Sport – Qual deve ser o destino de Aílton?

 

 Foto: Edmar Melo / JC Imagem

Foto: Edmar Melo / JC Imagem

O ABC está tentando, a Portuguesa também, mas o destino do meia do Sport, Aílton, deve ser outro. O Avaí.

Segundo o empresário do jogador, Marcos Santos, faltam poucos detalhes para fechar a negociação com o clube de Santa Catarina.

O Avaí, vice líder da Série B, é comandado pelo técnico Geninho, com quem Aílton trabalhou na Série B do ano passado. Na época, o treinador comandava o Sport e levou o clube rubro-negro ao acesso à Série A.

No jogo de ontem contra o Criciúma, Aílton nem foi relacionado.

 

Santa Cruz: desfalques não devem ser problema

Foto: Ricardo Labastier

Memo pode ser titular contra o ABC. Foto: Ricardo Labastier

Apesar de o número de desfalques ser considerável – três – o técnico do Santa Cruz, Sérgio Guedes, não deve sofrer muito para escolher os substitutos a partir desta segunda-feira (1), quando o time inicia os preparativos para o primeiro jogo no returno da Série B, sábado (6), contra o ABC, em Natal. A vitória sobre o Atlético-GO na última sexta custou as saídas do lateral-direito Tony, do volante Sandro Manoel e do meia Wescley. Os dois primeiros levaram o terceiro amarelo. O terceiro envolveu-se numa troca de empurrões com o adversário Luciano Sorriso e terminou expulso já após o apito final.

A lateral pode ter o prata da casa Nininho, que já foi titular antes da chegada de Tony. Na cabeça de área, Memo deve aparecer no posto de Sandro. O meio tem como primeira opção Carlos Alberto, que, inclusive, era titular e foi poupado contra os goianos por apresentar um nível elevado de desgaste físico.

Pelos elogios do técnico à atuação do time no primeiro tempo, a formação com dois meias deve ser mantida. Guedes gostou muito da mobilidade e dinâmica de jogo dadas por Natan e Wescley. Ele quer aproveitar a semana para consolidar esse estilo, já que a partir da próxima rodada não haverá mais intervalo de uma semana para trabalhar durante todo mês de setembro. “Se essa (atuação) do primeiro tempo for padrão vamos ver quanto custa e continuar pagando”, disse o técnico.

 

Náutico: Vinícius liberado para voltar contra o Bragantino

Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Após cumprir suspensão, meia Vinícius pode voltar ao Náutico diante do Bragantino. Foto: Diego Nigro/JC Imagem

O meio de campo, setor do Náutico que mais sofreu na derrota para a Ponte Preta, ganha dois reforços de peso para a abertura do returno da Série B no próximo sábado (6), diante do Bragantino, na Arena Pernambuco. Os meias Cañete e Vinícius. O primeiro não atuou no último sábado porque sofreu uma lesão muscular. Já o segundo cumpriu suspensão pelo terceiro cartão amarelo.

O aproveitamento de Cañete ainda vai depender de uma avaliação médica. Ele sofreu uma lesão de grau 1 no adutor da coxa direita na quarta-feira. O tempo estipulado de recuperação era uma semana.

Se pode ganhar dois jogadores, o técnico Dado Cavalcanti também perde mais dois e, mais uma vez não terá todos os jogadores à disposição. Por coincidência, as ausências são nas duas laterais. Rafael Cruz (direito) e Raí (esquerdo) tomaram o terceiro amarelo contra a Macaca e ficam de fora. Nesse caso, o comandante deve ter menos dúvidas para acionar os substitutos.

Para o lado direito ele tem Neílson, que ainda não foi utilizado por Dado. Ainda há a possibilidade de adaptar João Ananias no setor. O volante já atuou pelo lado direito. Na esquerda, o substituto natural é Roberto, este bem mais experimentado no posto.

