Sport começa disputa da Série A tentando surpreender equipes que ainda se ajustam

Até onde pode chegar a equipe de Neto Baiano? Foto: Guga Matos/JC Imagem

Até onde pode chegar a equipe de Neto Baiano? Foto: Guga Matos/JC Imagem

A maior competição do Brasil começa neste fim de semana. É a largada para o Brasileirão 2014. São 20 equipes na luta pelo título, por vagas na Libertadores, na Sul-Americana ou até mesmo pela permanência na Série A. O Sport é o representante pernambucano na competição e espera surpreender os rivais neste início de competição. Abaixo, uma breve análise das equipes que estão no Brasileirão:

Mineiros chegam muito fortes neste início de competição

Apesar de continuarem na Libertadores, tanto Cruzeiro como Atlético-MG vêm fortes na Série A. A Raposa, que luta pelo bicampeonato, reforçou ainda mais o seu elenco e pode se dividir entre o Brasileirão e a competição sul-americana. O grande destaque do time azul continua sendo Everton Ribeiro, eleito craque de 2013. Uma possível fraqueza é não ter mais o elemento surpresa neste início de Série A. O Cruzeiro é a equipe a ser batida.

Cruzeiro está vivo na Libertadores. Foto: Cruzeiro

Cruzeiro está vivo na Libertadores. Foto: Cruzeiro

Já o Atlético-MG pode não o mesmo elenco recheado dos cruzeirenses, mas possuem muita qualidade com atletas como Ronaldinho Gaúcho e Jô. O técnico Paulo Autuori mudou um pouco a maneira do Galo atuar e reforçou a defesa da equipe, que sofre poucos gols. Uma possível fraqueza seja o mau momento de jogadores como Diego Tardelli e Ronaldinho. Ainda assim, entra sonhando com o título.

Gaúchos querem voltar a levantar a taça da Série A

As equipes gaúchas podem não ter o favoritismo de Cruzeiro e Atlético-MG, mas também chegam forte na Série A. Campeão estadual com sobras, o Internacional é quem sonha mais alto. Comandados pelo argentino D’alessandro, o Colorado ainda tem o retorno dos jogos no Beira-Rio. A expectativa do time de Abel Braga é lutar pela taça ou pelo menos por uma vaga na Libertadores do ano que vem.

Inter sonha alto. Foto: Internacional

Inter sonha alto. Foto: Internacional

O Grêmio poderia até chegar mais forte na Série A, mas além de se dividir com a Libertadores, tem que superar a derrota sofrida na final do Gaúcho. O destaque é o atacante argentino Barcos, que voltou a marcar muitos gols com a camisa tricolor. Além dele, vale observar o jovem Luan, que vem sendo um dos principais articulares do Grêmio.

Paulistas enfraquecidos depois de muito tempo

Desde 1988, São Paulo não tinha um Brasileirão tão ruim como foi o do ano passado, quando a melhor equipe paulista foi o Santos, que ficou em sétimo. E o cenário não mudou muito para 2014. Os quatro grandes de São Paulo chegam para o início de Série A sem grandes perspectivas de títulos. São Paulo e Corinthians vivem uma reformulação no elenco e são interrogações. A esperança dos tricolores recai sobre o atacante Alexandre Pato, trocado por Jádson com o Corinthians. Curiosamente, o ex-são paulino é o grande nome dos alvinegros, que já não possuem a mesmo força de 2012, por exemplo.

Alexandre Pato é esperança do São Paulo. Foto: São Paulo Oficial

Alexandre Pato (em primeiro plano) é esperança do São Paulo. Foto: São Paulo Oficial

Santos e Palmeiras sãos as equipes mais arrudas dos quatro grandes do estado. Ainda assim possuem suas ressalvas. O Peixe sofre com a crítica da torcida a Leandro Damião, que não engrenou ainda. Já o Verdão vive dúvidas sobre o meia Valdívia, que é muito irregular na temporada.

O interessante em São Paulo mesmo será observar como vai se comporta o goleiro Rogério Ceni, que tem vive sua última temporada como profissional no São Paulo.

