publicidade
13/06/18
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem

Prefeita é acusada de fazer campanha antecipada para João Campos

13 / jun
Publicado por Douglas Fernandes em Instant Articles às 16:48

O Ministério Público Eleitoral em Pernambuco denunciou nesta quarta-feira (13) a prefeita de Brejão, Beta Cadengue (PSB), por campanha eleitoral antecipada em benefício do pré-candidato a deputado federal João Campos (PSB), filho do ex-governador Eduardo Campos. O motivo foi o uso de um letreiro luminoso com o nome dele em um show no município, no dia 1º de março. De acordo com a acusação, o socialista, que era chefe de gabinete do governador Paulo Câmara (PSB), não chegou a participar do evento, mas se beneficiou.

LEIA TAMBÉM
» MP Eleitoral denuncia Fernando Filho e Uchôa por propaganda antecipada
» Juiz manda retirar outdoor de vereador do clã Ferreira
» Justiça Eleitoral apreende banners de Romero Albuquerque no Parnamirim
» Romero Albuquerque é alvo de ação do Ministério Público
» Juiz vê propaganda antecipada em material de Romero Albuquerque

Na ação, o procurador regional eleitoral substituto, Wellington Cabral Saraiva, relata que o nome de João Campos foi divulgado durante festa em comemoração aos 60 anos da emancipação política do município, por meio de letreiro luminoso com efeito outdoor, o que é proibido por lei, segundo o MPE. “Não resta dúvida de que a conduta ostenta nítido caráter eleitoreiro, porquanto busca a representada, de modo ostensivo e prematuro, impulsionar a potencial candidatura de João Campos no pleito que se avizinha”, afirma Saraiva. 

Foto: reprodução

Ao documento, é anexada uma publicação de Campos no seu perfil do Facebook sobre a impossibilidade de comparecer ao festejo da cidade, em que há uma imagem dele ao lado da prefeita. “Simples comparecimento do pré-candidato ao evento festivo, o que não ocorreu, não configuraria irregularidade”, afirma na denúncia o procurador.

Ao Blog de Jamildo, a prefeita Beta Cadengue negou a acusação e disse que ainda não foi notificada. “Eu acho que não teve (campanha antecipada). Como a gente vai fazer uma campanha antecipada sabendo que eu posso me prejudicar e prejudicar um candidato? Lógico que eu não faria isso”, disse.

Em nota, João Campos afirmou: “não fiz nenhuma propaganda irregular, não autorizei que fizessem nenhuma propaganda e não fui notificado pelo Ministério Público Eleitoral.”


FECHAR