publicidade
04/03/18
Uma pressão de 12 por 8, em um paciente com algum fator de risco (tabagismo, diabetes, sobrepeso, níveis altos de colesterol e triglicérides), acende um alerta (Foto ilustrativa: Pixabay)
Uma pressão de 12 por 8, em um paciente com algum fator de risco (tabagismo, diabetes, sobrepeso, níveis altos de colesterol e triglicérides), acende um alerta (Foto ilustrativa: Pixabay)

Pressão arterial de 12 por 8? Nem sempre essa taxa é sinal de tranquilidade; entenda

04 / mar
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 04/03/2018 às 20:24

Os limites de segurança da pressão arterial exigem cada vez mais alerta. Sabemos de cor que o recomendado é não ultrapassar a taxa de 12 por 8. Nem sempre esse resultado é sinal de tranquilidade, segundo novas diretrizes da cardiologia, especialmente se a pessoa apresenta problemas que aumentam as chances de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral.

Leia também:

Sem chances para a hipertensão, uma inimiga silenciosa

Obesidade cresce 60% em 10 anos no Brasil e colabora para aumento da prevalência de hipertensão e diabetes

“Uma pressão de 12 por 8, em um paciente com algum fator de risco (tabagismo, diabetes, sobrepeso, níveis altos de colesterol e triglicérides), acende um alerta. É uma pessoa com chance muito maior de se tornar hipertensa, em comparação com quem tem 12 por 8 sem fator de risco”, diz o médico Pedro Salerno, diretor administrativo da Sociedade Pernambucana de Cardiologia.

E mais: estresse entra nessa conta que exige vigilância. Se a rotina está cada vez mais cheia de atribulações, vale refletir sobre a forma com que o estilo de vida pode (ou não) conduzir ao caminho das consequências da pressão alta. É hora de agir para espantar esses fatores de risco, antes que eles nos surpreendam diante do tensiômetro.


FECHAR