Eleições 2014

Janot quer suspender programas que criticam Marina

Publicado em 16/09/2014 às 11:08 por em Eleições, Notícias
Crédito da Imagem: Agência Brasil

Créditos da Imagem: Agência Brasil

estadao

O procurador-geral Eleitoral, Rodrigo Janot, defendeu a suspensão das propagandas veiculadas pela campanha da presidente Dilma Rousseff que criticam a proposta da adversária Marina Silva de conceder autonomia operacional ao Banco Central (BC). Em parecer encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta segunda-feira, Janot considerou as peças irregulares ao reconhecer que eles pretendem criar “artificialmente na opinião pública estados mentais, emocionais ou passionais”. Tal conduta é proibida pelo Código Eleitoral. A manifestação de Janot pode ser acatada pelo TSE no julgamento do mérito das três ações da campanha de Marina que questionaram a propaganda. O caso deve ser analisado nos próximos dias.

Os advogados da candidata do PSB recorreram na semana passada ao tribunal contra a campanha sob a alegação de que a chapa de Dilma pratica “verdadeiro estelionato eleitoral” ao distorcer a proposta da adversária, uma vez que induz à percepção de que os bancos seriam os responsáveis pela condução da política de controle de juros e de inflação. Os advogados da candidata do PSB sustentam que a propaganda cria uma “cenário de horror” com a implantação da autonomia do BC ao chegar ao “absurdo terrorismo” de que a medida esvaziaria os poderes do presidente da República e do Congresso.

A propaganda, que foi ao ar nos dias 9, 11 e 12 de setembro e também em inserções durante o dia, mostra uma família sentada ao redor de uma mesa de refeição e mostra a comida sendo retirada aos poucos dos comensais à medida que um narrador fala das supostas consequências da autonomia do BC. Na semana passada, o TSE negou três pedidos de liminares apresentados pela defesa de Marina para suspender a propaganda. Contudo, Rodrigo Janot é a favor que o tribunal impeça a veiculação da campanha no julgamento do mérito.

“A cena criada na propaganda impugnada é forte e controvertida, ao promover, de forma dramática, elo entre a proposta de autonomia ao Banco Central e quadro aparente de grande recessão, com graves perdas econômicas para as famílias”, afirmam os pareceres de Janot. Para ele, é inquestionável que a crítica meramente política é inerente à campanha eleitoral e constitui típico discurso de embate. “Seus limites, entretanto, não podem ser ultrapassados, a ponto de criar um cenário ad terrorem ou tendencioso, apto a gerar estados emocionais desapegados de experiência real”, completaram.

Rodrigo Janot, que também é procurador-geral da República, manifestou-se contrariamente a outro pedido da chapa de Marina: conceder direitos de resposta à candidata do PSB no horário eleitoral reservado à campanha de Dilma. Para Janot, as peças não prejudicaram a candidatura de Marina. Ele disse que “a afirmação, ainda que controvertida, se insere no contexto de opinião pessoal acerca de um plano de governo” e que a visão de que a autonomia do BC signifique a entrega aos banqueiros de um grande poder de decisão sobre a vida das pessoas “não constitui inverdade flagrante, apta a ensejar direito de resposta”.

fonte: Estadão Conteudo.

quem tem medo de Marina?

Em Pernambuco, candidato petista ao Senado diz que Marina representa um perigo para democracia

Publicado em 16/09/2014 às 10:50 por em Notícias
unnamed

O deputado federal João Paulo, do PT, candidato ao Senado na chapa do petebista Armando Monteiro, cerra fileiras ao lado dos políticos que temem a eventual chegada de Marina Silva ao poder. Em entrevista à rádio JC News, João Paulo disse ao Blog de Jamildo que a candidata do PSB era um perigo.

