publicidade
02/10/17
Entre os sintomas da depressão, estão humor persistentemente triste, desespero, pessimismo, sentimentos de culpa, perda do interesse ou prazer em atividades que eram anteriormente apreciadas, inquietação e irritabilidade (Foto ilustrativa: Pixabay)
Entre os sintomas da depressão, estão humor persistentemente triste, desespero, pessimismo, sentimentos de culpa, perda do interesse ou prazer em atividades que eram anteriormente apreciadas, inquietação e irritabilidade (Foto ilustrativa: Pixabay)

Casos de automutilação em jovens são acompanhados pela Vara da Infância e Juventude de Petrolina

02 / out
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 02/10/2017 às 15:31

A Vara Regional da Infância e Juventude de Petrolina acompanha atualmente 105 ocorrências de adolescentes que apresentam comportamento autodestrutivo (como automutilação e a manifestação de sintomas depressivos) nas escolas públicas da cidade. Os casos estão sendo monitorados pela unidade judiciária.

Em maio, a Vara da Infância e Juventude encaminhou a orientação para profissionais de educação e de saúde sobre os procedimentos a serem adotados em situações que envolvam comportamentos autodestrutivos em crianças e adolescentes. A ação faz parte do Projeto Previne (Prevenção de Violência nas Escolas) e tem o objetivo de minimizar esse tipo de demanda no ambiente escolar.

Leia também: 

Depressão na infância e na adolescência: como lidar? Psiquiatra esclarece dúvidas

“Crianças e adolescentes precisam perceber que têm espaço na vida dos pais”, diz psicóloga

Saúde mental de universitários preocupa professores

Dez sinais de alerta que ajudam na prevenção ao suicídio

Prevenção ao suicídio: como a empatia (ou a arte de entender a dor do outro) pode ajudar a salvar vidas

A Vara da Infância do município encaminhou ainda para as escolas ficha de monitoramento para se identificar rapidamente os casos de vulnerabilidade. Nos meses de outubro e novembro, serão realizadas palestras e oficinas para orientar os pais dos jovens que forem enquadrados nessa situação.

De acordo com a psicóloga do Núcleo Psicossocial, Andrea de Gois Alcântara, as ações contribuem para preservar a integridade física e mental dos jovens. “Eles precisam de atendimento especializado, e os pais e educadores precisam de orientação para identificar os sinais e buscar ajuda profissional”, explica a psicóloga.​


FECHAR