desastre aéreo

Em nota, PSB afirma que estava alheio às negociações de avião que levava Campos

Publicado em 02/09/2014 às 0:03 por em Notícias
Acidente aéreo que vitimou o candidato à Presidência da República. Foto: AFP

Área em que aconteceu o acidente que vitimou o candidato à Presidência da República Eduardo Campos. Foto: AFP

Em meio às especulações sobre a aquisição do avião Cessna Citation, que levava o ex-governador Eduardo Campos e outros seis assessores e caiu em Santos, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) enviou uma nota com alguns esclarecimentos sobre a aeronave.

Segundo o texto, assinado pelo presidente do partido, Roberto Amaral, o uso do avião foi autorizado por João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho e Apolo Santana Vieira, dos grupos empresariais BR-Par Participação Ltda. e Bandeirantes Cia. Pneus Ltda. de Pernambuco. A negociação foi feita entre os dois e a empresa AF Andrade, de Ribeirão Preto.

O presidente do partido afirmou ainda que a utilização da aeronave está sendo incluída na prestação de contas de Eduardo Campos ao Tribunal Regional Eleitoral.

Leia a íntegra da nota:

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) vem a público prestar os seguintes esclarecimentos a respeito do acidente ocorrido em 13/08/14, com a aeronave prefixo PP-AFA, que vitimou o seu presidente e então candidato à Presidência da República, Eduardo Henrique Aciolly Campos.

- O uso da aeronave foi autorizado pelos Srs. João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho e Apolo Santana Vieira, dos grupos empresariais BR-Par Participação Ltda. e Bandeirantes Cia. Pneus Ltda. de Pernambuco;

- Apurou-se que tais empresários haviam negociado o mencionado avião com a empresa AF Andrade, de Ribeirão Preto, que era sua arrendatária junto à Cessna Finance;

- A transferência de leasing ao Grupo de Pernambuco foi comunicada pela AF Andrade à ANAC, por petição datada de 15 de maio de 2014;

- Referida transferência de leasing, segundo nota à imprensa, não foi ainda concretizada, porque a Cessna Finance não aprovou as garantias oferecidas;

- Como também informou o grupo Andrade à ANAC, os empresários pernambucanos pagaram, no dia 08 de maio, oito parcelas do leasing da aeronave.

O Partido Socialista Brasileiro presta esses esclarecimentos para deixar patente que esteve alheio às negociações efetuadas entre os empresários de Pernambuco e a empresa AF de Ribeirão Preto.

Cumpre ainda esclarecer que a utilização da aeronave está sendo incluída na prestação de contas de Eduardo Campos ao Tribunal Regional Eleitoral.

Roberto Amaral
Presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB)

turbulências à vista

Ex-funcionário de usina, em Tiúma, periferia de São Lourenço, é o dono da empresa que pagava custos do avião de Eduardo Campos

Publicado em 01/09/2014 às 23:24 por em Notícias

Por Jamildo Melo, editor do Blog

Logo depois que o avião de Eduardo Campos caiu em Santos, no litoral de São Paulo, a imprensa nacional tentou localizar os donos da empresa Lopes e Galvão Ltda, que pagou à Líder Táxi Aéreo todas as despesas de apoio em solo do jato usado por Eduardo Campos no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, na véspera do acidente.

O serviço foi executado pouco antes da decolagem do jatinho Cessna prefixo PR-AFA, que caiu em Santos matando Campos e outras seis pessoas de sua campanha. O atendimento aeroportuário prestado pela Líder incluiu o oferecimento de uma sala vip, embarque dos passageiros, bagagem e transporte terrestre dentro do aeroporto.

A empresa inicialmente havia fornecido como sede o endereço de uma escola, em Campinas (SP). No endereço apresentado pela Lopes e Galvão funciona uma escola de educação infantil. Marília Priscila Galvão, sócia-fundadora da escola, disse aos jornais nacionais que o primeiro nome do estabelecimento, fundado em 1991, foi de fato Lopes e Galvão Ltda. Marília se disse surpresa de ver o nome Lopes e Galvão envolvido com pagamento de despesas de avião. Perguntada se tem algum vínculo com a AF Andrade, a operadora do avião no qual viajava Campos, Marília negou. Marília recorreu a seu contador para chegar à conclusão de que o nome da empresa pode ter sido usado indevidamente por terceiros.

Na época, a Líder Táxi Aéreo confirmou aos jornais nacionais que fez o apoio de solo no Santos Dumont, mas se recusou a informar quem arcou com os custos, alegando se tratar de assunto confidencial celebrado em contrato.

