publicidade
05/10/14

Paulo Câmara derrota Armando Monteiro, Lula e Dilma em Pernambuco

05 / out
Publicado por jamildo em Notícias às 19:50

Jamildo Melo, editor do Blog

O candidato do PSB, Paulo Câmara, foi eleito neste domingo (5) o novo governador de Pernambuco, derrotando o candidato do PTB e PT Armando Monteiro Neto. Com a ajuda do governador Eduardo Campos, Paulo Câmara bateu ainda o ex-presidente Lula e a presidente Dilma, que estiveram no guia eleitoral pedindo votos contra o socialista. Com 82,50% das urnas apuradas, já foi possível constatar a vitória do socialista. Câmara obteve mais de três milhões de votos, o que representou uma vitória de 68,08%, a maior votação percentual do País, enquanto Armando Neto recebeu 1.373.237 votos (31,07%).

paulo

Na primeira fase da campanha, as intenções de votos de Paulo Câmara situavam-se em patamares baixos, cerca de 10%, na média, de acordo com diversos institutos de pesquisa. O candidato Paulo Câmara, após a morte do ex-governador Eduardo Campos, vivenciou um rápido e contínuo crescimento, a ponto de ultrapassar seu principal oponente no início de setembro e, desde então, manter-se sempre à frente.

Dois raios em um mesmo local

A vitória era dada como favas contadas pelos socialistas, desde 2010, quando o ex-governador Eduardo Campos obteve a reeleição para o governo do Estado, sobre o então rival Jarbas Vasconcelos (PMDB).

paulo-eduardoAntes mesmo de emplacar um aliado na capital pernambucana, em 2012, o governador Eduardo Campos já estava empenhado pessoalmente em provar que dois raios podem cair em um mesmo lugar. A reaproximação com senador Jarbas Vasconcelos foi um dos passos mais importantes. A vaga de vice na coligação, entregue ao deputado federal Raul Henry, foi acordada nesta época.

Já de olho nas eleições nacionais deste ano, o ex-governador fechou um acordo com o PMDB para a disputa da Prefeitura da Cidade do Recife, não apenas com o objetivo de isolar mais ainda o PT no Recife, mas também com o objetivo de contar com a ajuda de Jarbas no plano nacional, atraindo o PMDB não alinhado ao governo Dilma.

Com base em pesquisas internas, Eduardo Campos apostava que o pernambucano queria avançar nas conquistas acumuladas nos últimos anos. De fato, havia uma percepção popular de que Eduardo Campos transformou o Estado. Só faltava ungir o escolhido. Aliados históricos e cristãos novos no PSB se apresentaram para a missão. O atual governador, João Lyra, chegou a mudar de partido, do PDT para o PSB, para pleitear a indicação.

O ex-secretário da Fazenda de Eduardo Campos, com passagem pela Administração e Turismo, como uma espécie de curinga da gestão, foi escolhido por ser jovem e não ter nada em seu currículo que o desabonasse. Eduardo dizia que os movimentos de julho de 2013 eram a confirmação de que a população almejava renovação, não apenas da gestão, mas também dos quadros políticos. Em comum com Geraldo Júlio, Paulo Câmara era um técnico sem experiência política tradicional.Os adversários de Eduardo Campos acusavam-no de tentar maquiar o novo coronelismo, criou um eufemismo para a estratégia e a chamou de nova política.Para formar o próprio time e não correr o risco de ser traído, investiria em técnicos. O objetivo seria eleger os afilhados e permanecer no comando.

Na cabeça do ex-governador, a repetição da estratégia para conquista do Recife pelo aliado socialista era possível em função do esgotamento do ciclo do PT, especialmente depois das brigas internas do PT na capital. Para se diferenciar, os socialistas adotaram desde sempre o discurso de que não perderiam tempo com as rinhas políticas e fariam uma gestão de resultados, agradando a classe média com a entrega de obras e mais cuidados com a cidade.

O mantra da aposentadoria forçada das velhas raposas políticas era a tradução desta estratégia eleitoral. No plano prático, os marqueteiros dispunham de pesquisas mostrando que as pessoas queriam votar em alguém indicado por Eduardo Campos, qualquer que fosse o nome. A escolha de Paulo Câmara ‘envelheceria’, comparativamente, ainda mais o opositor Armando Monteiro Neto.

Nesta altura do campeonato, Armando Monteiro Neto despontava nas pesquisas com mais de 40% das intenções de voto. Eduardo Campos dizia que, estabelecido os palanques, quem estava com quem na disputa política, a situação seria outra.

O exemplo da tese socialista era a eleição municipal no Recife. Eleito em 2010 no palanque de Eduardo Campos, o então candidato a prefeito do PT no Recife em 2012, Humberto Costa, saiu nas frentes nas pesquisas e tinha mais de 40% das intenções de voto. Boa parte desta montanha de votos era recall. O então governador afirmava que pelo menos metade do latifúndio era dele, uma vez que nos últimos anos o petista havia disputado eleições em seu palanque. Quando as urnas foram contadas, Humberto Costa acabou a eleição com 17% dos votos.

