publicidade
03/12/17
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Voto anti-Lula migra para Bolsonaro por ele ter ‘mais chance de vencer’, diz Gleisi

03 / dez
Publicado por Camila Souza em Notícias às 14:08

Para a presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), senadora Gleisi Hoffmann (PR), a consolidação do ex-presidente Lula (PT) no primeiro turno nas eleições de 2018 se deve “aos resultados de seu governo”. Durante entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, neste domingo (3), a petista ainda afirmou que os críticos ao ex-presidente migraram o voto para Jair Bolsonaro (PSC) por considerá-lo o candidato “com mais condições de vencer” o ex-presidente.

“As pessoas analisam o que elas já viveram e comparam. Elas tinham renda e emprego, hoje voltou a pobreza e a miséria”, disse Gleisi à Folha. Segundo a presidente do PT, Lula é a opção oposicionista ao governo de Michel Temer (PMDB) que tem “a confiança do povo”. “Se é para ser crítico ao atual governo, melhor que seja alguém que já fez, que já governou”, completou a senadora.

LEIA TAMBÉM
» Lula segue na liderança para 2018, diz Datafolha
» Pesquisa aponta Lula e Bolsonaro no 2º turno para 2018

De acordo com a pesquisa do Datafolha divulgada nesse sábado (2), mostra que Lula fortaleceu sua liderança e o deputado Bolsonaro está isolado em segundo lugar na disputa ao Planalto. “É importante deixar claro que Lula não tem unanimidade. Os contrários ao Lula migram para Bolsonaro porque veem que ele é o candidato que combate Lula que hoje tem mais condições de ganhar. Querem ser um eleitor útil”, disse a petista.

Segundo a Datafolha, Lula ganha em todos os cenários de segundo turno. Ele ampliou em quatro pontos percentuais sua vantagem em relação ao levantamento anterior, feito no fim de setembro, no confronto com Geraldo Alckmin (PSDB) –52% a 30%–, Marina Silva (Rede) –48% a 35%–, e Bolsonaro, 51% a 33%.

» Lula e Bolsonaro lideram na pesquisa CNT/MDA
» ‘Não vai ser difícil ganhar as eleições presidenciais de 2018’, diz Lula

Após o juiz federal Sérgio Moro ter condenado Lula a nove anos e seis meses de prisão em primeira instância no âmbito da Operação Lava Jato, o petista corre o risco de ter sua candidatura em 2018 barrada caso seja condenado na segunda instância por corrupção. Caso ocorra a condenação, o ex-presidente fica inelegível, mas pode recorrer da decisão. Já o PT acredita que o ex-presidente poderá concorrer nesse cenário de recurso a tribunais superior.

Gleisi Hoffmann ainda declarou que não concorda com a avaliação de que há uma polarização entre dois extremos, com Lula e Bolsonaro na ponta da disputa, e que um nome de centro pode surgir para furar o embate. “Lula não é um extremista, ela já governou esse País. Me diga que ato extremo ele já fez”, afirma a senadora.

» Quero disputar a Presidência com alguém com logotipo da Globo na testa, diz Lula

Um candidato do governo, de centro-direita, ou até mesmo o nome de Alckmin, segundo Gleisi, terá que “se consolidar com os números ruins”, visto que “a economia não melhorou e o povo está sentindo isso”. A pesquisa mostra que o brasileiro está preocupado com a economia e que a aprovação do governo Temer ainda segue na casa dos 5%.

Informações da Folha de S. Paulo



PUBLICIDADE
FECHAR