publicidade
14/05/17
Fios de poliéster produzidos na Citepe. Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem.
Fios de poliéster produzidos na Citepe. Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem.

Expectativa de crescimento do setor têxtil incentiva empresários e organizações do setor

14 / maio
Publicado por jamildo em Notícias às 10:00

Embora o ano de 2016 tenha representado estagnação para vários setores da economia, a indústria têxtil nacional demonstrou sinais de que resiste à crise.

Segundo levantamento da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), o faturamento da cadeia têxtil e de confecção no ano passado foi de US$ 39,3 bilhões, dos quais US$ 2,38 bilhões representam exportações de produtos – sem contar a fibra de algodão.

A produção média de confecção foi de 6,7 bilhões de peças (vestuário+meias e acessórios+cama, mesa e banho), em 2016, superior ao ano anterior.

Índices como esse fomentam o investimento das 32 mil empresas formais do setor em melhorias dos processos de automação. É por isso que representantes da Abit, do Sebrae, do Senai/ Francisco Matarazzo e da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil estudam formas de reduzir perdas, além de investir em melhoria de processos de produção e logísticos. Essa foi uma das pautas do encontro entre essas entidades na sede da GS1 Brasil no fim do mês passado.

“O trabalho conjunto em favor da indústria têxtil fortalece a competitividade e incentiva a inovação, o crescimento sustentável e o aprimoramento dos processos de produtividade. A proximidade entre as entidades faz com que surjam propostas a fim de atender plenamente as necessidades das empresas, diz Claudilena Murro, executiva responsável pelo setor têxtil e de confecções da Associação Brasileira de Automação-GS1 Brasil.

Disseminar as boas práticas a todos os envolvidos nessa cadeia é o principal objetivo do encontro. As organizações que participaram reuniram informações sobre as perspectivas de crescimento econômico para o setor nesse ano, além de conhecimento sobre projetos que favorecem as empresas como o “Encadeamento produtivo” – desenvolvido pelo Sebrae-SP – e como reduzir desperdícios e melhorar processos por meio de uma produção enxuta – tema apresentado pelo Senai.

Os empresários também tiveram oportunidade de conhecer um caso real de aplicação da tecnologia Radio-Frequency IDentification (RFID) no Centro de Inovação e Tecnologia da GS1 Brasil. Foram demonstrados processos de automação e rastreabilidade que refletem diretamente em ganhos para empresas em cada etapa dos processos produtivos, na redução de erros e perdas e, principalmente, no ganho de produtividade e lucros.

Em Pernambuco, a venda da Petroquímica Suape e da Companhia Integrada Têxtil de Pernambuco (Citepe) para o grupo mexicano Alpek representa a manutenção de um grande empreendimento, que só dava prejuízo e desvios nas mãos estatais.

A aquisição depende agora apenas da aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

“A entrada da Alpek no setor petroquímico do Estado foi uma boa notícia para Pernambuco. O presidente Parente nos informou que a Alpek tem todo o interesse em ampliar os investimentos nas duas unidades de Suape”, afirmou Paulo Câmara, após conversa com o presidente da Petrobras Pedro Parente.


FECHAR