publicidade
19/mar
Nelson Campelo, Fabiana Falcone e Rodrigo Assad, sócios da Ustore. Foto: Renato Mota/MundoBit
Nelson Campelo, Fabiana Falcone e Rodrigo Assad, sócios da Ustore. Foto: Renato Mota/MundoBit

Mesmo na crise, Ustore cresce na casa dos três dígitos, expande e abre vagas

19 / mar
Publicado por Renato Mota em Emprendedorismo às 10:08

Para qualquer empresa, crescer numa faixa de três dígitos em um ano e meio é um feito e tanto. Ainda mais se considerarmos que esses 18 meses foram os últimos 18 meses, entre 2015 e 2016, durante a recessão econômica que o País vem enfrentando. Agora, some a isso, uma perspectiva de dobrar faturamento até o final do ano. E o melhor: há vagas.

A Ustore, uma fornecedora de infraestrutura de computação em nuvem do Porto Digital, já recebeu mais de 180 currículos para preencher 12 ocupações no desenvolvimento dos seus produtos.

Para encerrar o processo de seleção, espera atender mais de 360 candidatos. “Tivemos que nos mudar da Rua do Bom Jesus para a Rua do Apolo para comportar essa ampliação. Ainda vamos passar por mais dores do crescimento, mas queremos manter esse clima de startup que atrai tantos profissionais do mercado”, afirma o CEO da Ustore, Nelson Campelo.

Leia mais
Crise muda hábitos na telefonia móvel
Pernambucana Nazar é a única startup da América Latina selecionada para aceleração no Vale do Silício

A semente da empresa surgiu em 2007, na academia, a partir da criação de um algoritmo que permitia armazenar grande quantidade de dados com um custo baixo. “Começou no Centro de Informática da UFPE e depois fomos para o Cesar. O projeto foi um dos escolhidos para receber recursos da Finep e fizemos o spin-off para abrir a Ustore”, lembra Rodrigo Assad, diretor de Tecnologia.

O segundo pulo da empresa foi quando Nelson e Fabiana Falcone, diretora comercial, se tornaram sócios – quando começa a conta dos 18 meses que falamos lá atrás.

Nelson Campelo, Rodrigo Assad e Fabiana Falcone, na época da aquisição. Foto: Guga Matos/JC Imagem
Nelson Campelo, Rodrigo Assad e Fabiana Falcone, na época da aquisição. Foto: Guga Matos/JC Imagem

Pela natureza do negócio da Ustore, ela já se beneficiaria da crise econômica. O que a empresa oferece é uma infraestrutura que viabiliza a prestação de serviços e soluções na nuvem para provedores – inicialmente de armazenamento de dados com um valor menor do que o cobrado nos tradicionais data centers, posteriormente a adição de ferramentas colaborativas. Mas o “pulo do gato” da empresa foi adotar um modelo de vendas diferente do licenciamento do software, dominante no mercado.

“Não licenciamos, vendemos sob demanda. A cobrança é baseada no consumo efetivo dos recursos computacionais. Não existe amarra contratual nem multa”, explica Fabiana Falcone.

Para o CEO da Ustore, o modelo é disruptivo por dar total liberdade a quem contrata. “Como somos entrantes no mercado, temos que ser inovadores na tecnologia e no comercial. Num momento em que as empresas querem cortar gastos, oferecemos um modelo na qual ele só paga o que efetivamente consome”, avalia Campelo.

A Ustore tem atualmente 7 clientes e quer fechar 2017 com dez, entre eles um internacional: a Angola Cables Company. Seu maior case é o Exército Brasileiro, que para o executivo serve de vitrine para o setor público e privado. “O nível de exigência deles é altíssimo e tê-los como clientes nos credencia no mercado”, diz o executivo.


FECHAR
publicidade