Nesta segunda, em tom de campanha e vestindo jaqueta de petroleiro, o ex-presidente Lula se juntou a sindicalistas em ato de defesa do pré-sal em frente à sede da Petrobras, no Rio, para atacar Marina Silva (PSB). Sem citá-la diretamente, Lula criticou a candidata e seu programa de governo afirmando que, se fosse ela, “proibia seus economistas de falar bobagem”. Disse ainda que Marina pretende “terceirizar” o papel de presidente.

No ar, em mais uma crítica ao prefeito Geraldo Julio, do PSB, João Paulo argumentou que não adianta cuidar da saúde sem cuidar da limpeza da cidade.

“Tenho visto muito lixo, principalmente nas áreas mais pobres; o prefeito vive dizendo que está fazendo Upinhas, mas não adianta fazê-las e deixar a cidade suja, pois o povo vai ficar doente do mesmo jeito”, afirmou.

Veja abaixo principais trechos do debate.

Marina e o perigo

“A administração do governo é um ponto importante. Marina, assim, representa um perigo. Não tem como se ter um governo sem sustentação, sem ter como aprovar projetos”.

Banco Central

“Em momento algum o governo de Lula ou Dilma deu autonomia ao Banco Central para estabelecer a política econômica. É lógico que tem de haver processo de discussão, moderação, mas a linha central é dada pelo do governo, o que é fundamental”.

Petrobras

“Acho que nunca a Polícia Federal fez tanta operação e prendeu tanta gente como nos governos Lula e Dilma. Mas qualquer coisa que envolva o Partido dos Trabalhadores ganha uma dimensão que não é dada a outros partidos. Veja os “mensalões do DEM, o do PSDB, os envolvidos no aeroporto de Minas Gerais, entre outras denuncias. Mas o PT só é tratado com ódio de classe”.

Reforma política

“Eu acho que esse caso da Petrobras justifica o financiamento público de campanha, mas não só financiamento. Temos que ter uma reforma política completa – voto no partido, fim das coligações proporcionais, voto em lista coordenada pelo partido, enfim, uma série de medidas e punições maiores para quem for para o financiamento privado. Esse momento é importante para uma reflexão em torno do financiamento privado de campanha e é uma proposta do PT no âmbito nacional”.

Avião de Eduardo Campos

“Por enquanto o que está se querendo é esclarecimento em relação a isso. As coisas não estão claras. Porque há a isenção da empresa Bandeirantes Pneus, em torno de R$ 100 milhões, e a compra do avião e as empresas laranja que pagaram. Estamos aguardando um esclarecimento do PSB”.

“A comoção começou a perder força. Houve uma grande mídia em torno do desastre. No entanto, acredito que vamos ter resultado positivo no Brasil e em Pernambuco. O povo vai reconhecer as mudanças”

Maioridade penal

“Sou contra a maioridade penal para menores de 18 anos. As penas no Brasil não têm garantia de retomada da vida do cidadão. Por isso, acho que aumentar a pena não reduz a criminalidade. A maioridade penal não é um elemento que vai modificar a vida das pessoas. O estado tem que garantir saúde, educação, segurança, cultura e valorização da vida”.

PEC 300
“Sou favorável a uma lei que garanta um melhor salário para a polícia. A discussão no Congresso é que a maioria dos governadores alega que não têm recursos e nem orçamento para pagar e que a proposta vai contra a Lei de Responsabilidade Fiscal. Eles dizem que só se for para a União pagar tudo. E a União não tem condições de pagar. Mas acredito que vai ser no dialogo, na busca de alternativas, junto ao movimento sindical, que vamos encontrar a saída”.

Pesquisas em Pernambuco

“Não há uma preocupação com pesquisas. Eu acho que nós temos preocupação com resultado da eleição; ganhar com Dilma em Pernambuco – nossa tarefa política -, ganhar com Armando e com a minha candidatura, além de eleger a maioria dos deputados estaduais e federais, que é o nosso objetivo estratégico. Quanto às pesquisas, elas fazem a fotografia de um determinado momento. E as pesquisas têm provocado muita confusão. Há distorções muito grandes, seja em relação aos meus resultados seja aos de Armando. Eu as utilizo, para efeito de avaliação e de estratégia de trabalho”.