Baianos vivem momentos opostos

As duas equipes baianas vivem momentos diferentes para a estreia no Brasileirão. Campeão estadual, o Bahia é quem chega melhor ajustado para a competição. A meta é fazer um papel melhor em relação aos últimos anos, quando brigou pelo rebaixamento. O otimismo é grande no Tricolor de Aço não só pela conquista do Baianão, mas também pela arrumação que o clube vem passando fora dos gramados. O Bahia trocou recentemente de direção e tem a torcida mais perto. Além disso, o elenco é melhor qualificado com nomes como o jovem Anderson Talista e o meia Maxi Biancucchi, que curiosamente estava no Vitória em 2013. Um possível ponto fraco é o ataque que não faz muitos gols.

Baianos possuem sonhos diferentes. Foto: Bahia Oficial

Baianos possuem sonhos diferentes. Foto: Bahia Oficial

Já o Vitória pode-se dizer que dormiu no ponto depois da bela campanha na Série A do ano passado, quando ficou em quinto. O Leão da Bahia perdeu seus melhores jogadores e demorou para repor as peças. O reflexo disso foi na queda do nível técnico da equipe. Para piorar a situação, o rubro-negro perdeu o principal jogador, o meia Escudero, que está lesionado e só volta no segundo semestre. A vida não será fácil para o Vitória.

Catarinenses esperam zonas intermediárias

Três são os representantes de Santa Catarina no Brasileirão – Chapecoense, Figueirense e Criciúma. Do trio, o Figueirense é quem aparece como a melhor equipe. O Figueira chega empolgado pelo título do Catarinense e pela evolução da equipe. Um possível problema é o grupo reduzido. O experiente Marcos Assunção é o motor do alvinegro, que espera não ter que lutar contra o rebaixamento.

Criciúma ainda se ajusta. Foto: Criciúma Oficial

Criciúma ainda se ajusta. Foto: Criciúma Oficial

Chapecoense e Criciúma são interrogações para a Série A. O time de Chapecó volta para a elite do futebol brasileiro depois de muito tempo afastado (jogou o Brasileirão apenas no fim da década de 70) e vem com uma proposta modesta e clara: não cair. Para isso, aposta em uma fórmula que trouxe sucesso em anos anteriores: manteve a base que vem dando bons frutos para o clube e contratou jogadores pouco conhecidos no cenário internacional. O goleiro Lauro, ex-Internacional é o jogador mais conhecido. A política da Chapecoense é completamente a oposta do Criciúma, que trouxe medalhões para o grupo de 2014. O interminável Paulo Baier é o craque do Tigre. Nomes como o volante Martinez (ex-Náutico) e o lateral-esquerdo Cortêz (ex-São Paulo e Benfica). Ainda assim, o Criciúma precisa se ajustar muito para não fazer feio. Fez um Estadual ruim e sofre com a falta de um matador. Cristiano, que foi destaque do Paranaense pelo Londrina é a esperança do Tigre.

Cariocas não esperam muito do Brasileirão

Assim como os paulistas, os times do Rio de Janeiro não estão muito otimistas para a Série A. Botafogo e Fluminense são as equipes que mais preocupam. O Fogo fez uma péssima campanha no Carioca e foi eliminado da Libertadores ainda na primeira fase. O alvinegro sofre com problemas de salários atrasados e boatos de que os jogadores não se dão bem. Outro problema do Botafogo é a falta de um atacante que faça gols, tanto que Emérson chegou para ocupar essa vaga. A situação é muito similar a do Fluminense, que vive problemas fora das quatro linhas com o atrito entre a direção e o principal patrocinador: a Unimed. Além disso, há o desgaste do clube por conta da permanência do Flu na Série A na base do tapetão. O destaque é o atacante Fred, que em forma leva perigo para qualquer defesa.

Flamengo de Alecssandro é o melhor carioca. Foto: Flamengo

Flamengo de Alecssandro é o melhor carioca. Foto: Flamengo

O Flamengo é quem vive uma situação mais tranquila em relação aos rivais. Ainda assim, isso não significa muito já que o rubro-negro não tem grandes esperanças de brigar pelo título. O elenco é reduzido e não teve grandes reforços. O Urubu vai apostar em atletas desconhecidos e torcerá para dar certo. Hernane e Alecssandro são os destaques.

Paranaenses começam a Série A precisando de ajustes

Os paranaenses não possuem muitos motivos para otimismo na Série A. Tanto os torcedores de Coritiba como os do Atlético-PR estão receosos com o momento de seus times. Quem mais preocupa é o Furacão, que se desfez do time da Libertadores e está apostando em atletas jovens. O Coxa está um passo na frente, mas sofre com problemas de comando. O técnico Celso Roth chegou para o Brasileirão com a esperança de arrumar o time, que sofre com lesões. O destaque ainda é o meia Alex, que vive sua última temporada como profissional.