De virada, Central vence o Jacuipense-BA pela Série D

Do JC Online

O Central passou sufoco, mas conseguiu superar o Jacuipense-BA por 2×1, de virada, neste domingo, em partida válida pela sétima rodada do Grupo A3 da Série D do Campeonato Brasileiro. Casagrande abriu o placar para o time baiano, no Lacerdão, em Caruaru, enquanto Juninho e Jailson descontaram para a Patativa. Com o resultado, o Central soma nove pontos e figura na vice-liderança da chave. Mesmo com a derrota, o Jacuipense segue no topo da tabela, com 10 tentos e um jogo a menos.

A equipe de Caruaru não sabia o que era vencer há duas rodadas e, por pouco, não observou o Leão do Sisal triunfar no Lacerdão. É que o Jacuipense dominou o primeiro tempo e aproveitou a superioridade para abrir o marcador aos 26, com Casagrande. Se a situação estava complicada, depois do gol, o Central não conseguiu produzir jogadas ofensivas até o término dos 45 minutos iniciais.

A história da etapa complementar foi totalmente diferente. A Patativa arrancou o empate com Juninho, aos 32. E, nove minutos depois, conseguiu o gol da virada com Jailson. O Central só volta a jogar no dia 14 de setembro, contra o Campinense-PB, em Campina Grande. Já a Jacuipense recebe o mesmo Campinense no próximo domingo, no estádio Joia da Princesa, em Feira de Santana.

Neto Baiano defende o técnico e pede vaias só para si

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

A palavra mais repetida nas entrevistas de jogadores e do técnico do Sport, Eduardo Baptista, foi pressão. Em Eduardo, Zé Mário, Neto Baiano, Patric… E Neto Baiano aproveitou o alívio de marcar um gol após oito jogos para chamar para si a responsabilidade. Ele pediu que as vaias, reclamações e pressões venham para ele e não para os mais jovens.

Ele também falou sobre o técnico, a quem defendeu de forma contundente. Tanto que creditou cem por cento da vitória a Eduardo Baptista. “Foi um cara que chamou a responsabilidade no vestiário, é um cara dedicado, um menino como treinador e que chegou aqui ganhou dois títulos. Tem que ser respeitado. O Sport estava há três anos sem ganhar nada, já ganhou dois títulos em menos de seis meses e acho que a torcida ficou mal acostumada. A cobrança é legal mas não da forma que foi hoje”, disse, referindo-se aos apupos quando o comandante mandou Zé Mário entrar no lugar de Diego Souza.

Sobre o jejum que o colocava contra a parede, o jogador respondeu bem ao seu estilo, oscilando entre o sério e o irônico. Neto lembrou que muita gente já pedia sua saída do time titular mas o treinador jamais falou com ele nesse sentido. Aliás, foi ele a puxar o assunto. “Eu disse a ele que tanto fazia para mim jogar ou sair porque estava me ddicando. Ele tem muita confiança em mim”, disse. De fato, em sua entrevista, Eduardo comentou que cobra muito de seu camisa nove. “Cobro muito dele e ao mesmo tempo acredito muito. Ele passa uma vibração muito importante para os outros jogadores”.

O atacante reiterou que confia no seu taco e o longo tempo sem marcar não fazia com que ele se questionasse. “O importante é o Sport vencer e não somente eu fazer gol. Mas pode cobrar de mim que não ligo, só não quero que cobrem dos meus companheiros. Podem me vaiar”. Ele acredita que essa pressão é maior na Ilha do Retiro do que nos outros rivais. “Aqui, perdeu uma e já está em crise. Se é outro time daqui não acontecia nada”, apontou.

Técnico do Sport diz que mudança foi apenas na atitude

Eduardo Baptista consola o meia Diego Souza, que saiu machucado. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Eduardo Baptista consola o meia Diego Souza, que saiu machucado. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

A postura completamente diferente do Sport no segundo tempo, e que determinou a vitória sobre o Criciúma teve o mínimo de acerto tático e o máximo de cobrança. Quem garantiu foi o próprio técnico leonino, Eduardo Baptista, na entrevista coletiva após o jogo. Ele reiterou que ficou muito chateado com a postura do time e pediu mais força, mais pegada, porém tudo dentro de um posicionamento que já estava planejado – mas não executado – no primeiro tempo.