Sindicalista x patrão

“Sempre tive diálogo com o setor empresarial, colocando nossas reivindicações. A prova é que muitos empresários, em cujas empresas liderei greves, votaram em mim para prefeito. Armando é um empresário do dialogo; foi presidente da CNI (Confederação Nacional das Indústrias), ajudou muito a dissipar o preconceito que se tinha em relação ao empresariado. É uma atividade importante para o Brasil, gera empregos. Empresário não é inimigo dos trabalhadores; há pontos de vistas que podemos discordar, mas isso faz parte da negociação. Não podemos fazer o que nossos adversários fazem: quando apoiaram Armando ao Senado era empresário progressista, mas quando é adversário, vira “patrão”.”

Traficantes

“Só o aumento da pena por si não resolve, senão não teríamos essa superlotação nos presídios, que se tornaram grandes universidades do crime. E Pernambuco tem essa marca muito ruim, que é o de abrigar o pior presídio brasileiro: o Aníbal Bruno, de acordo com o CNJ (Conselho Nacional de Justiça). O primeiro passo seria garantir a pena em condições que a Constituição assegura aos apenados. Precisamos melhorar a tramitação dos processos, aparelhar as nossas policias, que estão muito desaparelhadas. Por causa disso, muitos crimes não são apurados. Só o aumento da punição não resolve. Temos que melhorar nosso sistema penitenciário e de justiça. Temos, em Pernambuco, em torno de 60 cidades que não têm delegacias e isso contribui para o aumento de impunidade”.

Segurança

O Governo Federal tem ajudado muito os estados, seja com treinamento ou equipamento. Agora tem questões que são da responsabilidade do estado também, como a concepção de uma política mais humanizada do que repressiva; temos estados muito pobres que não tem condições de pagar um salário melhor aos seus policiais, principalmente a política militar, que vive situação mais precária do que a civil; temos ainda uma falta de contingente em Pernambuco; a falta de viaturas, mas ainda assim o governo tem ajudado muito aos estados, que precisam cumprir sua parcela de responsabilidade e prioridades, como educação saúde e segurança.

Sai para prefeito em 2016?

“Minha primeira tarefa é cuidar da minha eleição para o Senado. Eu acredito que cumpri meu papel como prefeito. E outra: no PT não existe isso de você dizer que é candidato e pronto; tem outros nomes importantes, como o de Humberto Costa, Fernando Ferro, Pedro Eugênio, Dilson Peixoto. Na nossa coligação com PTB tem nomes importantes, como o deputado Silvio Costa Filho, que tem esse sonho de ser prefeito. Eleito senador, gostaria de cumprir o meu mandato de senador, mas vamos discutir o que o partido vai querer no tempo necessário. Nem está descartado e nem colocado”.

Experiência

“Eu quero dizer que minha experiência maior não é no Executivo, se somados todos esses anos. São 16 anos no Legislativo contra oito que fui prefeito do Recife. Quando fui prefeito, governamos para a cidade como um todo, pensando no futuro. Pensamos em projetos estruturadores para a cidade, como a Via Mangue – que só fiz a primeira parte, pois precisávamos de recursos do Governo Federal -, tiramos as palafitas de Brasília Teimosa, da Beira Rio; erradicamos a incidência de filariose na cidade; fizemos um grande de saneamento, ou seja, acredito que esses oito anos de governo ficaram como a minha maior referência como gestor público que talvez tenha superado os 16 anos de parlamentar. O acúmulo dessa experiência pode me ajudar muito no Senado. E ajudar muito o Governo Federal e o futuro governador de Pernambuco, Armando Monteiro.

