publicidade
07/11/16
Foto: Arquivo
Foto: Arquivo

PSB ironiza vice-presidente exonerado em Pernambuco e diz que ele não falava em nome do partido

07 / nov
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 19:20

Após as lideranças estaduais do PSB tratarem como “naturais” as críticas do vice-presidente estadual do partido, Luciano Vasquez, após ser exonerado do governo Paulo Câmara (PSB), os socialistas em Pernambuco se manifestaram em nota em que o ironizaram. Vasquez era Diretor de Relações Institucionais de Suape e apoiou Raquel Lyra (PSDB), eleita em Caruaru, no Agreste, divergindo da aliança com o adversário dela, Tony Gel (PMDB).

A nota enviada à imprensa afirma que, apesar do cargo, o vice-presidente “não fala nem nunca falou em nome do PSB”. Vasquez foi presidente do Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco (Lafepe) no governo Eduardo Campos e secretário da Casa Civil de João Lyra, pai de Raquel Lyra, quando ele assumiu como governador quando Eduardo deixou o cargo para disputar a presidência.

LEIA TAMBÉM
» Estratégia do PSB é tratar como “normais” as críticas de Antônio Campos e Luciano Vasquez
» Exonerado, vice-presidente do PSB diz que legado de Arraes e Eduardo é jogado fora
» Vice-presidente do PSB que apoiou Raquel Lyra é exonerado do governo Paulo Câmara

Além disso, o texto do PSB afirma que Vasquez “tenta dar conotação política” à exoneração e ressalta que ele ocupava um cargo de confiança. “Ele deve achar que o governo seria bom se o mantivesse no cargo”, diz a nota.

» Após racha no PSB de Pernambuco, Antônio Campos procura socialistas em Brasília e São Paulo

Após a exoneração, publicada no Diário Oficial de sábado (6), Vasquez indicou que Paulo Câmara pode ficar “reduzido à imagem de um pedinte de cargos” e afirmou que a gestão dele tem como marcas “inexperiência, o amadorismo, a inércia e a falta de diálogo”. “Estão jogando fora, de forma inconsequente, toda a história e legado de (Miguel) Arraes e Eduardo (Campos)”, disse ainda o vice-presidente da legenda.

luciano vasquez

A nota do PSB afirma ainda que não vai comentar publicamente a exoneração que provocou mais um racha na legenda. Antes, a imagem do partido havia sido abalada por críticas do irmão de Eduardo Campos, Antônio Campos, que foi derrotado em Olinda após uma campanha sem apoio dos caciques estaduais da legenda. Antônio acusou o partido de ter conspirado contra a sua candidatura. “O tempo é de muito trabalho e não de futrica”, dizem os socialistas no texto.

» Leia a íntegra da nota do PSB de Pernambuco:

“Luciano Vasquez tenta dar conotação política à sua exoneração num cargo de confiança do Porto de Suape. Ele deve achar que o governo seria bom se o mantivesse no cargo. Certamente sua demissão se deu no âmbito administrativo.

O fato é que não vamos entrar nesta pauta. Esta discussão em nada muda a vida das pessoas, principalmente daqueles que mais precisam. Definitivamente esta não é a pauta do povo.

Luciano Vasquez não fala nem nunca falou em nome do PSB. Sua filiação é recente e ele nunca foi interlocutor de lideranças do partido. Nem agora nem no passado. Na verdade, não passa de uma presunção descabida.

O governador Paulo Câmara e os setenta prefeitos eleitos pelo PSB têm uma grande tarefa pela frente, portanto as opiniões emitidas por Vasquez se perdem como palavras ao vento. O tempo é de muito trabalho e não de futrica.

O partido trata de assuntos de seus filiados internamente e, no caso em questão, não será diferente.

O PSB não vai alimentar este debate, vamos
completar setenta anos e nosso compromisso é com o futuro.

Partido Socialista Brasileiro (PSB-PE)”


FECHAR