publicidade
13/04/18
Foto: Lúcio Bernardo Jr/ Câmara dos Deputados
Foto: Lúcio Bernardo Jr/ Câmara dos Deputados

PGR denuncia Jair Bolsonaro ao STF por racismo e o filho por ameaça

13 / abr
Publicado por Amanda Miranda em Instant Articles às 19:32

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), pré-candidato à presidência da República, foi denunciado pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ao Supremo Tribunal Federal (STF), nessa quinta-feira (12), por racismo por causa de declarações contra quilombolas durante uma palestra no ano passado. Também parlamentar, o filho dele Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi acusado de ameaçar uma jornalista.

Bolsonaro afirmou durante uma palestra no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, que tinha ido a um quilombo e que o “afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas”. “Não fazem nada, eu acho que nem pra procriador servem mais”, disse ainda.

LEIA TAMBÉM
» Candidato de Bolsonaro em Pernambuco quer ‘cadeia ou cova’ contra violência
» Manuela é provocada por homem que cita Bolsonaro
» Gilmar Mendes critica Bolsonaro e diz que dar habeas corpus é ‘difícil’
» Bolsonaro e Álvaro Dias apoiam general; Manuela e Boulos repudiam
» Juiz do Rio condena PCdoB a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

“Esta manifestação, inaceitável, alinha-se ao regime da escravidão, em que negros eram tratados como mera mercadoria, e à ideia de desigualdade entre seres humanos, o que é absolutamente refutado pela Constituição brasileira e por todos os Tratados e Convenções Internacionais de que o Brasil é signatário, que afirmam a igualdade entre seres humanos como direito humano universal e protegido”, afirma Raquel Dodge na denúncia. “Jair Bolsonaro ainda consignou, em comparação, que os japoneses são um povo trabalhador, que não pede esmola. Assim, evidenciou que, em sua visão, há indivíduos ou povos superiores a outros, tratando quilombolas como seres inferiores”, relata ainda a procuradora-geral.

» Bolsonaro é condenado por declarações contra quilombolas
» Acusado de racismo, Bolsonaro diz que quilombolas são massa de manobra de petistas

Dodge pede à presidente do Supremo, Cármen Lúcia, que o condene por danos morais coletivos e atribua uma indenização de R$ 400 mil.

Por causa da palestra, Bolsonaro foi condenado pela juíza da 26ª Vara Cível do Rio de Janeiro, Frana Elizabeth Mendes, a pagar R$ 50 mil de indenização por danos morais.

» Lula quis transformar País em galinheiro e agora colhe ovos, diz Bolsonaro
» Bolsonaro diz que quer Alexandre Frota ministro da Cultura
» Filho fala em série sobre Bolsonaro e Netflix ironiza: ‘você está louca’
» Bolsonaro ‘não terá repostas que não sejam agressões’, afirma Manuela
» No MBL, eleitores de Bolsonaro votam nele até para não ser presidente?

Bolsonaro já é processado no Supremo por incitação ao estupro. O deputado foi acusado pelo Ministério Público Federal e em queixa-crime da deputada Maria do Rosário (PT-RS) por ter dito, durante discurso no plenário da Câmara, há pouco mais de dois anos, que a petista “não merecia ser estuprada”. Em entrevista no dia seguinte, além de manter a afirmação, acrescentou: “É muito feia, não faz meu gênero, jamais a estupraria”.

Filho

Contra o filho do deputado, Dodge pede ao ministro Luís Roberto Barroso que o condene por causa de ameaças supostamente feitas à jornalista Patrícia de Oliveira Souza Lélis pelo Telegram em julho do ano passado, registradas pela vítima, depois que ele postou no Facebook que havia tido um relacionamento com ela, que nega o namoro.  Questionado por Patrícia se o diálogo se trataria de uma ameaça, respondeu: “Entenda como quiser”.

Resposta

Após a denúncia, Bolsonaro publicou um vídeo na sua conta no Twitter falando sobre o assunto. Veja:

Leia a íntegra da denúncia da PGR contra Bolsonaro



FECHAR