Lixo no Recife

“Tenho visto muito lixo na cidade, principalmente nas áreas de periferias, nas áreas mais pobres. Está um horrível; um fedor enorme. O prefeito vive dizendo que está fazendo Upinhas, mas não adianta fazer Upinha e deixar a cidade suja, pois o povo vai ficar doente do mesmo jeito. Recebi uma denúncia que houve uma redução no contrato na limpeza da cidade e, consequentemente, isso tem diminuído a limpeza na área de periferia. Acho que ele (o prefeito) deveria explicar isso, talvez por meio de um pedido de investigação, pois a questão do lixo na periferia é algo extremamente preocupante”.

Propostas

“No Estado tem alguns gargalos que atrapalham nossa economia e é nisso que tenho que ajudar o Governo do Estado. Um é o Arco metropolitano, que tem orçamento de R$ 1,3 bilhão e é fundamental para o desenvolvimento de Pernambuco e Região Metropolitana. A previsão da Fiat, em Goiana, que foi um esforço de Lula para trazer, tem uma perspectiva de sair 600 caminhões com carros para exportar, além de 28 empresas de acessórios. Esta é uma das principais prioridades; outra questão crucial é o Canal do Sertão, que vai garantir irrigação a outra região fértil que é o Araripe”.

Criação de municípios

“Minha posição é contra a criação de novos municípios, sempre assumi essa posição. Porque temos na verdade muitos municípios que hoje não tem condições de serem municípios. Criando municípios vai aumentar despesas com Câmara, Prefeitura, secretários, cargos comissionados, prefeitos, e só tem um bolo. Normalmente o repasse do Governo Federal, através do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Tem alguns casos, a meu ver, que poderia ser levado em considerações”.

Eleições e segurança pública

Na TV, Armando diz que Pacto Pela Vida precisa ser “repactuado”

Publicado em 16/09/2014 às 10:46 por em Eleições, Notícias
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução Youtube

Em seu programa exibido no guia eleitoral de TV dessa segunda-feira (15), o candidato ao Governo de Pernambuco Armando Monteiro (PTB) apresentou suas propostas para a área de segurança pública. O candidato ainda criticou ações da gestão do PSB e apontou falta de investimento no setor.

Armando conversou com representantes da área, policiais e presidentes de sindicatos. Afirmando que o Pacto Pela Vida precisa ser “repactuado”, o petebista disse que “só se faz segurança valorizando os servidores da área de seguraça”, e completou ao dizer que a prioridade na área tem de ser traduzida no orçamento.

Entre as propostas apresentadas por Armando, estão o aumento no número de policiais e bombeiros militares, recuperação de delegacias abandonadas por falta de estrutura, e a apresentação de um plano de cargos e carreiras para a categoria.

Leia também:

>> Geraldo Julio diz que PSB não vai responder Armando com truculência

Uma dessas propostas seria a criação de 10 centros que ele chamou de “Polícia Cidadã”. O projeto do petebista consiste em centros onde atendimentos especializados possam ser feitos em dadas regões.

“Imaginamos criar 10 centros do que estou chamando de Policia Cidadã, que são complexos policias; a da mulher, a de proteção da criança, a de narcotráfico, a de crimes o patrimônio, para que você possa, naquela unidade, fazer o atendimento especializado em cada região de Pernambuco”, pontuou o socialista.

opinião

O candidato dos sonhos dos banqueiros não é Marina. É Lula.

Publicado em 16/09/2014 às 10:40 por em Notícias

Me engana que eu gosto

Eliane Catanhede, na Folha de São Paulo desta terça

Marketing é coisa de gênio e nós, meros mortais, não somos gênios. Mas também não precisam tratar os 145 milhões de eleitores do país como idiotas.

Querer vender Marina como “elite branca”, quem sabe como “elite branca de olhos azuis”, quem sabe até como “elite branca de olhos azuis do capitalismo paulista”, vai colar?

Depois do sociólogo, do migrante nordestino e da primeira mulher, faz sentido uma mulher negra, saída dos cafundós do Acre e alfabetizada a duras penas aos 16 anos. Um “Lula de saias”. Daí o pânico da campanha de Dilma. O poder da imagem de Marina, a força da sua simbiose com a maioria do povo brasileiro.

