congresso em foco

Quatro pernambucanos entram em lista de parentes de políticos disputando Congresso

Publicado em 22/09/2014 às 11:02 por em Eleições, Notícias
Candidatos à reeleição, Fernando Filho (PSB) e Bruno Araújo (PSDB) são filhos de políticos. Montagem: Blog de Jamildo.

Candidatos à reeleição, Fernando Filho (PSB) e Bruno Araújo (PSDB) são filhos de políticos. Montagem: Blog de Jamildo.

Quatro políticos pernambucanos aparecem na lista elaborada pelo site Congresso em Foco com parentes de políticos que disputam uma vaga na Câmara Federal, tida como a representação do povo brasileiro no Congresso Nacional.

Entram na lista os deputados federais Bruno Araújo (PSDB) e Fernando Filho (PSB), que tentam a reeleição. Bruno é filho do ex-deputado federal Eduardo Araújo e Fernando do ex-ministro da Integração Fernando Bezerra Coelho (PSB).

Também foram lembrados os deputados estaduais Betinho Gomes (PSDB), filho do prefeito de Jaboatão dos Guararapes, Elias Gomes (PSDB), e Sebastião Oliveira (PR), primo do deputado federal Inocêncio Oliveira (PR), que não concorre à reeleição.

A lista completa tem 98 nomes. O estado que mais aparece é a Rio de Janeiro, com dez nomes, seguido por São Paulo, com nove, e Bahia, com oito.

artilharia pesada

Na Globo, Dilma volta a bater pesado em Marina

Publicado em 22/09/2014 às 9:48 por em Eleições, Notícias
Foto: Sérgio Seiffert/TV Globo

Foto: Sérgio Seiffert/TV Globo

Em debate promovido pela TV Globo e exibido na manhã desta segunda-feira (22) no telejornal “Bom dia, Brasil”, a presidente e candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff (PT), voltou a bater pesado contra a campanha e propostas de sua principal adversária na disputa deste ano, Marina Silva (PSB/Rede). “Tudo o que eu falo está no programa de governo da candidata… E sou eu que estou pondo medo?”, questionou a presidente.

A entrevista foi concedida aos jornalistas Chico Pinheiro, Ana Paula Araújo e à comentarista de economia da emissora, Mirian Leitão. Em determinado momento, Dilma foi perguntada sobre a campanha da coligação “Com a Força do Povo”, encabeçada pelo PT e que a tem como candidata à reeleição. Os jornalistas citaram um posicionamento tomado pelo Procurador Geral Eleitoral, Rodrigo Janot, que defendeu a suspensão da campanha de Dilma no que se refere aos ataques à Marina.

Em parecer encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no último dia 16 de setembro, Janot considera irregulares as peças da campanha destinadas a questionar as propostas de Marina para o Banco Central, pois cria “artificialmente na opinião pública, estados mentais, emocionais ou passionais”, o que é proibido pelo Código Eleitoral.

Leia também:

“Se eu soubesse que ele era corrupto, teria demitido” diz Dilma sobre ex-diretor da Petrobras

“Tudo o que eu falo está no programa de governo da candidata. E isto é algo que ainda será julgado pelo TSE”, afirmou Dilma que tentou explicar, do seu ponto de vista, as proposta da socialista: “Banco Central independente é colocar um quarto poder no Governo. A Praça dos Três Poderes será a dos quatro poderes. Do meu ponto de vista, eu quero meu direito de resposta”, protestou a presidente.

Mirian Leitão contrapôs as afirmações de Dilma exibindo exemplos de países da Europa e mesmo da América do Sul onde os Bancos Centrais passaram a ser independentes e disse que o discurso do PT, ao falar que a medida empobrecerá ainda mais os pobres, “não faz sentido”. A candidata usou a mesma estatégia de Mirian e passou a listar exemplos onde a medida não dá certo.

