publicidade
08/08/17
Diferença de expressão de hnRNPs pode levar à disfunção nos oligodendrócitos, uma das células da glia, importante para a atividade dos neurônios  (Imagem: Daniel Martins)
Diferença de expressão de hnRNPs pode levar à disfunção nos oligodendrócitos, uma das células da glia, importante para a atividade dos neurônios (Imagem: Daniel Martins)

Estudo associa esquizofrenia a defeito no processamento do RNA mensageiro na célula

08 / ago
Publicado por Malu Silveira em Blog - 08/08/2017 às 15:26

Da Agência Fapesp de notícias

No organismo humano, um único gene pode dar origem a diferentes proteínas de acordo com a necessidade do momento e os estímulos ambientais. Para isso, o RNA mensageiro – molécula que é expressa pelo gene e depois é transcrita como uma proteína – passa por um processo de “edição” (splicing) dentro no núcleo celular. Esse processamento é feito por um complexo proteico conhecido como spliceossoma. Consiste em remover da molécula precursora do RNA mensageiro os chamados íntrons (porções que não contêm informações para a produção de proteínas) e unir os éxons (as partes codificantes do código genético). A proteína formada no final do processo vai depender de como a montagem dos éxons será feita pelo spliceossoma.

Leia também:
» Método faz diagnóstico precoce de esquizofrenia
» Estudo busca aperfeiçoar o diagnóstico por imagem da esquizofrenia
» Pesquisadores estudam novos alvos para o tratamento da esquizofrenia
» Cerca de 20% dos brasileiros nunca ouviram falar sobre esquizofrenia, diz pesquisa

Um estudo brasileiro apoiado pela FAPESP e divulgado recentemente na revista Molecular Neuropsychiatry sugere que esse maquinário celular de processamento do RNA mensageiro pode estar alterado em pacientes com esquizofrenia. Segundo os autores, esse defeito no spliceossoma poderia ser a gênese de boa parte das alterações cerebrais observadas nos portadores da doença.

“Uma alteração no sistema de processamento do RNA mensageiro poderia comprometer a expressão de inúmeras proteínas – muitas delas com papel-chave em processos biológicos importantes, como o metabolismo de ácidos nucleicos, gerando um efeito cascata. Mas isso é algo que ainda precisa ser confirmado em estudos futuros”, disse Daniel Martins-de-Souza, professor do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (IB-Unicamp) e coordenador da pesquisa.

A hipótese apresentada pelo grupo de Martins-de-Souza está baseada na análise do tecido cerebral post mortem de 12 pacientes com esquizofrenia e de oito pessoas sem doença mental (grupo controle). O trabalho teve como foco duas regiões cerebrais que estudos anteriores mostram estar morfologicamente e funcionalmente alteradas em portadores da doença: o lobo temporal anterior e o corpo caloso.

“O lobo temporal anterior está envolvido no processamento auditivo e visual e, portanto, tem muita relação com sintomas como psicose e alucinação. Já o corpo caloso é a região do cérebro que mais contém células da glia [astrócitos, micróglias e oligodendrócitos]. Em trabalhos anteriores, mostramos que pacientes com esquizofrenia apresentam disfunções nos oligodendrócitos”, contou Martins-de-Souza.

Como explicou o pesquisador, os oligodendrócitos são as células responsáveis pela produção de mielina, uma substância lipídica fundamental para a troca de informação entre neurônios. Estudos de imagem feitos por volta dos anos 2000 mostraram que o cérebro de portadores de esquizofrenia tem uma quantidade reduzida de oligodendrócitos quando comparado ao de pessoas sadias. Por volta de 2005, o grupo de Martins-de-Souza apontou que algumas proteínas produzidas pelos oligodendrócitos – particularmente as que fazem parte da família hnRNP [Ribonucleoproteínas Nucleares Heterogêneas, na sigla em inglês] – também se apresentavam com a expressão alterada nesses pacientes.

“Estudos subsequentes feitos por outros grupos com base em nossos achados mostraram, em modelos animais e celulares, que a alteração nas hnRNPs de fato interfere no processo de mielinização dos neurônios, podendo prejudicar a conectividade cerebral. Por isso decidimos estudar melhor o papel dessas proteínas nucleares na doença”, explicou Martins-de-Souza.

Proteínas do núcleo

Com auxílio de um espectrômetro de massas e apoio da FAPESP, os pesquisadores mapearam todo o conjunto de proteínas (proteoma) encontrado no núcleo das células dessas duas regiões cerebrais selecionadas para a análise – excluindo, portanto, as proteínas encontradas nas demais organelas e no citoplasma.

“O proteoma total dessas células já havia sido analisado em pesquisas anteriores. Porém, dada a complexidade desse tipo de análise, não tinha sido possível avaliar a diferença na expressão das proteínas menos abundantes. Com esse objetivo, decidimos focar apenas no proteoma nuclear”, explicou Verônica Saia-Cereda, primeira autora do artigo e doutoranda do IB-Unicamp. Ao comparar o resultado do grupo controle com o de portadores de esquizofrenia, foi possível identificar quais moléculas estavam com a expressão alterada na condição patológica.

No corpo caloso foram encontradas 119 proteínas diferencialmente expressas – sendo 24 consideradas proteínas nucleares. De acordo com Saia-Cereda, a maioria está envolvida na sinalização celular mediada por cálcio, que é importante tanto para o metabolismo das mitocôndrias (organelas que produzem energia para a célula) quanto para a retirada do excesso do neurotransmissor dopamina na fenda sináptica (local onde ocorre a troca de informação entre os neurônios). “Alterações no nível de dopamina no cérebro estão associadas aos sintomas mais característicos do transtorno, como delírios e alucinações”, comentou Saia-Cereda.

Já no lobo temporal anterior, 224 proteínas estavam diferencialmente expressas na doença, sendo 76 delas proteínas nucleares. Dessas, oito estão envolvidas no funcionamento do spliceossoma. “Entre essas oito estão as hnRNPs, que desempenham papel central tanto na função do spliceossoma como dos oligodendrócitos. Aqui, portanto, pode estar a gênese das disfunções na mielinização associadas à esquizofrenia. Nosso trabalho é o primeiro a relacionar o spliceossoma com a doença”, contou Martins-de-Souza.

Segundo Saia-Cereda, o mau funcionamento do maquinário de processamento do RNA mensageiro pode fazer com que determinadas proteínas não sejam traduzidas corretamente e passem a ter expressão alterada no organismo como um todo, com consequências ainda desconhecidas. “A relação disso com a esquizofrenia pouco se sabe. É algo que ainda precisa ser estudado”, afirmou.

Confira a matéria completa no site da Agência Fapesp de notícias.


FECHAR