16/out
Fotos: Divulgação
Fotos: Divulgação

Com aumento da violência no Recife, candidatos fazem promessas para segurança

16 / out
Publicado por Amanda Miranda em Notícias às 17:43

De janeiro a setembro deste ano foram registrados pela Secretaria de Defesa Social, responsável pelo Pacto pela Vida, 489 assassinatos e outros crimes contra a vida, além de 30.519 roubos. Se a média mensal desses crimes for mantida até o fim do ano, 2016 será muito mais violento para a população recifense do que os anos anteriores. Diante desse declínio do principal programa estadual de segurança pública e da sensação de medo no dia a dia, cada vez mais os eleitores cobram da gestão municipal ações para a prevenção da violência. Os dois candidatos que disputam o segundo turno na capital, o prefeito Geraldo Julio (PSB) e o ex-prefeito João Paulo (PT), têm como resposta propostas para a guarda municipal e de melhorar a iluminação na cidades.

LEIA TAMBÉM
» Eleitores do Grande Recife têm insegurança como maior problema, aponta IPMN/JC

O socialista tem entre as principais vitrines de campanha a construção do Compaz no Alto Santa Terezinha, na Zona Norte da cidade, onde funcionam serviços como atendimento para a mediação de conflitos, biblioteca e atividades físicas. Geraldo Julio defende que a segunda unidade, no Cordeiro, na Zona Oeste, será entregue até o fim do ano. Em seus discursos, tem ressaltado que o equipamento é a “maior fábrica de cidadania do Brasil”, nas palavras do candidato. Entretanto, na campanha de 2012, o atual prefeito havia prometido construir cinco. Os outros três não têm ainda previsão exata para deixar de ser propostas e estão entre as promessas da campanha atual.

João Paulo criticou o Compaz durante sabatina na Rádio Jornal ainda na campanha no primeiro turno. O petista chamou o equipamento de Comguerra. “Não é que ele não seja uma boa ideia, só não dá para ter uma superestrutura que não funciona bem enquanto as outras estão se acabando”, opinou na entrevista.

ESPECIAL
» Conheça o seu candidato em 10 temas

Sem dizer exatamente em quanto, Geraldo Julio também pretende, se eleito, ampliar o efetivo da guarda municipal. Quando assumiu, em 2013, o prefeito já estava com a promessa de aumentar o número de guardas para 2,5 mil. A gestão chegou a realizar um concurso com 1,3 mil vagas e empossar 321 profissionais no ano passado, mas a guarda hoje conta com apenas 1.425 servidores, de acordo com o site da Prefeitura do Recife.

A guarda municipal também está entre as promessas de João Paulo, que defende a regulamentação no Recife da lei federal 13.022/2014, que prevê o armamento da guarda. O petista ainda propõe o fortalecimento e a capacitação dos profissionais enfatizando o “caráter cidadão” da função, além da assinatura de um convênio com a Polícia Federal para treiná-los.

» IPMN/JC: Geraldo Julio aparece com 50,9% das intenções de voto e João Paulo com 33,6%
» Geraldo culpa João Paulo e João da Costa por problemas no Recife
» “Nós temos 15 dias para definir o futuro desta cidade”, diz João Paulo

Iluminação pública é outro assunto comum aos dois. Geraldo Julio quer colocar lâmpadas LED nos principais corredores, como tem feito nas avenidas Agamenon Magalhães e Caxangá, na área central e na Zona Oeste. Há ainda a promessa de iluminar todas as escadarias nos locais de morro. Além disso, o socialista promete integrar as câmeras privadas ao monitoramento da cidade.

João Paulo diz que quer requalificar a iluminação, principalmente áreas de maior vulnerabilidade. O petista, porém, não deixa claro nas suas promessas quais são essas localidades nem quantas são. O ex-prefeito propõe reforçar o sistema de videomonitoramento municipal, integrando ao sistema de segurança do Estado. As câmeras das gestões estadual e municipal já são monitoradas de forma integrada há três anos no Recife e há dois meses em Jaboatão dos Guararapes.

» Câmara do Recife tem polêmico projeto de lei para proibir diversidade sexual nos livros. Veja a opinião dos candidatos
» Cais José Estelita é tema a ser debatido no Recife. Saiba o que pensam os candidatos
» Qual é a sua opinião sobre o Uber? Veja se o seu candidato no Recife concorda com você

Números da violência no Recife

Atualmente o Recife segue a curva de declínio do Pacto pela Vida, programa de segurança pública usado para exaltar a gestão do ex-governador Eduardo Campos (PSB), padrinho político de Geraldo Julio. Após três anos de resultados negativos na política, o atual governador, Paulo Câmara, também socialista e afilhado de Eduardo Campos, decidiu trocar o secretário de Defesa Social, exonerando o delegado federal Alessandro Carvalho e colocando no lugar dele outro profissional da Polícia Federal, Ângelo Gioia. Carvalho foi realocado na Secretaria de Assessoria Especial do governador.

Implantado em 2007, no início do primeiro mandato de Eduardo Campos no Palácio do Campo das Princesas, o Pacto pela Vida tinha a meta de reduzir em 12% ao ano os índices de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), o que só foi alcançado em 2009 e 2010. Porém, a iniciativa teve como saldo nos primeiros oito anos a diminuição de 33,71% na taxa de homicídios, período em que o Estado foi o único do Nordeste a reduzir os assassinatos de 2000 a 2012, segundo Datasus, do Ministério da Saúde. Agora, o cenário é outro e, da mesma forma que Pernambuco, Recife tem um aumento nesse índice, que engloba homicídios,  latrocínios e lesões corporais seguidas de morte.

Veja os números da capital nos últimos anos (passe o mouse sobre a linha do gráfico para ver mais detalhadamente):

No início da gestão de Geraldo Julio foi criada também uma versão municipal do Pacto pela Vida, atuando em quatro eixos: prevenção, recuperação de situação de risco, controle urbano e participação social.

Além dos índices de CVLI, usados como guia do Pacto pela Vida, os de Crimes Violentos contra o Patrimônio, CVP, que incluem roubos e extorsão com violência, também ajudam a medir a insegurança sentida na cidade. Os resultados são igualmente negativos:


PUBLICIDADE
FECHAR