contas públicas

Em ano de campanha, Pernambuco pleitea empréstimo de 1,2 bilhão de reais com governo federal

Publicado em 01/08/2014 às 2:46 por em Eleições, Notícias
Parte do empréstimo será para construção de habitacionais do Minha Casa Minha Vida. Foto: divulgação

Parte do empréstimo será para construção de habitacionais do Minha Casa Minha Vida. Foto: divulgação

Deixando de lado as diferenças políticas, o governo do Estado está negociando com a União a liberação de um empréstimo estimado em R$ 1,2 bilhões para investir em áreas como transporte público e habitação. Com as contas públicas superavitárias e o balanço semestral com “caixa” de R$ 588 milhões, Pernambuco se mostra apto para receber o aporte financeiro. O governo de Pernambuco já teve quatro reuniões com o governo federal para viabilizar a liberação do dinheiro. O governador de Pernambuco, João Lyra, inclusive já foi pessoalmente a Brasília para tentar apressar o repasse.

Quando liberado, o recurso deve ser empregado em obras de saneamento básico, revitalização de canais e infraestrutura para a implantação dos Parques de Fármacos e Biociências e Metal Mecânica de Pernambuco, na Zona da Mata Norte.

Parte do empréstimo também deverá ser investido na área da educação, com implantação de laboratórios e infraestrutrua para incubação e aceleração de empresas. Outro aporte também deve alcançar a Defensoria Pública de Pernambuco, que ganhará reforço. A meta é realizar uma reforma e o aparelhamento do órgão.

No empréstimo também está previsto o financiamento para obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do Programa Minha Casa Minha Vida. A intenção é construir mais conjuntos habitacionais no Grande Recife e no interior de Pernambuco.

Segundo o secretário da Fazenda, Décio Padilha, a situação financeira de Pernambuco deixa o Estado em posição confortável para contrair o novo empréstimo.

O secretário afirmou que o Estado vai investir R$ 3,74 bilhões este ano, o que significa R$ 400 milhões a mais do que os investimentos feitos pelo governo estadual em 2013. No ano passado, os Estados que investiram mais do que Pernambuco foram São Paulo (R$ 12,2 bilhões), Rio de Janeiro (R$ 6,9 bilhões) e Minas Gerais (R$ 4,76 bilhões).

Veja algumas áreas que receberão investimento.

Veja algumas áreas que receberão investimento.

Tags: contas públicas, Dilma Rousseff, Eduardo Campos, Governo Federal, João Lyra, PAC, união,
contas públicas

Secretário da Fazenda reclama de queda nos repasses federais. Coincidentemente após rompimento de Eduardo e Dilma

Publicado em 31/07/2014 às 21:16 por em Eleições, Notícias
Secretário Décio Padilha faz críticas indiretas ao governo federal. Foto: Helia Scheppa/JC Imagem

Secretário Décio Padilha (foto) faz críticas ao governo federal. Foto: Helia Scheppa/JC Imagem

Sem querer politizar a abertura das contas públicas do Estado, o secretário da Fazenda, Décio Padilha, apontou para a redução quase pela metade dos repasses federais para Pernambuco. A observação foi feita enquanto ele apresentava o balanço orçamentário. Numa comparação entre os primeiros seis meses de 2013 e 2014, houve uma queda de 49,8% dos recursos destinados ao Estado. A transferência de capital da União para Pernambuco girou em torno de R$ 534,9 bilhões no ano passado. Já nos seis primeiros meses deste ano a arrecadação foi de R$ 268, 7 bilhões. Decréscimo de R$ 266, 2 bi.

Coincidência ou não, como pontuou o secretário, o enxugamento dos recursos aconteceu justamente no período em que o ex-governador Eduardo Campos (PSB) começou a dar indicativos que iria romper a aliança com o governo Dilma Rousseff (PT). O PSB rompeu a aliança com o governo federal em setembro, quando entregou os cargos e assumiu uma postura “independente”.

Segundo Padilha, o que garantiu a estabilidade nas contas de Pernambuco foi a arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que teve variação positiva de 9,7% entre 2013 e 2014. Em números absolutos, a receita dos primeiros seis meses de 2013 foi de R$ 5,5 bilhões. Este ano, de janeiro a junho, o valor está em R$ 6 bilhões.