Dilma ainda questionou como um possível governo de Marina manterá a infraestrutura para programas como “Minha casa, minha vida” e investimentos no setor de trasportes com os bancos públicos tendo “o poder reduzido”, segundo suas palavras. “Ela (Marina) tem um alinhamento claro de apoio aos bancos e sou eu que estou pondo medo?”, disse Dilma.

governador

João Lyra reforça campanha de Paulo Câmara no Agreste

Publicado em 22/09/2014 às 9:33 por em Eleições, Notícias
Foto: Wagner Ramos/PSB

Foto: Wagner Ramos/PSB

Sem participar ativamente do dia-a-dia da campanha estadual, o governador João Lyra Neto (PSB) participou de uma caminhada e de um comício da candidatura a governador do ex-secretário da Fazenda Paulo Câmara (PSB) nesse domingo (21), em Brejo da Madre de Deus, no Agreste.

O governador, que já havia participado de caminhada e comício em Caruaru, sua cidade natal, também no Agreste, pediu o engajamento da população para garantir a continuidade do trabalho desempenhado pelo PSB no Governo do Estado.

“Isso ocorrerá com a eleição de Paulo Câmara. Não podemos parar o avanço”, garantiu Lyra.

“Ele é um servidor público de carreira, que foi secretário dedicado e que tem todas as condições de fazer o Estado ainda mais forte, garantido uma melhoria também na qualidade de vida de todos”, afirmou o governador.

Tags: Eleições, Eleições 2014, Interior, João Lyra Neto, Paulo Câmara, psb,
eleições 2014

OAB-PE realiza seminário sobre Direito Eleitoral

Publicado em 22/09/2014 às 9:12 por em Eleições, Notícias
Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

A Ordem dos Advogados do Brasil em Pernambuco (OAB-PE) promove nesta quarta-feira (24) o “Seminário de Direito Eleitoral – Eleições 2014″, que pretende capacitar e reciclar advogados que vão atuar no pleito do próximo dia 5 de outubro. O seminário começa às 9h, no auditório do Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) e vai até o final da tarde.

Ao todo, o seminário contará com quatro painéis, cada um com duas palestras. A abertura contará com a presença dos presidentes do TRE, o desembargador Fausto Campos, e da OAB, Pedro Henrique Reynaldo Alves.

As inscrições devem ser feitas pelo site da Escola Superior de Advocacia Professor Ruy Antunes (ESA-PE) e custam R$ 50 para advogados e estudantes e R$ 70 para o público em geral.

Apoiam a realização do seminário o TRE-PE, a ESA-PE, a Escola Judiciária Eleitoral de Pernambuco (EJE) e do grupo Ser Educacional, por meio da Faculdade Maurício de Nassau.

Tags: Eleições, Eleições 2014, justiça, Justiça Eleitoral, OAB, tre,
Eleições 2014

“Se eu soubesse que ele era corrupto, teria demitido” diz Dilma sobre ex-diretor da Petrobras

Publicado em 22/09/2014 às 9:06 por em Eleições, Notícias
Foto: Reprodução/TV Globo

Foto: Reprodução TV Globo

A presidente e candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff, participou de debate no telejornal matutino da TV Globo, “Bom Dia, Brasil”, exibido nesta segunda-feira (22) e falou sobre o escândalo da Petrobras, que veio à tona com o depoimento de delação premiada do ex-diretor da estatal, Paulo Roberto Costa.

Perguntada sobre o processo de indicação de Paulo Roberto ao cargo de diretor, Dilma disse que ela foi feita com base no currículo do funcionário, que já tinha 30 anos de carreira na Petrobras. “A descoberta de que ele fez isso foi uma surpresa para mim. Se eu soubesse que ele era corrupto, estaria imediatamente demitido”, disse a presidente que concluiu: “Eu não compactuo com corrupção e eu tenho uma carreira política que demonstra isto”.

