publicidade
14/11/17
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem

Presos na Operação Torrentes são soltos após cinco dias

14 / nov
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 14:28

Treze pessoas que estavam em prisão temporária no âmbito da Operação Torrentes foram liberadas nesta terça-feira (14), cinco dias após o cumprimento dos mandados pela Polícia Federal. O Ministério Público Federal (MPF) chegou a pedir à 36ª Vara Federal a prorrogação das prisões, mas a juíza Carolina Souza Malta negou.

A ação investiga supostas fraudes em contratos de assistência às vítimas das enchentes na Mata Sul pernambucana em 2010 e 2017, com foco na Secretaria da Casa Militar. A apuração começou a partir de um relatório da Controladoria Geral da União (CGU) em 2016 apontando irregularidades como superfaturamento em 15 licitações entre 2010 e 2015.

LEIA TAMBÉM
» Juíza nega prorrogação de prisões na Operação Torrentes
» Tenente-coronel alvo da Operação Torrentes vai para prisão domiciliar
» Quebra de registros telefônicos ligou coronel preso pela PF ao PSB
» Nova fase da Operação Torrentes investiga ações após enchentes de 2017

Deixaram a Academia Militar, em Paudalho, os coronéis Fábio de Alcântara Rosendo, secretário-executivo de Defesa Civil, e Roberto Gomes de Melo Filho, que era coordenador administrativo da Casa Militar em 2010. A quebra dos registros telefônicos de Melo Filho, hoje gerente geral de Esportes e Lazer no governo Paulo Câmara, levou a Polícia Federal a um elo com o PSB.

Acabou ainda a prisão domiciliar do tentente-coronel Laurinaldo Félix do Nascimento, coordenador administrativo da secretaria. Ele estava usando tornozeleira eletrônica porque estava em tratamento médico.

O coronel Waldemir José Vasconcelos de Araújo, secretário-executivo de Defesa Civil em 2010, já havia conseguido o habeas corpus no último sábado (11).

» Cena de operação impacta valorização de Pernambuco, diz ministro
» Paulo diz não estar preocupado com impacto político de operação da PF

Na decisão, a juíza cita a existência, segundo o MPF, de três núcleos no suposto esquema.

Além do militar, haveria dois empresariais. O maior seria o formado pelas empresas FJW-RADAR-DTI, em que tiveram liberdade do Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel) e da Colônia Penal Feminina do Recife: Antonio Trajano da Rocha Neto, Heverton Soares da Silva, Ítalo Henrique Silva Jaques, João Henrique dos Santos, Ricardo Henrique Reis dos Santos e Taciana Santos Costa. 

» Expulso da PM, Joel da Harpa quer processo contra presos em operação
» Em dia de operação da PF em Pernambuco, sessão da Alepe dura 11 minutos
» Secretário-executivo e coordenador da Casa Militar são presos em operação da PF
» Empresário preso na Operação Torrentes estava solto há um mês

O dono da FJW, Ricardo José de Padilha Carício, já havia ficado preso por duas semanas entre setembro e outubro, por causa da Operação Mata Norte, em que a sua empresa também é investigada, e voltou a ser preso no Cotel desta vez, mas também foi solto nesta terça-feira. Rafaela Carrazzone da Cruz Gouveia Padilha, mulher dele, também teve a prorrogação da prisão temporária negada e deixou a Colônia Penal Feminina do Recife.

Do suposto núcleo da T&R-Megabag, Roseane Santos de Andrade e Antonio Manoel de Andrade Júnior também saíram da prisão.

Apesar de ter negado a prorrogação da prisão, a magistrada, pediu que fosse enviado ofício à 13ª Vara Federal pedindo o compartilhamento de provas da Operação Mata Norte, que apura supostas fraudes na compra de merenda escolar no município de Lagoa do Carro e tem como alvos as mesmas empresas.



PUBLICIDADE
FECHAR