Coritiba vem com novo técnico, Celso Roth. Foto: Coritiba

Coritiba vem com novo técnico, Celso Roth. Foto: Coritiba

Goiás vem como candidato forte ao rebaixamento

Uma equipe que provavelmente começa a Série A como forte candidata ao rebaixamento é o Goiás. O time esmeraldino perdeu a final do Goiano para o Atlético-GO e trocou de técnico – saiu Claudinei Oliveira e entrou Ricardo Drubscky. O elenco também não é dos mais fortes e a diretoria não possui muito dinheiro para investimento. A situação está muito complicada no Goiás.

Sport busca surpreender

Campeão da Copa do Nordeste e finalista do Pernambucano, o Sport tenta surpreender os rivais neste início de competição. Para isso, aposta em um time já arrumado e com uma defesa muito forte. Uma possível fraqueza é falta de um meia tanto para o time titular como para a reserva – Aílton ainda não inspira tanta segurança. O prognóstico inicial é que o Leão fique pelo menos nas posições intermediárias neste começo de Brasileirão.

Foto: Guga Matos/JC Imagem

Foto: Guga Matos/JC Imagem

Time mais caro do Catar, Al Rayyan é rebaixado para a segunda divisão

Do site Trivela

Com atuais 14 equipes, o futebol catariano vem se desenvolvendo, mas ainda está longe de ser comparado às ligas de Japão e Coreia do Sul, as mais ricas e organizadas da Ásia. Entretanto, o Catar conseguiu atrair em 2013/14 108 jogadores estrangeiros, sendo alguns importantes.

O Al Sadd, por exemplo, tem o atacante madrileño Raúl, mas os brasileiros também se destacam. Dos 28 jogadores tupiniquins no Catar – o país forasteiro com o maior número –, Nilmar (El Jaish), Rodrigo Tabata (Al Sadd), o folclórico zagueiro Domingos (Al Kharitiyat), William (ex-Ponte Preta) e Madson (Al Khor), Nenê (Al Gharaffa) e o ex-botafoguense Victor Simões (Umm Salal) são alguns que merecem ser citados.

Leia a matéria completa AQUI

Confira como foi o JC Esporte10 desta sexta-feira

Torcedor que obteve liminar nega queixa contra Lusa

Da Agência Estado

Renato Britto de Azevedo, o torcedor da Portuguesa que obteve liminar que mantém o clube na Série A do Campeonato Brasileiro, afirmou nesta sexta-feira, pelo Twitter, que não partiu dele a suposta queixa-crime que fez a Lusa deixar o gramado da Arena Joinville depois de decorridos 18 minutos da partida contra o Joinville, nesta noite, pela rodada inaugural da Série B.

Em troca de mensagens com Luiz Ademar, que comentava o jogo pelo SporTV e é presidente da Aceesp (Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo), Renato já havia alertado, antes do jogo, que se a Lusa entrasse em campo poderia ser obrigada pela Justiça a abandonar a partida.

» Lusa cumpre liminar e abandona partida em Joinville

“Assim que o jogo começar, faço queixa-crime contra os diretores jurídicos da CBF e da Lusa”, postou ele, às 18h48. “Se depois vão caçar a liminar é outra história, mas está vigente. O mínimo que se pede é respeito às leis”, escreveu. Antes, em mensagem a outro jornalista, lamentou: “Duro é gastar tempo e dinheiro, constituir um advogado e a Lusa não fazer jus à liminar que a juíza me concedeu”.

Ainda na troca de mensagens pelo Twitter, Renato afirmou que “o processo não é contra a CBF, é contra o ato lesivo praticado ao declarado patrimônio cultural que é o futebol” e acrescentou não ter nada contra o Fluminense.

Assim que a Lusa entrou em campo, o presidente do clube, Ilídio Lico, teria sido intimado a retirar a equipe do gramado, uma vez que a liminar da 3ª Vara Cível do Foro Regional da Penha, em São Paulo, concedida no dia 10 de abril, devolveu os quatro pontos que a Portuguesa perdeu no julgamento do STJD no final do ano passado pela escalação irregular do meia Héverton.

Com a decisão da juíza Adaísa Bernardi Isaac Halpern, a Lusa está provisoriamente na Série A. A CBF chegou a pedir reconsideração, mas o pedido foi negado pela magistrada. Assim, o clube poderia ser punido se descumprisse a decisão e jogasse.