“A transferência de capital está caindo. O governo federal está transferindo menos, sim”, criticou o secretário, afirmando que o ICMS do Estado é vitorioso e cresce acima da inflação.

Questionado se a postura do governo federal teria motivação política, o secretário afirmou que preferia não comentar o que causou a redução.

“Se não fosse o ICMS não teríamos nem conseguido pagar a conta de luz [da sala] e não poderíamos fazer essa reportagem”, comentou Padilha, exemplificando a precariedade em que o Estado estaria se dependesse exclusivamente dos repasses federais.

Tags: Décio Padilha, Dilma Rousseff, Eduardo Campos, icms, secretaria da fazenda,
água suja e água limpa

Socialistas dizem que Armando e Eduardo são águas de cacimbas diferentes

Publicado em 31/07/2014 às 20:13 por em Notícias

Os socialistas não estão engolindo os elogios de Armando Monteiro Neto ao ex-governador Eduardo Campos, nos comícios que faz em todo o Estado.

“Quando o guia chegar, vamos mostrar que Eduardo Campos é água de outra cacimba”, pontuam, usando uma frase emblemática do velho Miguel Arraes. “Armando é uma figura retrógrada e conservadora”

Por cálculo, o petebista evita criticar publicamente Eduardo Campos porque ele é bem avaliado em Pernambuco e, caso o fizesse, poderia estar contratando uma elevação da rejeição pelos eleitores pernambucano.

catraca livre

Para aliados, greve dos rodoviários prejudicou crescimento de Paulo Câmara na RMR na pesquisa do Ibope

Publicado em 31/07/2014 às 19:43 por em Notícias
Paralisação dos rodoviários no Grande Recife segue por tempo indeterminado, diz sindicato. Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Paralisação dos rodoviários no Grande Recife segue por tempo indeterminado, diz sindicato. Foto: Diego Nigro/JC Imagem

O dado que mais chama a atenção na pesquisa do Ibope, divulgado nesta quarta-feira, no Recife, foi a elevada taxa de rejeição do candidato do PSB, Paulo Câmara, com 20%. No mesmo quesito, o rival Armando Monteiro Neto tinha 14%.

A situação é interessante justamente porque a escolha do socialista pelo PSB se deu por ser desconhecido, portanto, um candidato que teria uma rejeição bastante reduzida.

Os aliados de Paulo Câmara trabalham com a informação de que a greve dos ônibus, além de elevar a rejeição ao seu nome, prejudicou o crescimento de Paulo Câmara na Região Metropolitana do Recife, na mais recente pesquisa do Ibope. Como candidato do governo, o ônus pela greve acaba caindo nas costas de Paulo Câmara.

“Com o transporte parado, com um mal-estar generalizado, não há como não arrebentar com o humor do eleitor. Nestas condições, o grau de confiabilidade da pesquisa é baixo”, afirma um socialista, em reserva.

Há poucas semanas, de acordo com os levantamentos internos, a rejeição dos dois era igual. Neste cenário, Armando Monteiro já estaria abaixo dos 40%, enquanto Paulo Câmara oscilava em torno dos 15%. Mais aí veio a greve dos motoristas nesta semana.

“Para nós, a pesquisa está micada. Não tem valor, chega a ser um escândalo. Com a cidade sofrendo com uma greve de transporte, como não dava para substituir o campo de pesquisa, o correto seria adiar, para evitar o desvirtuamento”, criticam os aliados mais radicais.

Os socialistas apostam no guia eleitoral para reverter os números, quando o grau de interesse do eleitor aumenta. Com 70% de desconhecimento, a aposta dos socialistas é de que o jogo deve mudar, em favor de Paulo Câmara.

Embora pouco explorada pela imprensa, os aliados de Paulo Câmara destacam ainda a queda de Armando Monteiro, que perdeu cinco pontos. Na primeira pesquisa do Ibope, ele tinha 48%. agora, tem 43%.

caixa de R$ 588 milhões

Contas do Estado: saúde e educação no alvo dos investimentos

Publicado em 31/07/2014 às 19:41 por em Notícias

Um dia depois de o candidato da oposição Armando Monteiro Neto (PTB) fazer duras críticas às contas públicas do governo Eduardo Campos e João Lyra, o secretário estadual da Fazenda, Décio Padilha, apresentou nesta quinta-feira (31) o relatório de gestão fiscal de Pernambuco relativo aos seis primeiros meses do ano. Saúde e educação figuraram entre as duas áreas que receberam mais investimentos estaduais.