Paulo Roberto Costa era diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras e está preso desde março, quando foi detido durante a operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF). No último dia 06 de setembro, a revista Veja publicou uma lista com nomes de políticos da base aliada do PT que teriam sido citados por Costa no seu depoimento de delação premiada. Os políticos estariam envolvidos em um esquema de desvio de verbas da estatal.

Leia também:

Lista de nome delatados por ex-diretor da Petrobras inclui presidente da Câmara, Senado e até Eduardo Campos

A presidente ainda defendeu o papel da PF nas gestões do PT para se defender das acusações e de casos concretos de corrupção, frequentes nos mandatos encabeçados pelo partido. Dilma disse que estes escândalos só aparecem porque, depois do PT, a PF adquiriu autonomia.

“Hoje, se ela (a PF) tiver indícios, ela vai investigar, doa a quem doer. Não vai para debaixo dos tapetes. E não é investigar no sentido jornalístico da história. É preciso punir”, pontuou a presidente.

frente popular

Em Jataúba, Paulo Câmara relembra Miguel Arraes

Publicado em 22/09/2014 às 8:31 por em Eleições, Notícias
Foto: Wagner Ramos/PSB

Foto: Wagner Ramos/PSB

Candidato ao Governo de Pernambuco pelo PSB, o ex-secretário da Fazenda Paulo Câmara (PSB) relembrou o ex-governador Miguel Arraes, falecido em 2005, durante uma caminhada em Jataúba, no Agreste. O ato de campanha ocorreu 20 anos após a passagem de Arraes pelo município, na última vez que se elegeu governador, em 1994.

“Fico muito feliz de ver tanta gente na rua para nos receber, e com tanta alegria e empolgação. Isso mostra que estamos honrando as tradições da Frente Popular, de Miguel Arraes e Eduardo Campos. E vamos honrar também no governo, ajudando a melhorar a vida dos pernambucanos”, disse o candidato.

Paulo Câmara também demonstrou confiança com os resultados das pesquisas divulgados nessa reta final da campanha. “Vocês vão ver que a gente vai continuar subindo, subindo. E os nossos adversários seguirão descendo, descendo”, garantiu.

FEM – O prefeito da cidade, Antônio de Roque (PMDB), afirmou que Jataúba recebeu apoio de Paulo Câmara com recursos do Fundo Estadual de Apoio aos Municípios (FEM), coordenado em parceria com a Secretaria da Fazenda.

“Eduardo Campos tinha me dito que Paulo será um grande governador. Eu tive essa certeza pela forma competente que ele ajudou o nosso município, com calçamento de ruas e com saneamento”, afirmou.

Tags: Eduardo Campos, Eleições, Eleições 2014, Interior, Jataúba, Miguel Arraes, Paulo Câmara, psb,
líder do PT

Humberto: Marina é tão incoerente que não sustenta uma página de seu programa de governo

Publicado em 22/09/2014 às 7:59 por em Eleições, Notícias
Foto: Sérgio Figueiredo/PT

Foto: Sérgio Figueiredo/PT

Durante uma agenda de campanha nesse domingo (21), o senador Humberto Costa, líder do PT no Senado, voltou a subir o tom contra a candidatura presidencial da ex-senadora Marina Silva (PSB). “Ela muda tanto que não consegue sustentar uma página do seu programa de governo”, alfinetou.

“A candidata do PSB não consegue manter uma linha do que escreve, muda tanto de opinião que a gente não sabe se o que ela está falando hoje vai manter amanhã”, disse.

Para o petista, a queda de Marina nas pesquisas é resultado de suas contradições. “Quando mais as pessoas conhecem, mais as pessoas veem que a candidatura de Marina na verdade representa o atraso”, avaliou.

Humberto participou de uma carreata ao lado do senador Armando Monteiro Neto (PTB), que disputa o Governo de Pernambuco, entre as cidades de Paulista e Olinda, na Região Metropolitana do Recife.