Aos 18 minutos do jogo na Arena Joinville, o delegado da partida de Joinville, Laudir Zermiani, entrou no gramado com a liminar e imediatamente Argel pediu que os jogadores saíssem do campo. Os atletas do Joinville permanecem no gramado da Arena até que o árbitro encerrasse o jogo, meia hora depois.

Minutos depois de a Lusa deixar o gramado, o próprio delegado da partida, dizendo ter conversado ao telefone com o presidente da CBF, José Maria Marin, foi até o vestiário da Portuguesa e disse que a ordem da entidade é que o jogo fosse retomado.

O trio de arbitragem e o Joinville aguardaram por meia hora para que a Portuguesa voltasse a campo, mas isso não aconteceu. Assim o capixaba Marcos Andre Gomes da Penha se viu obrigado a encerrar a partida.

DEMISSÃO – Antes de tudo isso acontecer, o vice-presidente jurídico da Portuguesa, Orlando Cordeiro de Barros, pediu demissão do cargo. “A decisão (de colocar o time em campo) foi do presidente (Ilídio Lico) e não concordo com ela. O regime é presidencialista”, disse o dirigente à reportagem. “Nosso posicionamento era cumprir a determinação judicial, favorável ou não. Ela tem o poder de lei”, argumentou ele, antes ainda de o time sair de campo.

Daniel Neves, advogado que defende a Portuguesa, mostrou surpresa com a decisão do presidente. “A determinação do departamento jurídico era não jogar. Não sei o que houve de ontem (quinta) para hoje (sexta). Isso tem de ser conversado com o presidente”, disse o advogado.

Faltando duas horas para a partida, por volta das 17h30, Ilídio Lico ainda aguardava uma manifestação oficial da CBF e também pretendia consultar outros dirigentes do clube para decidir se o time jogaria ou não. “Quero consultar os outros poderes do clube para não tomar a decisão sozinho”, afirmou o dirigente à reportagem.

Sport tem boas expectativas para o Brasileirão

Equipe do novo técnico ainda não sofreu gols. Foto: Rodrigo Lobo/JC Imagem

Eduardo Baptista tem boas perspectivas para o Sport na Série A do Campeonato Brasileiro. Foto: Rodrigo Lobo/JC Imagem

A primeira missão é garantir a permanência. Depois, buscar algo maior. É dessa forma que o Sport deve começar sua participação na Série A 2014 de acordo com o técnico Eduardo Baptista, a partir deste domingo (20), quando o leão entrar em campo para enfrentar o Santos, às 18h30, na Vila Belmiro. O sonho mais alto do comandante leonino encontra exemplo nas campanhas de Vitória, Goiás e, principalmente, Atlético Paranaense, no ano passado.

O técnico enumerou as equipes da região sudeste – reforçadas pela dupla Grêmio e Internacional – como favoritas pelo maior poderio financeiro. “Tem umas dez equipes do sul que são favoritas pelo poderio financeiro. Mas o Goiás, o Atlético Paranaense e o Vitória, que não chegou por pouco, nos leva a acreditar que é possível. A primeira meta é a permanência. A mudança da série B para a Série A é uma transição difícil”, explicou.

Ele acredita que o Sport pode começar bem a competição pela sequência de jogos decisivos que vem encarando nas últimas semanas. Foram dois confrontos com o Ceará pela Copa do Nordeste, outros dois com o Santa Cruz na semifinal do Pernambucano e, agora, a final do Pernambucano com o Náutico. “Nos últimos seis jogos entramos um pouco na realidade da Série A, pela motivação e dificuldade encontradas na final do Castelão nas sêmis com o Santa e disputando agora com o Náutico. O time já começa a respirar ares de como será”, pontuou.

Outro fator que ajuda é justamente os atletas terem dado respostas altamente positivas nesses confrontos. Ele traçou uma comparação com o ano de 2012, quando o rubro-negro disputou a primeira divisão mas terminou rebaixado. “Fomos mal no Pernambucano, eliminados preococemente na Copa do Brasil e aquilo tudo gerou desconfiança, troca de jogadores. Começamos mal o Brasileiro e quando o time foi se reerguer faltavam 12 ou 13 rodadas e não deu. Agora estamos colhendo bons frutos e isso gera motivação e confiança”, destacou.