Na área da saúde, houve aporte de R$ 2,2 bilhões, que correspondem a 18,2% a mais do que o orçamento de 2013, quando foi investido R$ 1,8 bilhão. Em educação, a despesa global foi de R$ 1,4 bilhão, que representa o incremento de 24,3%, ano passado foram R$ 1,1 bilhão. As contas do Estado fecharam com superávit de R$ 588 milhões.

Segundo Padilha, os gastos em educação são relativos essencialmente ao investimento nas escolas integrais, na compra de tablets, em escolas técnicas e na manutenção das unidades educacionais. Na saúde, a abertura de novos hospitais, das Unidades de ProntoAtendimento e das UPAEs correspondem a grande parte do orçamento.

“A escola integral duplica o custeio em relação a uma regular”, exemplificou. “A saúde e a educação equivalem a aproximadamente o custeio total do Estado”, disse o secretário.

O secretário da Fazenda destacou que o investimento mínimo previsto pela constituição federal para educação é de 25% e Pernambuco aplicou 28%. Na saúde, o mínimo é 12% e Recife investiu entre 15 e 16%.

DÍVIDA PÚBLICA – De acordo com o balanço da Secretaria da Fazenda, o Estado está com 43% da receita corrente líquida comprometida para o pagamento da dívida pública, referentes a empréstimos contraídos com bancos federais e internacionais para realização de obras no Estado. Em números absolutos, isso representa R$ 7,3 bilhões do erário público para o pagamento da fatura. Apesar de elevado, o número vem decrescendo nos últimos seis anos. De 2006 a 2014, a redução foi de 34%, segundo Padilha.

RESULTADO PRIMÁRIO - No entanto, o resultado primário, valor referente aos recursos que entraram e saíram no cofre do Estado, no primeiro semestre apresentou um saldo negativo de R$ 149,9 milhões.

Décio Padilha explicou que isso aconteceu porque a quantidade investimentos foi maior no primeiro semestre deste ano. No primeiro semestre de 2013, o Estado apresentou um resultado primário de R$ 808 milhões. 

Tags: contas públicas, educação, saúde pública, sefaz,
eleições 2014

Em evento no Gere, Paulo Câmara promete ampliar a criação das cadeias produtivas

Publicado em 31/07/2014 às 19:18 por em Notícias
unnamed

O candidato da Frente Popular ao Governo do Estado, Paulo Câmara (PSB), foi homenageado, nesta quinta-feira (31), durante almoço promovido pelo Grupo de Executivos do Recife (GERE). As contribuições do socialista à administração pública, ao longo de suas passagens pelo comando de três secretarias estaduais (Administração, Turismo e Fazenda), foram exaltadas como marcas do compromisso de Câmara com o desenvolvimento pernambucano.

Em sua palestra aos executivos, Paulo Câmara revelou o seu comprometimento em avançar nas conquistas acumuladas por Pernambuco nos últimos anos. O socialista pontuou que os diversos segmentos da economia do Estado encontrarão na sua futura administração a segurança e o incentivo para os novos negócios, além da consolidação dos existentes.

“Vamos ampliar a criação das cadeias produtivas. Vamos potencializar a refinaria (Abreu e Lima), os estaleiros, a indústria automotiva, a de alimentos, a de bebidas, a farmacoquímica. Vamos dar um dinamismo econômico para que os pequenos e médios negócios sejam inseridos nesses grandes investimentos que estão se consolidando em Pernambuco”, apontou Paulo Câmara.

O socialista destacou que esse tipo de compromisso pode ser assumido pelas condições criadas pelo modelo de gestão adotado pelo ex-governador Eduardo Campos (PSB), a partir de 2007. O mecanismo, que contou com a colaboração direta do candidato da Frente Popular, pavimentou a consolidação de uma série de conquistas econômicas que possibilitaram uma melhoria expressiva na qualidade de vida da população.

