publicidade
15/07/17
Foto: Yun Seong Song Sehoon Ha Hsiang Hsu Lena H. Ting C. Karen Liu
Foto: Yun Seong Song Sehoon Ha Hsiang Hsu Lena H. Ting C. Karen Liu

Escada com molas ajuda idosos na subida

15 / jul
Publicado por Renato Mota em CIÊNCIA às 7:45

Pesquisadores dos Estados Unidos criaram uma escada com molas que armazena a energia do peso do corpo quando a pessoa desce e a utiliza para auxiliar na subida, algo promissor para idosos que vivem em casas com degraus.

“As soluções atuais para pessoas idosas ou com deficiência não são práticas ou econômicas, diante da impossibilidade ou do custo de se instalar um elevador ou outros recursos nas residências”, destaca Yun Seong Song, professor da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade do Missouri e um dos autores da invenção, descrita na revista americana PLoS ONE.

“Um sistema economicamente acessível de degraus que armazena e libera energia poderá ser uma maneira para que estas pessoas mantenham sua independência de movimentos e evitem ser levadas para asilos”. Os pesquisadores calculam que estes degraus, ao liberar a energia armazenada, permitem reduzir em 37% a pressão sobre os joelhos na subida da escada.

Leia mais
Esses gatos-robôs estão sendo vendidos como companhia para idosos
Japoneses criam Smiby, um robô bebê voltado para idosos

O sistema pode ser instalado facilmente em uma escada já existente e de modo temporário. Cada degrau é provido de molas e sensores de pressão e quando se desce a escada, cada uma das molas afunda lentamente sob o peso, armazenando a energia gerada.

Lena Ting, professora de engenharia biomédica da Universidade Empry em Atlanta (Geórgia) e também criadora do dispositivo, destacou que ao descer as “pernas queimam grande quantidade de energia a cada passo” para evitar que a pessoa vá “demasiado rápido”. “Nossos degraus armazenam esta energia”.

O sistema também alivia as articulações na descida, um benefício que os pesquisadores não esperavam. “As molas agem como amortecedores, minimizando o impacto sobre joelhos e tornozelos”, destacou o professor Yun Seong Song.

AFP


FECHAR
publicidade