“Todos sabiam que quando Pernambuco começasse a descobrir as diferenças iria estourar a bolha que levou o adversário a começar na frente. Foi um sonho que durou três dias. O adversário na verdade só esteve à frente das pesquisas no começo do jogo, quando estava jogando sozinho e Pernambuco ainda não conhecia Paulo Câmara e, portanto, ainda não tinha percebido o que cada candidatura significava. A campanha tratou de colocar os pingos nos is”, avalia Waldemar Borges, líder do governo do PSB na Assembleia Legislativa.

“Todos que não têm a cabeça presa à velha política previam essa lógica. Paulo Câmara representa um projeto exitoso em execução no Estado, tem a mais ampla e sólida base de apoio social e política, é melhor preparado e bem sucedido e experiente em gestão pública e não poderia perder para um adversário que não reúne nenhum desses requisitos?”

No final de agosto, o publicitário Marcelo Teixeira, da empresa Markplan, comentando o resultado do Ibope para o governo do Estado, divulgado pela Globo e Estadão, já cantava a pedra em entrevista exclusiva ao Blog de Jamildo. O levantamento mostrava uma evolução do socialista Paulo Câmara e uma queda do petebista.

“O problema é que Armando Monteiro está no lugar errado. Ele não tem perfil para ser candidato pelo PT”, avalia. Nos bastidores de uma entrevista na CBN, Armando Monteiro chegou a comentar comigo que não era o PT.

“Qualquer marqueteiro ou cientista político, por mais parcial que seja, saberia que esta overdose de exposição do funeral do ex-governador Eduardo Campos, inclusive transmitida ao vivo pelas TVs e rádios de nosso Estado, iria antecipar o crescimento do Candido do PSB”, justificou, na época o deputado federal Silvio Costa, aliado de Armando Monteiro Neto.

O marqueteiro Marcelo Teixeira antecipou outros motivos para antecipar a derrota. “Como um acidente de avião, a queda de um candidato nunca tem um fator isolado. É uma série de fatores. Paulo Câmara tem mais estrutura de campanha, com mais candidatos proporcionais, tem uma comunicação melhor, além de ser o nome do ex-candidato a presidente da República Eduardo Campos. Depois da morte de Campos, agora Paulo Câmara é o candidato de Marina e Aécio. De todos os governadores vivos, entre outros motivos”, diz.

Ajuda de Geraldo Júlio

familia-camposA bem avaliada gestão do prefeito Geraldo Júlio no Recife também ajudou Paulo Câmara. Não por outro motivo, além de coordenador da campanha, Geraldo Júlio foi escalado para desconstruir Armando Monteiro Neto, sempre com os ataques mais duros. A ele coube também o papel de colar em armando Monteiro a pecha de anti-Eduardo, visando elevar a sua rejeição. “Vamos desmascará-lo”, dizia, logo no início da campanha, quando o petebista sugeriu um pacto para que os cavaletes de propaganda não fossem usados no Recife, para ajudar a mobilidade. Os socialistas disseram que tratava-se de uma farsa, para esconder o palanque, para não ter que mostrar o palanque.

Paulo Câmara se fez acompanhar do prefeito Geraldo Julio (PSB) porque o Recife e a Região Metropolitana do Recife representam mais de 40% dos votos do Estado. “Foi um erro estratégico de João Paulo ter, em 2012, optado por não defender a reeleição de João da Costa. Com isto, o PSB se fortaleceu no Recife”, relembrou o cientista Adriano Oliveira, coordenador das pesquisas da Nassau, em artigo nesta semana.

Ajuda de Marina

Logo após a morte de Eduardo Campos, o candidato socialista também foi ajudado pelo forte crescimento da candidata Marina Silva nas pesquisas. Em vários momentos o voto foi apresentado de forma casada. A primeira caminhada de Marina foi realizada em Casa Amarela, reduto dos socialistas, além do lançamento da candidatura no Clube Internacional. Quando Dilma recuperou-se e voltou a crescer, o adversário Armando Monteiro Neto, do PTB, buscou associar sua imagem a petista, mas já era tarde.

FBC e Petrolina

frente-popularO companheiro de chapa Fernando Bezerra Coelho (PSB), o candidato da Frente Popular ao Senado, foi escolhido a dedo por sua origem no São Francisco e atuação no Sertão, com passagem pelo Ministério da Integração de Dilma. Fernando Bezerra Coelho ressaltou que a votação refletiu a confiança no avanço das transformações vivenciadas pelo Estado nos últimos anos. “A receptividade por todos os bairros em que passamos foi excelente. As pessoas identificam Paulo como o candidato capaz de dar continuidade às obras de Eduardo Campos”, disse Fernando.

O PT chegou a levar Lula até a cidade de Petrolina, com a ajuda do prefeito Julio Lossio (PMDB), para uma carreata e um comício com o objetivo de deter o crescimento dos socialistas no Sertão, além de manter as chances do candidato ao Senado João Paulo (PT).

Ataques
O discurso de que Paulo Câmara era despreparado não colava porque, além de conhecer o Estado, como funcionário público, como secretário da Fazenda teve oportunidade de ter experiência com as contas nacionais no Confaz, Conselho Nacional de Política Fazendária.



PUBLICIDADE
FECHAR