E lá vem Dilma e sua propaganda deformando a cor, a cara, a imagem, a história e as intenções de Marina, adulterada como representante de banqueiros e um perigo para o prato de comida dos pobres. E lá vem João Pedro Stedile, do MST, ameaçando invadir tudo, todo dia, se ela vencer. É a implosão da Marina real e a construção da Marina “de direita”.

Será que os eleitores brasileiros somos tão imbecis, caímos como patinhos em qualquer lorota? Ou será que só cai quem é manipulável e quem está pendurado nas boquinhas e verbonas, na promiscuidade entre o público e o privado? Para cair no engodo, na “genialidade” da propaganda, só por ignorância ou por má-fé, pura e simples.

Se Lula saiu de um casebre do interior de Pernambuco, Marina emergiu de um seringal do Acre. Se Lula fez curso de torneiro mecânico, Marina teve de lavar chão para formar-se em história. Se Lula se tornou o grande líder sindical no Sul Maravilha, Marina impõe-se na órbita do ambientalista Chico Mendes.

A diferença é que Lula se rendeu aos lucros estratosféricos do setor financeiro, aos jatinhos das empreiteiras, às vantagens camaradas para filhos e noras e aos convescotes das oligarquias políticas mais atrasadas. Logo, o candidato dos sonhos dos banqueiros não é Marina. É Lula.

Eleições 2014

Presidentes do PSDB e PR mudam de lado no Ceará

Publicado em 16/09/2014 às 10:01 por em Eleições, Notícias
Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

estadao

O presidente estadual do PSDB no Ceará, também candidato a deputado estadual, Tomás Figueiredo Filho, e o presidente estadual do PR, o ex-governador do Ceará, Lúcio Alcântara, declararam apoio à presidenciável Marina Silva (PSB).

No Estado, o PR está coligado ao PMDB e ao PSDB, que têm o senador Eunício Oliveira e Tasso Jereissati como candidatos a governador e ao Senado, respectivamente. “Temos muitos pontos políticos em comum”, alegou Figueiredo Filho. Sua decisão foi tomada por “solidariedade” à candidata do PSB a partir de um conflito ocorrido no último dia 13 em Sobral (CE), onde a ex-ministra do Meio Ambiente teria sido impedida de caminhar pelas ruas para evitar conflitos com a oposição local. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

fonte: Estadão Conteudo

CPI da Petrobras

Na CPI, deputado do PSB questionará ex-diretor da Petrobras sobre Eduardo Campos

Publicado em 16/09/2014 às 9:27 por em Notícias
Foto: Reprodução Internet

Foto: Reprodução Internet

Da coluna Painel, na Folha de S. Paulo

O deputado federal Júlio Delgado (PSB-MG) deve aproveitar a participação de Paulo Roberto Costa na sessão desta quarta-feita (17) da CPI da Petrobras para perguntar ao ex-diretor da estatal o que ele disse de Eduardo Campos no seu depoimento de delação premiada.

Delgado prometeu “apertar” o ex-diretor para que ele revele o que foi dito sobre o ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência morto no último dia 13 de agosto em um acidente aéreo que vitimou outras seis pessoas entre assessores de campanha e pilotos.

De acordo com matéria publicada pela revista Veja na edição do dia 6 de setembro, Paulo Roberto teria citado Eduardo Campos no seu depoimento de delação premiada como sendo um dos beneficiários de um esquema de desvio de verbas da estatal. No entanto, já foi sinalizado que Costa não deverá falar nada sobre a delação na CPI.

Leia também: 

Para manter benefícios da delação, Paulo Roberto Costa não falará sobre lista citada pela Veja

Lista de nome delatados por ex-diretor da Petrobras inclui presidente da Câmara, Senado e até Eduardo Campos

Humberto Costa fala sobre possível depoimento de ex-diretor na CPI da Petrobras

O ex-diretor não deve falar nada sobre os nomes divulgados pela revista porque, caso ele revele qualquer informação relativa ao processo que corre em sigilo, poderá perder os benefícios do acordo de delação premiada.