O comandante até lembrou que seu auxiliar, Pedro Gama, ainda tentou colocar alguma coisa diferente sobre posicionamento. No que ele retrucou que a urgência era no comportamento. “Não mudamos nada do que estava previsto. O que faltou foi postura, pegada, atitude e coragem. Adiantamos só um pouco para chegar mais nos meias e volantes deles. Esse é o futebol do Sport. Aí parece que foi fácil, mas não”, colocou.

A apatia dos primeiros 45 minutos foi tamanha, que o treinador apostaria num resultado bem complicado se o adversário fosse algum time da parte de cima da tabela. “Não é desmerecendo o Criciúma, mas se pega um Cruzeiro, pode perder o jogo. Corremos um risco muito grande. Se pega um time mais qualificado, perde o jogo em casa”, alertou.

PATRIC
A entrada do lateral-direito Patric numa função semelhante à que Danilo vem fazendo há muito tempo pelo lado esquerdo, de acordo com ele, foi trabalhada num treinamento porque era prevista. “Ele entrou muito bem. Falei para ele que a responsabilidade era minha, pois precisava mexer no setor”, explicou.

CAMPANHA
Baptista também ressaltou a campanha que o leões vêm fazendo mesmo com muitas dificuldades. Ele não tem conseguido repetir o time e a partida deste domingo foi a segunda seguida em que precisou fazer uma substituição no primeiro tempo por conta de contusão “O Sport nunca chegou numa 18ª rodada com 28 pontos e ainda podemos somar mais no fim do turno. É uma pontuação histórica. O melhor momento foi quando consegui repetir o time e somamos 16 pontos. Hoje estamos com sete jogadores no departamento médico. Tenho que encontrar as peças que possam encaixar”, disse.

Essa lotação do departamento médico ganhou o meia Diego Souza. O jogador deixou o campo aos nove minutos com dores na região posterior da coxa esquerda. O jogador será reavaliado amanhã. Ibson também reclamou de um incômodo no adutor direito e, apesar de ter ido para o banco, não foi acionado. Eduardo usou a lesão de Diego para fazer uma espécie de desabafo para quem exigia o jogador no time titular apesar das condições físicas ainda não serem as ideais.

“Muito se falou porque Diego não começava o jogo. Tudo que fazemos aqui é científico. Aqui não se joga nada no ar. Sabia que seria um risco, quem senta aqui não pode ter medo de tomar decisão. Ele se machucou mas fiz 28 pontos sem o diego e agora vou buscar mais 28, 30 sem ele. Tem que arrumar a solução em casa”. arrematou.

Nas ondas do rádio – ouça os gols da vitória do Sport

_nas-ondas-do-rádio-757x380

Depois de sofrer no primeiro tempo, o Sport voltou em outro ritmo na etapa final e marcou os dois gols da vitória antes dos dez minutos. Ouça os gols de Neto Baiano e Danilo na voz de Aroldo Costa:

Sport se reabilita com vitória de 2×0 sobre o Criciúma

neto_baiano_3108_AG_770

Em dois tempos distintos, prevaleceu o segundo tempo do Sport, que foi bem superior ao Criciúma e venceu por 2×0 na tarde deste domingo (31), na Ilha do Retiro. O resultado apagou as más atuações contra Fluminense e Vitória – esta última pela Copa Sul-Americana. Os três pontos fizeram o time ficar na sétima posição na Série A do Brasileirão.

As mudanças eram pedidas pela torcida e vieram. Vítor, Ferron, Danilo e Diego Souza apareceram no time titular do Sport nos lugares de Patric, Oswaldo, Ibson e Ananias. Mas o principal não mudou: a marcação frágil no meio de campo, que dava espaço para contra-ataques. Para piorar ainda mais, Diego Souza, de quem se esperava um suporte maior para Neto Baiano, sentiu a face posterior da coxa com dois minutos de partida.

O camisa 87 ainda fez um esforço para tentar ficar em campo, o suficiente para ver o primeiro contra-ataque perigoso do Tigre, aos seis. Cléber Santana chutou para Magrão defender parcialmente. Antes de a bola ir para o gol, Vítor apareceu para ceder escanteio. Com muitos erros de passe e consequente pouca posse de bola no meio, o time rubro-negro ficou sem força para chegar ao ataque.

