“IMIP faz mais, melhor e mais barato”, diz superintendente

Publicado em 04/12/2012 às 14:49 por em Notícias

Em entrevista ao Blog de Jamildo, o superintendente do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira – IMIP, Dr. Gilliatt Falbo, afirma – a despeito de algumas críticas – que o modelo de gestão da instituição "faz mais, melhor e mais barato". O IMIP tem sido alvo de críticas que miram o Governo do Estado – que, dizem alguns, estaria beneficiando o Instituto.

Os dados apresentados por Gilliatt para comprovar sua tese comparam os desempenhos dos hospitais estaduais geridos pelo Estado, como HR – Hospital da Restauração, HAM – Hospital Agamenon Magalhães, HGOF – Hospital Geral Otávio de Freitas, HGV – Hospital Getúlio Vargas e HBL – Hospital Barão de Lucena; com os hospitais universitários, a exemplo do HUOC – Hospital Universitário Oswaldo Cruz, PROCAPE – Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco, CISAM – Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros, HC – Hospital das Clínicas e IMIP – Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira; e com os hospitais estaduais gerenciados por organizações sociais, que são o HMA – Hospital Miguel Arraes, HDH – Hospital Dom Hélder, HPS – Hospital Pelópidas Silveira e o HDM – Hospital Dom Malan.

Os dados, levantados junto ao CNES/DATASUS e TABWIN/DATASUS, trazem uma página de comparativo entre o IMIP, o Hospital Miguel Arraes (de administração do IMIP) e o Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC). A receita do IMIP advinda do SUS é de R$ 178 mil, já que é o centro médico com mais leitos (1047). Mas o ponto polêmico vem a seguir.

O Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), gerido pela UPE, tem 407 leitos e recebe R$ 45 mil do SUS. Já o Hospital Miguel Arraes, da gestão IMIP, tem 173 leitos e recebe mais verba: R$ 57 mil. É um dos pontos pelo qual o Governo e a administração IIP estão sendo alvo de críticas. Mas, de acordo com Gilliatt Falbo, não deveria existir polêmica se as informações fossem claras.

"A verba do Hospital Miguel Arraes é maior, sim. Mas é porque é deste valor que saem os salários dos nossos funcionários. Destes R$ 57 mil, 60% vai para o pagamento da folha salarial", esclarece. A folha do HUOC, de R$ 88 mil, não está inclusa na verba recebida pelo SUS.

O levantamento mostra ainda que o IMIP tem o leito mais barato do Estado, custanto em média R$ 170 mil/ano. Seguem a lista o Hospital Geral Otávio de Freitas (R$ 195 mil/ano) e Hospital Dom Malan, da gestão IMIP (R$ 227 mil/ano).

Os dados do Custo Médio/AIH também revelam os dados positivos da administração. O Dom Malan é o mais barato, custando R$ 3.246; seguido do IMIP, R$ 4 mil; Hospital Miguel Arraes R$ 5.245. Apesar de estar entre os mais baratos, o HMA é o centro que tem mais alto número de Autorizações de Internações Hospitalares (AIH) por leito.

Antonio Figueira, por ser ex-presidente do IMIP e filho do fundador do instituto e ser também o secretário estadual de Saúde, a administração IMIP tem sido apontada por alguns estudantes como beneficiada pela Secretaria de Saúde de Pernambuco em detrimento dos hospitais universitários, a exemplo do HUOC, que enfrenta crise. Mas há que se pontuar que o HUOC é gerido pela Secretaria de Ciência e Tecnologia, não pela de Saúde.

O superintendente do IMIP, Gilliatt Falbo, se queixa de que a instituição tem sido alvo de "acusações injustas com base em informações incompletas". "Já ouvi muitas infâmias. Mas quem tem que responder às reivindicações dos estudantes é a administração do hospital onde eles atuam".

"Não tenho nada contra ninguém de lá. Só espero não sofrer injustiças. O TCU nunca rejeitou as contas do IMIP. Por conta do nosso gerenciamento nós fazemos mais, nós fazemos melhor e mais barato. E desafio alguém a provar o contrário", diz o superintendente.

Veja abaixo a íntegra dos dados do levantamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>