Teoricamente, quem deveria arcar com os custos e serviços deveria ser a AF Andrade Empreendimentos e Participações Ltda, que arrendou a aeronave. Oficialmente, o avião pertencia à Cessna Finance Export Corporation e era operada pela empresa privada AF Andrade Empreendimentos e Participações Ltda, por meio de arrendamento operacional (leasing), como consta no Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) da Agência Nacional de Avião Civil (Anac). Na prática, o avião era utilizado por três empresários pernambucanos, que teriam emprestado o avião para a campanha do PSB.

Empresa de serviços gerais

Na verdade, a empresa Lopes e Galvão, que se dedica a serviços gerais, não tem registro na Junta Comercial de Pernambuco (Jucepe) – apenas no cartório de São Lourenço da Mata -, e funciona na casa simples do dono, na periferia da cidade da Copa, em Tiúma.

O dono da Lopes & Galvão, que chegou a trabalhar na Usina Tiúma, conhece e já prestou serviço para Apolo Santana Vieira, dono da Bandeirantes Pneus, que assumiu em nota oficial ter tentado comprar a aeronave, antes do acidente. Junto com o empresário João Carlos Lyra Pessoa de Melo Júnior e outro empresário, Eduardo Freyre Bezerra Leite, conhecido como Eduardo Ventola.

Seria um novo laranja?

O empresário diz que não tem nada a ver com empresas fantasmas.

Tags: avião fantasma, Morte de Eduardo Campos, psb,
eleições presidenciais 2014

Na TV, Aécio fica ofuscado em debate com presidenciáveis

Publicado em 01/09/2014 às 21:50 por em Eleições, Notícias
Terceiro colocado nas pesquisas, Aécio foi escanteado no debate. Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

Terceiro colocado nas pesquisas, Aécio foi escanteado no debate. Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

Terceiro colocado na disputa eleitoral rumo à Presidência da República, o senador Aécio Neves (PSDB) ficou ofuscado no debate desta segunda-feira (1), promovido pelo jornal Folha de S.Paulo, pelo portal UOL, pelo SBT e pela rádio Jovem Pan. Somente os candidatos nanicos Levy Fidelix (PRTB) e Luciana Genro (PSOL) dirigiriam perguntas ao tucano.

Aécio fez uma referência explícita a Marina somente nas suas considerações finais, quando disse que ela “não consegue superar as contradições em seu projeto” de poder.

O debate desta tarde demonstra o posicionamento que serão adotados nas campanhas presidenciais. Com o crescimento de Marina Silva nas pesquisas, a ofensiva estará voltada para a ex-ministra. Dilma e Marina, na mais recente pesquisa Datafolha, aparecem empatadas na liderança da disputa presidencial, com 34% das intenções de voto. Aécio está com 15% das intenções de voto.

No início, o candidato do PSDB, Aécio Neves, tentou polarizar com a presidente, também mirando a gestão da economia, mas ficou em segundo plano.

eleições presidenciais 2014

Polarização entre Dilma e Marina marca debate do SBT

Publicado em 01/09/2014 às 19:54 por em Eleições, Notícias
Debate entre candidatas ficou polarizado. Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

Debate entre candidatas ficou polarizado. Foto: NELSON ALMEIDA / AFP

Com o novo cenário eleitoral que se formou depois do ingresso da candidata Marina Silva (PSB/Rede) na disputa presidencial, o debate desta segunda-feira (1º) entre os presidenciáveis buscou ser democrático e priorizar a fala dos sete participantes, porém, o embate ficou polarizado entre as candidatas Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB). As duas estão empatadas, com 34% das intenções de voto cada, segundo a pesquisa Datafolha.

Dilma abriu o primeiro bloco do debate questionando Marina Silva sobre a viabilidade para cumprir as promessas de campanha. A petista lista uma série de valores investidos pelo seu governo na área de educação, saúde e transporte público. Marina rebateu logo na primeira frase afirmando que não se tratavam de promessas, mas compromissos.

A candidata usou o tempo para disparar críticas contra a gestão atual. “Hoje temos um desperdício muito grande nos gastos públicos. O que vamos fazer para conseguir os recursos é fazer com que o orçamento seja acrescido com o incremento da receita com o orçamento inteligente. Quando é dinheiro para banqueiro ninguém questiona de onde vem o dinheiro. O que nós vamos fazer são as escolhas corretas”, rebateu Marina. “O que vamos fazer são as escolhas corretas”, afirmou.