Tags: Eleições, Eleições 2014, Humberto Costa, Marina, marina silva, psb, PT, Rede,
propaganda

Participação de Renata Campos no guia de Paulo Câmara vai ao ar nesta segunda

Publicado em 21/09/2014 às 21:47 por em Eleições, Notícias

renata campos guia

A participação de Renata Campos, viúva do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), vai ao ar no guia eleitoral do candidato ao Palácio do Campo das Princesas pela Frente Popular, Paulo Câmara (PSB), nesta segunda-feira (22) à noite.

A gravação com a ex-primeira-dama foi nesse sábado (20), pela manhã e à tarde, na casa onde ela morou com Eduardo por mais de 20 anos, na Zona Norte do Recife.

LEIA MAIS
» “Eles estão engajados no sonho do pai, que também é meu sonho”, diz Paulo Câmara sobre filhos de Eduardo
» Filho de Eduardo discursa em Caetés e diz que luta contra PT e PSDB foi batalha mais dura do pai

De acordo com informações de bastidores, desde a morte de Eduardo, vítima de um acidente aéreo em agosto, durante a campanha presidencial, Renata tem participado ativamente, dando sugestões e promovendo reuniões semanais com Paulo Câmara.

A ex-primeira-dama era uma importante conselheira de Eduardo durante toda a vida e chegou a ser consultada pelo PSB para disputar a vice-presidência após a morte do marido.

Namorados desde a adolescência, os dois eram casados desde 1991 e tinham cinco filhos: Maria Eduarda, João, Pedro, José e Miguel, o caçula, nascido em janeiro deste ano.

“Tenho a sensação que tenho que participar por dois”, disse a ex-primeira-dama um dia após o velório de Eduardo, em evento em que reuniu, no Recife, a cúpula do partido.

opinião

Governo caça uma culpado para o erro do IBGE na Pnad

Publicado em 21/09/2014 às 21:30 por em Notícias

Por Fernando Castilho, da coluna JC Negócios, especial para o Blog

Vamos deixar claro uma coisa: a credibilidade do IBGE está quilômetros de distância da ministra Miriam Belchior (Planejamento) e todo o governo de Dilma Rousseff juntos. Quem diz isso são os gestores de todos os institutos de pesquisa internacionais. O IBGE é referência na América Latina e na Europa.

Dito isto, é preciso esclarecer outra coisa: Wasmália Socorro Barata Bivar é do quadro. Ela é a primeira mulher a presidir a instituição substituindo Eduardo Nunes na presidência do órgão que, aliás, foi também o primeiro funcionário de carreira do IBGE a ocupar o cargo e que ficou lá por 8 anos e meio. São funcionários e vão ficar lá depois desse governo e dos outros.

Outra coisa: foi Nunes quem definiu uma coisa que pouca gente sabe. Desde que ele assumiu em 2003, o IBGE só repassa os indicadores com duas horas de antecedência ao Ministério do Planejamento e este às outras autoridades, com o resultado das pesquisas sobre os indicadores conjunturais. Ou seja, no máximo, dá para se preparar para contestar ou comemorar a pesquisa de conjuntura. Poucos países no mundo têm esses processos de transparência. Funciona como a Polícia Federal, não dar explicação ou satisfação de seu trabalho técnico ao ministro.

Essa explicação é importante para entender porque nos últimos dias, o Governo publicamente se diz tão “chocado” com o erro do IBGE na Pnad Continua. Porque na quinta-feira a equipe do Planejamento só teve duas horas para construir uma defesa dos indicadores que apontavam e que constrangiam a administração Dilma Rousseff.

Peguemos o caso do índice de GINI do trabalho, que mede a distribuição de rendimentos do trabalho. A taxa corrigida ficou em 0,495 em vez de 0,498, Como quanto mais perto de 1, maior é a desigualdade, o governo teve que inventar uma desculpa e explicar o péssimo desempenho. Na verdade, ficou uma merreca. Pois, em 2012 o índice foi 0,496. Mas, 0,495 é melhor que 0,498.

