fisicamente. O treinador rubro-negro já confirmou a entrada do experiente Renan Oliveira. É possível que Eduardo também mude em outra posição. Wendell também pode ser sacado pelo mesmo motivo. Nesse caso, surge uma dúvida para saber quem entra na equipe: Ananias ou Danilo? A definição deve acontecer momentos antes da partida começar.

Para o comandante rubro-negro, apesar de se dividir e o Estadual e o Brasileirão, a equipe encontrou um perfil interessante para iniciar o segundo semestre bem. “Nesses seis últimos jogos, entramos dentro da realidade da Série A. Não em termos de poderio financeiro, mas de motivação. Tivemos jogos difíceis, como jogar uma final de Copa do Nordeste no Castelão, as partidas das semifinais do Pernambucano contra o Santa Cruz e uma final contra o Náutico. Com isso, nosso time já começou a respirar ares de Série A”, disse Baptista.

A meta dos rubro-negros é de conquistar de 15 a 18 pontos dos 27 que estarão em disputa até a pausa para a Copa do Mundo. Uma boa largada pode garantir tranquilidade ao grupo até o retorno dos jogos do Brasileirão. Por isso, o treinador quer o Sport “mordendo” o adversário do começou ao fim da partida. Os jogadores já assimilaram bem a ideia do comandante. “É importante ter o máximo de pontos possíveis porque depois temos um tempo de descanso para a cabeça e o professor Eduardo trabalhar mais a equipe. O campeonato é longo, mas passa muito rápido e três pontos que você perde no começo pode fazer falta lá na frente”, acrescentou o atacante Felipe Azevedo.

SANTOS

Depois de perder o título paulista para o Ituano, o Peixe venceu o Mixto, na Vila, por 3×0, e agora espera iniciar o Brasileirão com pé direito. O técnico Oswaldo de Oliveira confirmou as escalações do meia Cícero e o atacante Leandro Damião, que se recuperaram de contusões musculares.

A partida também chama a atenção pelos reencontros de alguns jogadores. No lado do Sport, Durval vai encarar pela primeira vez o Santos desde a sua saída do clube, no final do ano. Pelo lado do Peixe, Lucas Lima vai enfrentar o Sport, clube onde se destacou no ano passado na Série B. Certamente, os dois serviram de informante para os seus respectivos treinadores.

Ficha técnica

Santos
Aranha; Cicinho, Neto, David Braz e Mena; Alan Santos, Arouca, Geuvânio e Cícero; Thiago Ribeiro e Leandro Damião. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Sport
Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê; Rodrigo Mancha, Ewerton Páscoa, Wendel (Danilo ou Ananias) e Renan Oliveira; Felipe Azevedo e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.

Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos (SP). Horário: 18h30.Árbitro: Arílson Bispo da Anunciação (BA). Assistentes: Rodrigo Pereira Joia e Silbert Faria Sisquim (ambos do RJ).

Página 1 de 6.47412345...102030...Última »