publicidade
09/06/18
Novo estudo revela que, para determinados tipos de tumores em estágio inicial, não é necessário que a mulher passe por quimioterapia após a cirurgia (Foto: JC Imagem)
Novo estudo revela que, para determinados tipos de tumores em estágio inicial, não é necessário que a mulher passe por quimioterapia após a cirurgia (Foto: JC Imagem)

Quimioterapia pode ser abolida nos casos de câncer de mama em fase inicial

09 / jun
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 09/06/2018 às 20:35

Tipo de tumor que mata 13 mil mulheres anualmente no Brasil, o câncer de mama ganhou todas as atenções nesta semana, durante o encontro anual da Sociedade Americana de Oncologia (Asco, sigla em inglês), em Chicago (EUA), com a divulgação de um estudo publicado no New England Journal of Medicine. O achado, que pode mudar a forma de abordagem em relação ao tratamento de pacientes com câncer de mama, traz uma boa notícia: para determinados tipos de tumores em estágio inicial, não é necessário que a mulher passe por quimioterapia após a cirurgia. A indicação dos médicos é que mulheres, a partir de um exame genético, poderão ser tratadas com terapia hormonal, que oferece com menos efeitos colaterais, quando comparada com a quimioterapia.

Leia também:

Pesquisa da Fiocruz PE aponta falhas no cuidado a mulheres com câncer de mama

“O anúncio do TAILORx (nome do estudo divulgado no Asco) traz muitos subsídios para os oncologistas e aumenta o poder de decisão do médico para indicar o melhor tratamento para cada tipo individualizado de paciente”, afirma o oncologista Daniel Gimenes, do Grupo Oncoclínicas em São Paulo. Para ele, a indicação da quimioterapia para o câncer de mama sempre ocorreu por falta de outros recursos terapêuticos.

E esse cenário tende a mudar. “As descobertas terão um impacto imediato na prática clínica, poupando milhares de mulheres dos efeitos colaterais da quimioterapia. O suporte do teste genético, que analisa 21 genes do tumor, fornece uma informação mais precisa sobre a real necessidade do tratamento no pós-operatório. Hoje, mais do que nunca, a medicina de precisão é uma grande aliada das pessoas em tratamento”, comenta.

O oncologista explica que, com base em evidências de vários estudos anteriores, o teste Oncotype DX já é amplamente utilizado para fornecer dados sobre o risco de recorrência do câncer de mama e prever quais pacientes são mais propensas a obter um grande benefício da quimioterapia. “O teste é feito em uma amostra de tecido tumoral. Dependendo da pontuação do exame genético, a indicação de quimioterapia pode ser abolida, sendo substituída pela hormonioterapia”, esclarece Daniel.

Vale frisar que a Sociedade Brasileira de Mastologia já recomenda o uso de testes realizados no Brasil, com o objetivo de selecionar adequadamente pacientes com real benefício em realizar a quimioterapia.​


FECHAR