Por sua vez, o atacante Felipe Azevedo falou mais especificamente sobre o jogo com o Santos. Para ele, o Sport vai ter que ser perfeito na marcação para conseguir segurar o a jovem e rápida equipe praieira. “Vamos precisar de um bom jogo defensivo, mas também jogar e chegar com qualidade. Temos que levar a mesma confiança da Copa do Nordeste e do Pernambucano para toda Série A”, ressaltou.

Reservas do Náutico têm a responsabilidade da estreia

O goleiro Alessandro será o único titular do Náutico. Foto: Guga Matos/JC Imagem

O goleiro Alessandro será o único titular do Náutico. Foto: Guga Matos/JC Imagem

Caberá aos reservas do Náutico, reforçados pelo goleiro Alessandro, a tarefa de representar bem o clube na primeira rodada da Série B. A segunda partida decisiva do Campeonato Pernambucano diante do Sport, na próxima quarta-feira (23) fez com que a comissão técnica optasse por deixar o grupo principal recuperando – e também treinando – no Recife. Os timbus encaram o Bragantino, neste sábado (19), a partir das 16h20, no estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista.

O técnico Lisca coloca a situação como um risco calculado. Ele reconhece que os pontos do jogo com o Bragantino são os mesmos de todas as 37 partidas subsequentes, mas há um caminho longo a percorrer, ao contrário do Pernambucano, que não tem mais nada depois da próxima quarta. “Realmente essa é uma situação diferente, mas estamos pensando na Série B e no Estadual. É um risco calculado (escalar os reservas). Mas a primeira rodada tem o mesmo valor que a última e ainda estamos no início do campeonato. No Pernambucano, só resta a final”, disse.

Lisca, inclusive, só embarcou para o interior de São Paulo na tarde desta sexta, um dia depois da delegação que disputará a partida, justamente para comandar mais um treino para os titulares. Ele ainda não definiu os 11 titulares mas já tem ideia do que quer. O sistema é o 4-4-2. “Vou conversar com os atletas, assistir aos últimos jogos do Bragantino e aí decidir o que vou fazer em campo. Acredito que o Náutico jogue no 4-4-2, até porque não tem como fugir disso”, observou. “Sobre a escalação, só tenho dúvida se coloco Vinícius na meia e Leleu na criação”, pontuou.

Se é pouco para uns, essa partida com o Bragantino significa muito para o goleiro Alessandro. Afinal, o jogador reencontrou o bom momento com a camisa do Náutico, depois de um 2013 sofrido no Vasco, que culminou com o rebaixamento dos cruzmaltinos para a Segundona. “As coisas estão acontecendo de uma maneira muito positiva. As pessoas no Náutico confiam no meu trabalho e isso me dá uma motivação muito grande”, explicou.

BRAGANTINO – Se o Náutico vai a campo com uma equipe bem diferente da que vem jogando com mais frequência, o Bragantino terá praticamente o mesmo grupo que disputou o Campeonato Paulista. O técnico Marcelo Veiga promove três estreias: o volante Fabiano, o lateral-esquerdo Pará e o lateral-direito Gedeílson.

Ficha do jogo:

Bragantino: Leandro Santos; André Astorga, Guilherme Mattis e Yago; Pará, Gedeilson, Fabiano, Diego e Gustavo; Léo Jaime e Tássio. Técnico: Marcelo Veiga.

Náutico: Alessandro; João Ananias, William Alves, Diego e Izaldo; Gustavo Henrique, Rodrigo Possebon, Vinícius e Leleu; Geovane e Hugo. Técnico: Lisca.

Local: Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista (SP). Horário: 16h20. Árbitro: Alinor da Paixão (MT). Assistentes: José Larroyd e Fernanda Colombo Uliana (ambos de SC).

Santa Cruz estreia na Série B diante de velhos conhecidos

Betinho ganha uma vaga no ataque com a suspensão de Leo Gamalho. Foto: Edmar Melo/JC Imagem

Betinho ganha uma vaga no ataque com a suspensão de Leo Gamalho. Foto: Edmar Melo/JC Imagem

Sete anos depois o Santa Cruz volta a disputar uma Série B de Campeonato Brasileiro. O reencontro está marcado para às 16h20 deste sábado (19), no Arruda. E quis o destino que esse retorno começasse diante de duas figuras que foram essenciais para o clube chegar a esse ponto, depois chegar ao fundo do poço – leia-se Série D. O adversário tricolor é o ABC-RN, que tem como técnico Zé Teodoro, comandante tricolor em 2011 e 2012, quando conquistou dois campeonatos estaduais e o primeiro acesso, da D para a Série C. O atacante Dênis Marques, artilheiro nos dois anos anteriores, agora é o camisa nove do rival.