Dilma questionou Marina citando seu próprio exemplo à frente do governo federal e elencando as dificuldades para obter investimentos. Os investimentos no pré-sal também entraram na discussão das adversárias, quando Dilma afirmou que a adversária estaria desconsiderando a exploração do pré-sal.

“O dinheiro do pré-sal já está assegurado e nós vamos fazer bom uso do dinheiro. Vamos antecipar a meta com investimento na educação em tempo integral. O pré-sal deve ser explorado. A ideia cartesiana de governo só enxerga uma alternativa, nós vamos pensar em vários meios, com busca de novas fontes de renda e energia”, defendeu Marina. 

O confronto entre as duas candidatas tem razão de ser. Segundo o Datafolha, Marina Silva abriu dez pontos de vantagem sobre Dilma Rousseff. Por isso, a reação da petista. O embate entre as duas se estendeu ao longo dos blocos.

Na pesquisa anterior, Marina tinha 47%. Agora, tem 50%. Com a margem de erro, tem de 48% a 52%. Dilma tinha 43% e agora está com 40%. Com a margem de erro, tem de 38% a 42%.

reajustes dos magistrados

Humberto Costa diz que aumento de salários dos ministros do STF dificilmente será aprovado

Publicado em 01/09/2014 às 18:39 por em Notícias

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), convocou os 12 parlamentares da bancada do partido para participar do esforço concentrado que será realizado nesta semana no Congresso Nacional. Humberto desembarcou na tarde desta segunda-feira (1º) em Brasília para articular a posição da bancada sobre as reuniões das comissões e das sessões deliberativas da Casa, previstas para terem início na manhã desta terça-feira. Ao todo, os parlamentares poderão analisar 21 propostas e 13 requerimentos no esforço da semana.

Entre os itens da pauta, está a que prevê o aumento dos salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) dos atuais R$ 29,4 mil – teto do funcionalismo público brasileiro – para R$ 35,9 mil.

O reajuste foi aprovado pelos próprios magistrados na última quinta-feira e encaminhado ao Legislativo por meio de projeto de lei. A matéria tem de ser aprovada por deputados e senadores para ser incluída na peça orçamentária de 2015.

De acordo com o STF, o impacto no âmbito do Judiciário será de R$ 646 milhões ao ano, devido ao efeito cascata, já que o salário dos ministros é base de subsídios de ministros de outros tribunais superiores, desembargadores e juízes, além de membros de tribunais de contas.

Humberto Costa avalia que o projeto será discutido, mas dificilmente será aprovado neste momento, pois é “extremamente polêmico”.

“Em um momento em que o próprio Poder Judiciário, o STF, apresenta uma proposição ao Congresso Nacional de aumento do seu teto, é difícil que avancemos em qualquer pauta no Legislativo que não inclua a discussão sobre esse reajuste”, explicou.

O primeiro item previsto na pauta é o Projeto de Lei de Conversão nº 14/2014. Ele estabelece aumento dos percentuais de biodiesel e etanol misturados, respectivamente, ao óleo diesel e à gasolina.

Há ainda a proposta que prevê a aposentadoria especial aos servidores públicos com deficiência, a PEC dos magistrados – que restabelece o Adicional por Tempo de Serviço (ATS) para a categoria –, o projeto que obriga entidades a terem pessoal capacitado para reconhecer e reportar casos de maus-tratos em crianças e adolescentes e o que inclui os agentes de trânsito entre os beneficiários do Bolsa Formação.

Além da sessão no plenário, estão previstas reuniões das comissões permanentes, como a CCJ e CAS, da CPI e da CPMI da Petrobras e a reunião de instalação da CPMI do Metrô. Em agosto, quando o Senado realizou o mais recente esforço concentrado, os parlamentares votaram 16 proposições em dois dias.

eleições 2014

Marina Silva tem biografia nas livrarias de todo Brasil desde 2010

Publicado em 01/09/2014 às 18:05 por em Notícias

Um publicação da Editora Mundo Cristão aborda, desde 2010, a história de vida da candidata à Presidência do Brasil Marina Silva.

A autora é a jornalista Marília de Camargo César, que tem passagens pela TV Globo, principais jornais de economia do Brasil e Il Sole-24 Ore – maior jornal de economia e negócios da Itália. A jornalista colabora atualmente com o Valor Econômico. É casada, tem duas filhas e mora em São Paulo.

Marina – A vida por uma causa é a biografia da mulher que desafiou todas as adversidades da infância e hoje figura entre os nomes públicos mais representativos do mundo. Segundo a autora, este livro é um exemplo de superação e esclarecimento quanto a vida de uma das mulheres mais importantes do Brasil.

