publicidade
28/12/17
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Jarbas volta a criticar Jucá e FBC e cita processos na Justiça

28 / dez
Publicado por Camila Souza em Notícias às 13:43

O jornal Folha de S. Paulo publicou nesta quinta-feira (28) um artigo do deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) em que questiona o novo rumo do partido, agora que volta a se chamar MDB, e faz críticas ao senador e presidente nacional da legenda, Romero Jucá (RR), e a Fernando Bezerra Colho (PE). O grupo político de Jarbas pode perder o comando da sigla em Pernambuco para FBC, que quer levá-la para a oposição ao governador Paulo Câmara (PSB), de quem o deputado é aliado.

LEIA TAMBÉM
» Desembargador nega recurso do PMDB e decide a favor de Jarbas e Raul
» Na tribuna da Câmara, Jarbas chama Jucá de traidor, figura torpe e crápula
» FBC ignora críticas de Jarbas e promete fortalecer ‘Novo MDB’ em Pernambuco
» Com 325 votos, PMDB aprova mudança no estatuto que pode afastar grupo de Jarbas em favor de FBC

No artigo, Jarbas diz que Jucá é “um cidadão que não reúne as mínimas condições de ser um senador por ter uma trajetória marcada por denúncias e inquéritos envolvendo corrupção”. O deputado pernambucano também chama de o senador Romero Jucá de desqualificado e medíocre e faz um cronograma dos cargos que o senador já passou.

Após fazer críticas a Jucá, Jarbas afirmou que FBC “não preza pela coerência na vida púbica, que tem uma história marcada por adesismos de ocasião e que segue enrolado com a justiça”. E  ainda peemedebista relembrou a trajetória política. 

Confira o artigo:

O que esperar deste “novo” PMDB, que agora volta a se chamar MDB? A esta pergunta o senador Romero Jucá se propôs a responder aqui mesmo, neste espaço (20/12).

Mas, como um hábito corriqueiro da sua pessoa, ele falta com a verdade. Esconde e manipula os fatos para, como sempre, deles se aproveitar. Um cidadão que não reúne as mínimas condições de ser um senador —com uma trajetória marcada por denúncias e inquéritos envolvendo corrupção— não pode liderar um partido que, na sua história, tem o DNA de homens como Ulysses Guimarães e Pedro Simon.

A origem do PMDB está na luta pela democracia e na prática republicana da política. Esses pilares passam longe da condução que impôs ao partido o desqualificado e medíocre Romero Jucá, que tem a necessidade peculiar de estar sempre no poder e dele se locupletar.

Nos últimos 20 anos, foi líder do governo Fernando Henrique Cardoso e do governo Lula, ministro de Lula e ministro do governo Temer, cargo que só deixou após a revelação de que agia nos bastidores para acabar com a Lava Jato.

Fazer política e liderar um partido é, antes de tudo, respeitar as diferenças. O próprio presidente Michel Temer, que por 14 anos presidiu o PMDB, compreendeu essa realidade. Jucá faz o contrário. Fez constar no dia a dia do partido a prática da intervenção e da ameaça.

Por interesse próprio, está agindo em Pernambuco para tomar de golpe a legenda e entregá-la ao senador Fernando Bezerra Coelho, que tal qual Jucá não preza a coerência na vida pública. Fernando Bezerra Coelho também tem uma história marcada por adesismos de ocasião e segue enrolado com a Justiça.

Como uma espécie de nômade partidário, foi filiado ao PDS, ao antigo PFL, ao PMDB, ao PPS, ao PSB e agora voltou a integrar o PMDB. Ele foi aliado de Lula, ministro de Dilma Rousseff e, agora, integra a base de Temer. Alardeia em Pernambuco que representa o “novo”. Deve ser o mesmo conceito de “novo” que Jucá usou na convenção nacional para justificar a mudança no nome do partido. Merecem-se.

Não tenho dúvidas de que a prática da intervenção —que remonta aos tempos mais sombrios que este país já viveu e agora faz parte da gestão do “novo” MDB— não ficará restrita a Pernambuco ou à minha pessoa. Vai ser replicada nos demais Estados onde Jucá e seus amigos encontrem resistência. No modus operandi dele, quem se contrapõe às suas ideias e projetos vai ser alvo, como eu fui e estou sendo, de perseguição e truculência.

Por isso, é hora de as vozes e de as posturas contrárias a tudo isso se fazerem presentes. É hora de outros membros do partido reagirem para evitar que esse rolo compressor antiético e amoral siga em frente; caso contrário, ele atingirá muitos daqui pra frente. Decidi ir contra essa maré nefasta que Jucá impõe ao partido que ajudei a fundar.

Decidi lutar em todas as frentes políticas e legais possíveis. É isso que faço em meu Estado, onde acionei a Justiça. Vou até as ultimas consequências por entender que minha história, minha trajetória de mais de 40 anos de vida pública, não vai ser manchada por uma pessoa como Romero Jucá. O “choque de gestão” que Jucá mencionou e que fará à frente do “novo” MDB só realmente acontecerá se atingir em cheio sua própria pessoa.

É preciso que a Justiça faça a parte que lhe cabe e prossiga, com a devida atenção e celeridade, com as investigações que o envolvem. É necessário que um cidadão com a conduta de Romero Jucá, que parece debochar das instituições e, sobretudo, do povo brasileiro, tenha o que merece. Sair algemado do Congresso Nacional é pouco para quem tanto mal fez e faz ao país.

Eu disse na tribuna da Câmara dos Deputados e reafirmo: não me curvarei. Estar na trincheira e na resistência democrática lutando e combatendo homens como Romero Jucá faz parte da minha vida e da história do partido que ajudei a criar. E assim será. Sempre!

Jarbas Vasconcelos, advogado, ex-senador e ex-governador de Pernambuco (1999-2006), é deputado federal (PMDB)


FECHAR