20/mar
img_1961
img_1961

Deputada de Araripina critica Paulo Câmara por combate à violência. “São falhas bisonhas”

20 / mar
Publicado por jamildo em Notícias às 17:08

Na tarde desta segunda-feira, 20, a deputada Socorro Pimentel foi à tribuna da Assembleia Legislativa do Estado para falar dos altos índices de violência do Estado.

A parlamentar criticou o que classificou de ineficiência do Poder Executivo em conter a criminalidade em Pernambuco.

“O Governo do Estado de Pernambuco divulgou na quarta-feira (15/03) números alarmantes sobre a violência em nosso Estado. O secretário de Defesa Social, Ângelo Gioia, admitiu que em 2017 já são quase mil homicídios em dois meses. Estamos vivendo uma política de segurança falida; Destroçada por interesses e falhas de gestão. Uma política de segurança que desvaloriza, desestimula e desprotege o policial; Que menospreza a vida das pessoas que saem todos os dias às ruas, sem saber se voltam pra casa”, disse.

Para a deputada, o Governo do Estado tem se eximido das obrigações e negligenciado a criminalidade.

A parlamentar citou ainda que medidas de urgência poderiam ser tomadas, mas não há uma ação efetiva por parte do Executivo.

“O povo está cansado de tantos números negativos, de tanto abandono. São falhas bisonhas, que indicam muito mais incompetência que insuficiência técnica. O que queremos ouvir e sentir de fato, é que a prioridade deste governo é a vida da população e o respeito aos seus servidores civis e militares”, disse a deputada.

Outro ponto levantado por Socorro Pimentel durante a reunião foi a vulnerabilidade da mulher diante desse quadro.

“Em meio à incapacidade da cúpula da segurança pública de Pernambuco de encontrar soluções que reduzam, de forma responsável, os números de guerra civil, os crimes passam a fazer parte da rotina das pessoas. A violência é banalizada em suas formas mais bárbaras. Nós mulheres somos a parte mais vulnerável desse cenário. Já temos uma média de cinco estupros diários, segundo dados da SDS. E nós sabemos que esse número é muito maior porque muitas queixas não são registradas”, comentou.



PUBLICIDADE
FECHAR