Apesar do pacto de silêncio firmado com a Justiça, Júlio Delgado afirma que que Paulo Roberto tem por obrigação falar sobre o caso para que  suas alegaçõe não caiam em descrédito.  “Se ele ficar em silêncio, vai jogar suspeita sobre tudo o que disse na delação”, disse o socialista mineiro.

Petrobras

Para manter benefícios da delação, Paulo Roberto Costa não falará sobre lista citada pela Veja

Publicado em 16/09/2014 às 8:53 por em Notícias
Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, prestará depoimento na sessão desta quarta-feira (17) da CPI da Petrobras. No entanto, Costa não deve falar sobre o assunto que mais interessa em sua participação na CPI: a lista de nomes que teriam sido citados por ele como beneficiários do esquema de desvio de verbas da estatal. Os benefícios do acordo de delação premiada podem ser anulados caso o ex-diretor fale.

Se o ex-diretor revelar qualquer informação relativa às investigações que correm em sigilo, poderá perder os benefícios da delação premiada (onde informações que ajudem nas investigações são “trocadas” por amenizações nas penas). Paulo Roberto não pode falar sobre o assunto nem mesmo em uma sessão secreta da CPI.

Leia também: 

Lista de nome delatados por ex-diretor da Petrobras inclui presidente da Câmara, Senado e até Eduardo Campos

Humberto Costa fala sobre possível depoimento de ex-diretor na CPI da Petrobras

De acordo com a “Lei do Crime Organizado”, de 2012, todas as informações prestadas pelo réu no depoimento de delação premiada devem ser mantidas em sigilo até a divulgação sentença. Essa medida visa preservar provas e o andamento das investigações, uma vez que o réu pode sofrer pressões de supostos envolvidos.

Paulo Roberto Costa está preso desde março, quando foi detido pela Polícia Federal na Operação Lava Jato. A edição do dia 6 de setembro da reista Veja divulgou nomes que teriam sido citados por Costa no seu depoimento de delação premiada. Deputados, senadores, governadores e um ministro de estado constam entre os mencionados, segundo a revista.

Eleições 2014

TV Jornal promove primeiro debate entre candidatos ao Governo de Pernambuco

Publicado em 16/09/2014 às 8:08 por em Eleições, Notícias
Montagem do Blog

Foto: Montagem do Blog

A TV Jornal promove na noite desta terça-feira (16) o primeiro debate entre os candidatos ao governo de Pernambuco. Armando Monteiro Neto (PTB), Paulo Câmara (PSB) e Zé Gomes (PSOL) foram convidados por serem os postulantes que os partidos possuem representantes no Congresso Nacional.

Transmitido em alta definição para todo o Estado pela TV Jornal Recife e TV Jornal Caruaru, o debate vai ao ar a partir das 22h15, logo após o “Programa do Ratinho”. O programa também será transmitido, simultaneamente, pela internet pelo JC Online (jc.com.br), com acompanhamento pelo Twitter (@jc_pe).

O debate será dividido em cinco blocos e contará com a apresentação da jornalista Graça Araújo, além de repórteres e editores dos veículos do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC). Entre os intervalos, jornalistas do portal NE10 vão avaliar o “termômetro” das discussões que surgem nas redes sociais.

No primeiro e no quarto bloco, os paricipantes fazem perguntas entre si. No terceiro bloco, respondem às perguntas dos jornalistas. Já no segundo e no quinto bloco, as perguntas serão de temática livre, feitas pelos espectadores, selecionadas previamente pela produção e sorteadas na hora.

A coordenadora de conteúdo da TV Jornal, Mônica Carvalho, informa que no debate deste ano serão proporcionados mais momentos de confronto efetivo entre os participantes, além da ampliação do tempo de participação dos espectadores, que contarão  com dois blocos para as perguntas.

Página 1 de 9.37312345...102030...Última »