Diego Souza terminou saindo aos nove minutos, sendo substituído por Zé Mário. A função dele era ocupar o lado direito do setor de criação assim como Danilo deveria fazer o mesmo pela esquerda. Mas a dupla não movimentou-se o suficiente e terminou presa fácil para os marcadores. Com dificuldade nas duas transições – defensiva e ofensiva – passava a imagem de lentidão e falta de criatividade.

danilo_3108_770_AG

E prova disso é que o primeiro lance de perigo dos donos da casa só aconteceu aos 31 minutos. Durval interceptou um cruzamento e tocou para Felipe Azevedo. O camisa 11 avançou e tocou para Zé Mário chutar com perigo, à esquerda de Luiz. A primeira jogada perigosa acendeu o ímpeto dos leoninos. Aos 38 o até então apagado Danilo marcou a saída de bola de Eduardo e passou para Renê soltar uma bomba. Luiz espalmou. Na cobrança do escanteio, Rithely cabeceou raspando a trave esquerda.

Mas os minutos finais foram um tormento para o Sport. Na saída errada pela direita, aos 42, Cortez cruzou para Rafael Costa acertar o travessão. Aos 46, Lucca bateu escanteio para Fábio Ferreira acertar o poste direito.

Numa prova de que a substituição não fora a mais indicada, o técnico Eduardo Baptista voltou para o segundo tempo sem Zé Mário. Mas para quem esperava um jogador de meio de campo ou atacante, quem apareceu foi o lateral-direito Patric. O recado estava claro: o setor direito defensivo do Sport falhou clamorosamente, tanto para criar quanto, principalmente, para defender. A aposta era que um lateral de muita força física ajudasse atrás e na frente.

E saiu de Patric o primeiro gol leonino. Ele bateu falta da meia-direita e Rithely desviou de cabeça. Luiz fez grande defesa mas a bola sobrou limpa para Neto Baiano empurrar para as redes. Ainda atordoado pelo gol, o Criciúma recebeu o segundo golpe apenas dois minutos depois. Felipe Azevedo puxou mais um contra-ataque e serviu Danilo. Ele ajeitou e chutou forte, na saída de Luiz.

Não foi apenas a entrada de Patric que mudou o panorama. A postura tática do time da Ilha mudou. Tanto Patric quanto Danilo passaram a marcar a saída de jogo dos laterais do Criciúma. Além de manter a bola perto da área catarinense, a medida também isolou o meio de campo e o ataque do adversário. Prova disso foi a pouca participação do atacante Souza.

Aos 22 minutos, a marcação recuou um pouco com a entrada do volante Augusto no lugar do lateral Vítor. Patric passou à faixa de campo que normalmente ocupa e o jogador de meio de campo assumiu a função de marcar a saída pelo lado esquerdo. A força ofensiva caiu um pouco. Mesmo assim, os rubro-negros não deram espaço para o adversário levar perigo.

Ficha de jogo

Sport: Magrão; Vítor (Augusto), Durval, Ferron e Renê; Rithely, Wendel, Danilo e Diego Souza (Zé Mário) (Patric); Felipe Azevedo e Neto Baiano. Técnico: Eduardo Baptista.

Criciuma: Luiz; Eduardo (Luís Felipe), Alcides, Fábio Ferreira e Cortez; Serginho (Giovanni), Rodrigo Souza, Cleber Santana e Rafael Costa (Maurinho); Lucca e Souza. Técnico: Wilson Waterkemper.

Local: Ilha do Retiro. Árbitro:  Luiz Flavio de Oliveira (SP). Assistentes:  Marcelo Carvalho Van Gasse e Rogerio Pablos Zanardo (ambos SP). Gols: Neto Baiano, aos cinco; e Danilo, aos sete do segundo tempo. Cartões amarelos: Danilo, Zé Mário, Wendel, Cortez, Serginho, Eduardo e Rafael Costa.

Página 1 de 6.73012345...102030...Última »