A história da atual candidata a presidência do Brasil revela onde e como foi forjado o espírito de Marina, em lideranças políticas.

A obra começou a ser escrita quando a candidata ainda era ministra do Meio Ambiente. A obra retrata a vida no seringal bagaço do Acre, onde ela cresceu na companhia de seus pais e mais 11 irmãos. A família dependia totalmente da plantação de borracha, vivendo praticamente em regime escravo.

Há um prefácio de Fernando Meirelles, que ajuda a entender o temor dos lulistas com a imagem da acriana. Trata-se de um mito maior do que Lula, tão incensado quanto Lula, mas com repercussão pelo mundo..

Muito jovem, além das lutas políticas, Marina travou uma batalha pessoal para manter-se viva e ter uma vida saudável. Ela foi vítima de hepatite, leishmaniose e contaminação com mercúrio. Chegou a trabalhar como empregada doméstica, alfabetizou-se e depois disso nunca mais parou. O segundo passo foi se formar em História.

Defensora ardorosa em prol da negociação, da não violência e soluções inovadoras, teve como inspiração a teologia da libertação e as ideias do ambientalista Chico Mendes (assassinado por fazendeiros de gado em 1988). Foi nesse período, que ela encontrou na fé evangélica respostas que a levaram a uma profunda transformação de vida.

Aos 50 anos, como ministra do Meio Ambiente, Marina Silva recebeu o maior prêmio da ONU na área ambiental, o Champions of the Earth. Ganhadora do prêmio internacional norueguês Sophie, em 2009, ela é reconhecida internacionalmente por inspirar pessoas a trabalhar para um futuro sustentável. Durante o período em que foi ministra do Meio Ambiente no Brasil (2003-2008) houve uma redução considerável de 60%, no desmatamento da floresta amazônica.

Na obra, o público conhecerá os diversos acontecimentos que marcaram a trajetória da candidata à presidente do Brasil agora em 2014: os anos como uma jovem analfabeta nos seringais do Acre, sua vivência num convento, o sonho acadêmico e sua militância política, os ideais e projetos que a fizeram galgar, quando Ministra do Meio ambiente, uma redução de 60% no desmatamento da floresta amazônica para níveis historicamente baixos.

cadeias produtivas

Em almoço com empresários, Paulo Câmara diz que será ponte com Marina em Brasília

Publicado em 01/09/2014 às 18:02 por em Notícias

Nesta segunda, o candidato do PSB teve um almoço com representantes do Sindicombustíveis e o socialista se comprometeu a estabelecer diálogo aberto com o segmento.

Paulo Câmara (PSB) disse que pretende estabelecer parcerias cada vez mais fortes com os diversos segmentos que ajudam a constituir o PIB estadual.

“Sem parcerias é difícil para qualquer governo ter bons resultados. Nosso governo será um ator que ajudará vocês a construir ainda mais”, afirmou Paulo Câmara, frisando a importância do setor que, atualmente, representa 19,5% da arrecadação estadual. “Temos o compromisso de fortalecer os arranjos produtivos. E com vocês não será diferente”, completou.

O presidente do Sindicombustíveis, Alfredo Pinheiro, aproveitou a oportunidade para entregar um documento com sugestões do setor. O dirigente, na sequência, destacou a disposição de Paulo em sentar à mesa com a categoria.

“Tenho certeza de que fizemos um novo amigo aqui. Vai dialogar muito”, disse.

Paulo Câmara também fez questão de ressaltar que vai atuar como interlocutor do setor junto ao Governo Federal.

“Com a futura presidente Marina Silva (PSB), Pernambuco terá um papel importante. Marina vai dar continuidade aos sonhos do ex-governador Eduardo Campos e terá um olhar diferenciado para o nosso Estado. Lutarei para que o Governo Federal reverta essa política perversa com o setor”, pontuou.

alfinetou

Paulo Câmara rebate Armando e promete combater quem não gosta de pagar imposto

Publicado em 01/09/2014 às 17:56 por em Eleições, Notícias
Foto: BlogImagem

Foto: BlogImagem

Durante a sabatina promovida pela rádio JC News na tarde desta segunda-feira (1º), o ex-secretário da Fazenda Paulo Câmara (PSB), candidato ao Governo de Pernambuco, rebateu a crítica do senador Armando Monteiro Neto (PTB) que, em Santa Cruz do Capibaribe, disse que não foi até o município para cobrar imposto.

“Ele se preocupa muito sem conhecer esse assunto. Ele não conhece a máquina pública, por isso passa uma imagem falsa”, afirmou.