“Teremos um Estado mais eficiente, mais desburocratizado e que atenda realmente aos anseios da população”, prometeu, indicando o incentivo à oferta de postos de trabalhos como uma das prioridades de sua gestão. “É possível fazer com que a geração de emprego, que nos últimos sete anos atingiu a marca extraordinária de 560 mil novos postos de trabalho, continue crescendo em todo o nosso Estado. Em todas as nossas regiões”, afirmou.

eleições 2014

Pesquisa Ibope em PE mostra empate técnico entre Dilma e Eduardo Campos

Publicado em 31/07/2014 às 18:30 por em Notícias
Foto: AFP

Deu no G1 PE

Pesquisa Ibope divulgada na quarta-feira (30) com eleitores de Pernambuco mostra que Dilma Rousseff (PT) e Eduardo Campos (PSB) estão empatados tecnicamente nas intenções de voto para presidente da República. A petista aparece com 41%, enquanto o ex-governador tem 37%. Considerando a margem de erro de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos, Dilma varia entre 38% e 44%; já Campos pode ir de 34% a 40%.

Na sequência, estão Aécio Neves (PSDB), com 6%, e Pastor Everaldo (PSC), com 1%.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo.

Confira abaixo os números do Ibope, segundo a pesquisa estimulada, em que os nomes de todos os candidatos são apresentados ao eleitor:
Dilma Rousseff (PT): 41%
Eduardo Campos (PSB): 37%
Aécio Neves (PSDB): 6%
Pastor Everaldo (PSC): 1%
Brancos e nulos: 9%
Indecisos: 6%

Os candidatos Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Luciana Genro (PSOL), Mauro Iasi (PCB), Rui Costa Pimenta (PCO), Zé Maria (PSTU) e Eduardo Jorge (PV) não atingiram 1% das intenções. A pesquisa foi realizada entre os dias 26 e 28 de julho. Foram entrevistados 1.204 eleitores em 57 municípios do estado. O nível de confiança é de 95%. O que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de 3 pontos para mais ou para menos, a probabilidade do resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) sob o número 00012/2014, e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 00269/2014.

Aprovação do Governo Dilma

A pesquisa também mediu como o eleitor pernambucano classifica a administração da presidente Dilma Rousseff até o momento. Veja os números:
Regular: 34%
Boa: 28%
Péssima: 17%
Ótima: 10%
Ruim: 8%
Não sabe ou não respondeu: 1%

O Ibope pesquisou, ainda, a opinião do eleitor pernambucano sobre como a presidente Dilma está governando o país. Veja os números:

Aprova: 57%
Desaprova: 39%
Não souberam ou não responderam: 4%

impostos na roda

Armando Monteiro Neto joga beneficiários do Simples Nacional contra Paulo Câmara

Publicado em 31/07/2014 às 18:13 por em Notícias

Não bastou chamar de Paulo imposto.

De forma dissimulada, sem citar diretamente o rival na disputa pelo Palácio do Campos das Princesas, Paulo Câmara, o senador Armando Monteiro Neto, do PTB, além de criticar as contas públicas do Estado, lembrou negativamente a passagem do ex-secretário da Fazenda de forma negativa, ao fazer uma análise sobre os desafios de Pernambuco, no jantar-debate do Lide-Pernambuco.

“A substituição tributária (na gestão Paulo Câmara) anulou o Simples Nacional”, bradou, jogando os micro e pequenos empresários contra o postulante da situação.

Afiado na retórica, em um ambiente em que domina, Armando Monteiro Neto já começou seu discurso com indiretas. “Alguns querem vender essa ideia, mas não existe uma pauta das empresas e uma pauta do País. É coisa de quem não entende o papel do setor empresarial. Eu tenho honra de ser empresário”, defendeu. A fala pode ser interpretada como uma resposta a campanha socialista de Paulo Câmara que, em eventos, tem dito que não se governa para uma parcela da população e sim para todos.

“Na vida real, não há essa dicotomia. Tentam vender uma visão enviesada. O que favorece as empresas não ajuda os trabalhadores. É uma visão maniqueísta. Não tem essa história de que ou serve a um lado ou ao outro lado”

rumo do vento

Contra discurso das raposas de Eduardo, PT e PTB apostam em discurso das ovelhas que se rebelam contra arrogância

Publicado em 31/07/2014 às 17:17 por em Notícias
dois

Foto: divulgação

Contra discurso das raposas de Eduardo, PT e PTB apostam em discurso das ovelhas que se rebelam contra arrogância.