Outro erro: o de estimativa de alta da renda do trabalho. Na quinta-feira foi divulgado um aumento de 5,7% que quer dizer que a concentração de renda estava aumentando no governo Dilma. O percentual, que agora caiu para 3,8%, não é nada extraordinário, mas é melhor do que dizer que estava havendo reconcentração de renda, um dos pilares do discurso dos Governos de Lula e de Dilma.

E tem ainda o caso do aumento de renda que não aconteceu. O IBGE disse que o rendimento do trabalho subiu 5,7%. Estava errado. Foi de penas 3,8%. No bolso do trabalhador, isso quer dizer que, na média, sua renda só subiu R$ 30,00 (de R$ 1.1651, para R$ 1.681), mas o governo perdeu um
ponto bom no seu discurso de defesa.

Os outros índices foram menos importantes, mas ruins para o governo que teve que se justificar. A taxa de analfabetismo caiu menos do que o estimado anteriormente. Foi de 8,7% para 8,5% o que é bom para o Governo. Outro índice, o do trabalho infantil também registrou uma queda menor. Passou de -12,3% para -10,6%. Outro ponto que o governo teve que se explicar.

A Pnad é realizada anualmente pelo IBGE e é o maior levantamento socioeconômico feito do país, depois do Censo, que é decenal. A pesquisa investiga as condições do mercado de trabalho, como emprego, renda, desigualdade salarial, de educação, como taxa de analfabetismo e quantas crianças, jovens e adultos estão na escola e as condições dos lares, tanto no acesso a água e saneamento e a posse de bens como televisão, geladeira computador. É uma vitrine para o bem e para o mal do governo.

Então, o quadro pintando obrigou o governo a montar um discurso para um quadro que agora é menos ruim que o revelado na quinta-feira. E isso explica a caça às bruxas da equipe do Governo. Informada com duas horas de antecedência, Dilma precisou destacar que as coisas não estavam tão más. E perdeu uma oportunidade de faturar com algum índice melhor como o Gini, por exemplo. Até porque os números ruins deram força para Aécio e Marina. Na cabeça dos ministros e da campanha, houve sabotagem.

Tem mais: lembra daquela pressão de Humberto Costa(PT-PE), Armando Neto (PTB-PE) e Gleisi Hoffmann (PT-PR), ex-ministra da Casa Civil, preocupados com a precisão das informações da Pnad a respeito da renda domiciliar per capita para as unidades da Federação, poderia interferir base para o rateio do Fundo de Participação dos Estados (FPE)?

Foi preciso uma negociação de um mês para a presidente do instituto, Wasmália Bivar, fechar com a casa (que fez greve e pediu demissão) e o Governo, um acordo e manter a divulgação. Manteve o calendário, mas Dilma não gostou de ter que explicar um problema de um órgão subordinando com calendário próprio de ação. Ficou o alerta.

Isso explica a sede dos ministros do Governo em punir alguém do IBGE e que pode sobrar para a presidente Wasmália Bivar. Foi um erro grave? Foi.

É ruim para o Governo? É pior para o IBGE que tem um nome a zelar. Mas, o Governo quer sangue. E vai ficar nessa linha de dizer que é inadmissível
e vai por aí.

Estão, é preciso ir com calma. O IBGE tem tanta seriedade que identificou o erro em menos de 24 horas e foi à público botar a cara para a pancada. Ninguém perdeu dinheiro, deixou de fazer um estudo mais preciso ou provocou um ato de Governo que causou prejuízo ao cidadão.

A queixa dos ministros é que o quadro ruim foi pintado com tintas mais escuras para a gestão Dilma Rousseff. Levou a estresse de explicações que poderia ser menor e isso num período de campanha, politicamente, é muito chato. Portanto, entre o “piti” do Governo e a história do IBGE, é melhor ficar com os servidores. Até porque eles é quem tem o nome a zelar.

Página 1 de 9.39112345...102030...Última »