publicidade
31/05/18
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Oposição pode anunciar outro nome ao Senado ou vice dia 11

31 / maio
Publicado por Amanda Miranda em Instant Articles às 6:30

Os dois nomes já fechados para a chapa majoritária do grupo de oposição Pernambuco Quer Mudar admitiram que o novo adiamento do anúncio pode levar a frente a revelar no evento mais um integrante da composição no ato agora marcado para o dia 11. Nem o senador Armando Monteiro Neto (PTB), pré-candidato ao Governo do Estado, nem o deputado federal Mendonça Filho (DEM), que vai disputar o Senado, descartam a divulgação de mais um nome, seja para a vice ou para a outra vaga como senador, mas ambos enfatizam que não necessariamente isso vai acontecer.

“Há entendimentos em curso e pode acontecer de repente ter condições de fechar algo até o dia 11”, afirmou Armando Monteiro. “Com essa dilação, com esse adiamento, pode acontecer que a gente já possa anunciar outra posição. Pode acontecer, não estou dizendo que vai”.

LEIA TAMBÉM
» Em acordo com PSB, PT Nacional quer Márcio Lacerda na vice de Fernando Haddad
» Aliada de Marília, Teresa admite conversa entre PT e PSB, mas frisa votação dia 10
» Oposição adia anúncio da chapa para dia 11, um dia depois do PT
» Vitória de Marília Arraes na eleição interna em 10 de junho ajudaria PT Nacional a pressionar Paulo Câmara

“Se até lá concluir os entendimentos com relação a outros nomes da chapa. Se não acontecer, nós usaremos esse tempo para termos essa definição”, ponderou Mendonça Filho. “Não pode descartar, mas não está programado”.

Especula-se no meio político que esse nome poderia ser do deputado estadual André Ferreira (PSC). Hoje na base do governador Paulo Câmara (PSB), ele tenta uma vaga ao Senado, mas pode perder o espaço caso a aliança dos socialistas seja consolidada. Caso isso aconteça, uma seria do deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB) e a outra para o senador petista Humberto Costa tentar reeleição. Evitando ficar sem espaço, Ferreira estaria se articulando também com a oposição.

Greve dos caminhoneiros

O adiamento foi justificado pelas consequências da greve dos caminhoneiros. “Difícil seria fazer um evento político num momento em que o Brasil sai de um conflito social dos mais duros da história. É prudente  deixar as coisas se colocarem no seu devido no lugar”, alegou Mendonça Filho. “Por que colocar um ato político de qualquer jeito, em meio a esse ambiente? É uma coisa absolutamente natural você ficar atento às ruas, ao povo. Não se faz um evento olhando apenas a classe política”, disse Armando Monteiro.

A nova data é um dia depois do evento em que o PT deve definir se terá candidatura própria ou fechará aliança com o PSB.



FECHAR