Os socialistas, especialmente Eduardo Campos, conseguiram cravar o mote das raposas que ainda atuam na política mas que precisam ser aposentadas, para o bem da própria política.

No Estado, os petistas e os petebistas parecem ter encontrado um mote para contrapor o PSB. No reino animal, entra em campo agora a fábula das ovelhas.

A primeira referência neste sentido saiu da boca do senador Humberto Costa (PT), que coordena a campanha da legenda no estado, ao elogiar mais uma vez a vereadora Marília Arraes pela coragem de não apoiar a proposta da Frente Popular, encabeçada pelo presidenciável Eduardo Campos (PSB).

Diante da legião de militantes, o petista disse que as pessoas não merecem ser tratadas como “ovelhas”, que tem de seguir regras impostas por um pastor- uma crítica direta a postura de Campos.  Costa disse que compartilhava do pensamento de Marília Arraes e do também senador Armando Monteiro Neto.

“Estamos diante de um cerco jamais visto na história da república. Pernambuco quer ser um estado livre, onde a população tenha o direito de expressar sua opinião, suas ideias”, pontuou.

Nesta quinta-feira, o deputado federal Silvio Costa, aliado de Armando Monteiro, a guisa de comentar as pesquisas do Ibope, esposou a mesma tese, embora sem falar em ovelhas.

“Eles dizem que vão ganhar a eleição de todo jeito. Eles precisam respeitar o povo de Pernambuco. A eleição vai ser do jeito que o povo quer”

“Se Deus quiser será a vitória da independência contra a arrogância. Da liberdade contra este projeto de ditadura que querem instalar em Pernambuco”.

“Na minha opinião, as pesquisas (Ibope) revelam o espírito altivo do povo de Pernambuco. O senador Armando Monteiro é o primeiro candidato majoritário das últimas eleições quer lidera as pesquisas e tem menor rejeição. Isto com certeza é uma resposta do povo de Pernambuco a um candidato que se especializou em cobrar impostos sacrificando os micro e pequenos empresários de Pernambuco”.

“(Paulo Câmara) é um candidato que foi escolhido para ser controlado e governado. Nós, mais do que nunca, vamos às ruas com humildade. Vamos apressar o passo. O senador vai visitar todo o estado. A marca da nossa campanha é a humildade e respeito às massas”.

Tags: Armando Monteiro, ovelhas, Paulo Câmara, psb, PTB, raposas,
mudança de discurso

Tucano diz agora que foi erro usar a pista do aeroporto de Cláudio (MG) antes de homologação

Publicado em 31/07/2014 às 17:10 por em Notícias

Veja a fala do tucano sobre o uso do Aeroporto.

“A obra foi corretíssima, eu não me furto a responder sobre esse assunto. A obra foi planejada, como milhares de outras obras feitas em Minas Gerais. O que há, na verdade, é uma grande demora da Anac para fazer essas homologações. E foi de forma inadvertida [o uso da pista], não me preocupei efetivamente em saber se havia ou não homologação da pista. Isso é um erro, eu assumo esse erro. O que é essencial é que é uma obra pública feita em benefício de uma comunidade importante e um grande centro industrial para os mineiros”.

Ainda Sobre o aeroporto de Cláudio.

“A obra do aeroporto falo com o maior prazer. Uma obra importante para a região, vai estimular o desenvolvimento de toda aquela região, não apenas a cidade de Cláudio. Assim como as milhares de obras que fizemos foram obras importantes, planejadas. Então, não tenho dúvida de que o tempo mostrará a correção da obra, a transparência com que foi feita. O Ministério Público mostrou isso”.

“O nosso exemplo em Minas Gerais, o nosso governo, é algo para ser seguido em todo Brasil, em absolutamente todos os aspectos. A nossa ação planejada ao lado do nosso governador, futuro senador Antonio Anastasia, é reconhecida pelo Banco Mundial e por outros organismos internacionais como benchmarking, como referência daquilo que deve ser feito na administração pública. Me orgulho muito de tudo que fizemos aqui, e vamos caminhar com muita serenidade e com muita firmeza, dando as explicações sobre quaisquer temas que surjam. É papel do homem público fazer isso, mas com muita serenidade, muita tranquilidade. Estou me preparando para vencer as eleições e governar o Brasil em nome da ética, da decência e da eficiência”.

Página 1 de 9.22912345...102030...Última »