O tricolor entra em campo desfalcado de seu principal jogador. O atacante Leo Gamalho cumpre suspensão por uma cotovelada no zagueiro Ferron, do Sport, no primeiro jogo pelas semifinais da Copa do Nordeste. A importância do cabeludo é sentida pelos números. No Campeonato Pernambucano o tricolor não conseguiu vencer nas partidas em que ele não balançou as redes.

Quem entra no lugar dele é Betinho, jogador contratado recentemente e que correspondeu sempre que foi chamado. Ao lado dele está o ídolo Flávio Caça Rato, que espera ter um bom entrosamento com o novo companheiro. “Ele tem um estilo parecido com o meu. Conheço Betinho dos juniores, quando ele jogava no Náutico e eu no Spor. Espero que ele seja feliz e possa fazer um bom papel para o Santa Cruz conquistar a vitória”, ressaltou.

O CR7 do Arruda também falou sobre Dênis Marques, com quem formou dupla vitoriosa com a camisa vermelha, preta e branca. Pela primeira vez, ele terá o parceiro do outro lado do campo. Deseja sorte a ele, mas que ela só apareça a partir da segunda rodada.

“Eu e Dênis estamos em situações opostas. Somos amigos, irmãos, cada um vai defender o seu lado. Vou fazer o melhor pelo Santa Cruz, como sempre fiz, e ele vai defender o ABC. Só espero uma boa estreia e com vitória. Já falei com ele, que se vier com aquele migué de puxar o cabelo é pau!”, disse, entre risos, referindo-se ao hábito de DM9 de ficar enrolando as tranças enquanto a bola não chega.

ABC – O já citado Dênis Marques não é a única novidade dos potiguares. O técnico Zé Teodoro promove as estreias de Gilvan (goleiro) e Liel (volante). Teodoro quer um time equilibrado, sem atirar-se de qualquer forma ao ataque mas também não passar o tempo todo rebatendo bolas. A marcação promete ser forte no meio de campo tricolor.

Ficha do jogo:

Santa Cruz: Tiago Cardoso; Oziel, Everton Sena, Renan Fonseca e Zeca; Sandro Manoel, Luciano Sorriso, Raul e Renatinho; Flávio Caça-Rato e Betinho. Técnico: Vica

ABC: Gilvan; Patrick, Samuel, Suéliton e Luciano Amaral; Liel, Daniel Amora, Somália e Octávio; Lúcio Flávio e Dênis Marques. Técnico: Zé Teodoro.

Local: Arruda. Horário: 16h20. Árbitro: Grazianni Maciel (RJ). Assistentes: Rondinelle dos Santos e Lennon Maccartney (AL). Ingressos: arquibancada inferior R$ 30, arquibancada superior, sócio e estudante R$ 15.

Thiago Silva lamenta notícia de briga com Ibrahimovic

Foto: AFP

Foto: AFP

Da Agência Estado

O zagueiro Thiago Silva, capitão do Paris Saint-Germain e da seleção brasileira, apenas lamentou, nesta sexta-feira, a notícia de capa do diário francês L’Equipe. De acordo com o jornal, o brasileiro e o sueco Ibrahimovic, dois dos líderes do grupo, estão sem se falar desde janeiro, depois que o atacante deu uma bronca desproporcional em Lucas e o zagueiro se viu obrigado a interferir.

Em matéria exclusiva, o L’Equipe revela a briga, que teria acontecido no intervalo do jogo contra o Ajaccio, dia 11 de janeiro. O jornal trás a manchete “Quem comanda o PSG?”, com layout em referencia a um buraco de fechadura.

“Lamento muito que estas notícias apareçam em um momento que estamos totalmente concentrados nas retas finais de duas competições. Neste sábado temos uma decisão de Copa da Liga (Francesa) e nas próximas semanas temos a chance de conquistar o bicampeonato nacional”, escreveu Thiago Silva, em comunicado.

Ele, porém, não nega o entrevero. “Simplesmente afirmo que minha cabeça, e garanto que de todos os meus companheiros também, somente estão voltadas para ganhar estes títulos para o PSG.”

Página 1 de 6.47212345...102030...Última »