“Não vamos sacrificar nenhuma categoria. Quem não gosta de pagar imposto, esse aí a gente vai ter que combater”, disse, alfinetando o adversário.

Paulo Câmara evitou confirmar, porém, se estava sugerindo que o adversário defendia a sonegação fiscal.

Câmara ainda defendeu o Estado e prometeu melhorar a arrecadação, sem aumentar imposto.

“O governo do que eu participei desde o início não apresentou nenhum projeto aumentando ICMS, IPI, nenhum imposto”, garantiu.

Tags: Armando Monteiro, Eleições, Eleições 2014, Paulo Câmara, psb, PTB,
viajou no jatinho

Paulo Câmara defende benefício fiscal para empresa que tentou comprar avião que levava Eduardo Campos

Publicado em 01/09/2014 às 17:28 por em Notícias
Foto: BlogImagem

Foto: BlogImagem

Ex-secretário da Fazenda, o candidato do PSB ao Governo de Pernambuco, Paulo Câmara, defendeu na tarde desta segunda-feira (1º), durante sabatina na Rádio JC News, a concessão de benefício fiscal pelo Estado para a empresa Bandeirantes Pneus, que seria uma a comprar o avião que levava o ex-governador Eduardo Campos durante a campanha presidencial e que caiu no dia 13 de agosto matando o presidenciável e outras seis pessoas. Em 2011, Eduardo renovou a concessão de benefício para a empresa.

Como secretário da Fazenda, Paulo Câmara assinou o decreto. A cobrança veio por parte do deputado federal Paulo Rubem (PDT), vice do senador Armando Monteiro Neto (PTB) na disputa para governador. O socialista defendeu o benefício ao lembrar que ele é concedido por um colegiado, de forma transparente.

“A Fiepe, que foi presidida pelo nosso adversário, faz parte deste colegiado”, lembrou. Hoje, a Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe) é presidida pelo deputado federal Jorge Côrte Real (PTB), que faz parte da chapa de Armando.

LEIA TAMBÉM:
>> Vice de Armando diz que Paulo Câmara precisa explicar relações com empresa envolvida na compra do avião de Eduardo
>> Não dependemos só de recursos federais, garante Paulo Câmara na JC News
>> Mesmo de forma indireta, Paulo Câmara critica farra com emendas parlamentares

A compra do avião vem sendo investigada por suspeitas de irregularidade. A informação de que os empresários João Carlos Lyra de Melo Filho e Apolo Santana Vieira teriam comprado a aeronave, segundo alega a AF Andrade, empresa de São Paulo que consta como dona do jatinho junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Nesta segunda, a Folha de S. Paulo mostrou que o nome do comprador não aparece no contrato. Existe suspeita tanto de que o pagamento teria sido feito por meio de caixa dois, quanto que a compra não teria se concretizado; sendo só uma forma de burlar o aluguel irregular da aeronave.

“O que os pernambucanos precisam saber é as causas da queda”, defendeu Paulo Câmara. “Todo pernambucano quer saber o que ocorreu. A caixa preta não funciona”, disse o candidato, que garantiu não estar sugerindo que teria ocorrido uma sabotagem no avião.

Paulo Câmara também confirmou que chegou a viajar no avião no retorno de uma agenda de campanha ao lado de Eduardo em Serra Talhada, no Sertão, em direção ao Recife. A viagem ocorreu em julho.

Em nota divulgada no dia 21, a Bandeirantes confirmou o interesse na compra do jatinho, mas afirmou que ela não foi efetivada porque não foi aprovada pela empresa de fabricação do avião.

Leia a nota abaixo:

“A Bandeirantes Companhia de Pneus S.A. teve interesse na aquisição da aeronave PR-AFA, de propriedade da Cessna Finance Corporation, arrendado pela A.F. Andrade. A operação não se realizou porque estava condicionada à aprovação pela Cessna do cadastro da Bandeirantes, o que não ocorreu até a data do lamentável acidente com o avião.

Bandeirantes Companhia de Pneus S.A.”

LEIA TAMBÉM:
>> Em Pernambuco, empresa de importação de Pneus diz que ia comprar avião da Cessna, mas cadastro nao foi aprovado
>> Contrato do jatinho que levava Eduardo Campos não tem nome do comprador
>> Em nota, PSB diz que empresários pernambucanos emprestaram jato para Eduardo Campos fazer campanha
>> Eduardo Campos usou outro jatinho de empresário pernambucano

Página 1 de 9.33212345...102030...Última »