publicidade
16/07/17
Foto: Public Domain Pictures
Foto: Public Domain Pictures

Pequenas mudanças nos hábitos alimentares podem prolongar vida

16 / jul
Publicado por Renato Mota em Medicina às 10:20

É difícil manter uma alimentação regrada o tempo todo, mas fazer pequenas melhorias ao escolher alimentos mais saudáveis de vez em quando pode aumentar significativamente as chances de viver mais, segundo um estudo americano publicado no New England Journal of Medicine.

A pesquisa é a primeira a mostrar que melhorar a qualidade da dieta ao longo de pelo menos 12 anos está associado a menores taxas de mortalidade por doenças cardiovasculares e outras causas. Pesquisadores da Universidade de Harvard rastrearam mudanças na dieta em uma população de quase 74.000 profissionais de saúde que registraram seus hábitos alimentares a cada quatro anos.

Os pesquisadores usaram um sistema de pontuações de qualidade da dieta para avaliar o quanto as dietas tinham melhorado.
Por exemplo, um aumento de 20% nas pontuações poderia “ser alcançado trocando apenas uma porção de carne vermelha ou processada por uma porção diária de nozes ou legumes”, segundo a pesquisa.

Leia mais
Ingestão de frutas impulsou desenvolvimento de cérebros grandes, afirma estudo

Ao longo do período de 12 anos, aqueles que passaram a comer um pouco melhor do que no começo – principalmente consumindo mais grãos integrais, frutas, vegetais e peixes gordurosos – tiveram um risco de 8% a 17% menor de morrer prematuramente nos próximos 12 anos.

Aqueles cujas dietas pioraram ao longo do tempo tiveram um aumento de 6% a 12% no risco de morrer nos próximos 12 anos de acompanhamento.

“Nossos resultados destacam os benefícios a longo prazo para a saúde de melhorar a qualidade da dieta, com ênfase nos padrões alimentares gerais, em vez de em alimentos ou nutrientes individuais”, disse o autor sênior do estudo, Frank Hu, professor e presidente do Departamento de Nutrição da Escola Harvard Chan.

“Um padrão de alimentação saudável pode ser adotado de acordo com as preferências alimentares e culturais e condições de saúde dos indivíduos”, acrescentou. “Não há uma dieta única para todo mundo”.

AFP


FECHAR
publicidade