publicidade
18/jun
Profissionais das unidades de terapia intensiva passam a ter um novo olhar quando o paciente alcança a última etapa de vida, a partir do momento em que não restam dúvidas da aproximação da morte (Foto: Igo Bione/Divulgação)
Profissionais das unidades de terapia intensiva passam a ter um novo olhar quando o paciente alcança a última etapa de vida, a partir do momento em que não restam dúvidas da aproximação da morte (Foto: Igo Bione/Divulgação)

Em cada 10 pessoas que precisam de cuidados paliativos, só uma recebe esse tipo de assistência no mundo

18 / jun
Publicado por Cinthya Leite em Blog - 18/06/2017 às 18:44

No mundo, em cada dez pessoas que precisam de cuidados paliativos (aliviam o sofrimento e agregam qualidade à finitude), só uma recebe esse tipo de assistência, segundo um mapeamento recente da Organização Mundial de Saúde. O levantamento chama a atenção no momento em que os dados demográficos revelam um aumento da incidência e da prevalência das doenças crônico-degenerativas entre os idosos e que ainda não são contempladas pela paliação.

Leia também:

Viver e morrer com dor: não precisa ser assim

Pesquisa aponta que 9 em cada 10 pacientes com câncer têm rotina afetada por dor crônica

Após os 80 anos, idosos celebram maturidade e compartilham segredos da boa longevidade

Cada vez mais, profissionais das unidades de terapia intensiva passam a ter um novo olhar quando o paciente alcança a última etapa de vida, a partir do momento em que não restam dúvidas da aproximação da morte. Em situações como essa, a equipe reconhece que medidas heroicas (como ressuscitação cardíaca) só fazem causar mais sofrimento a quem se despede da vida – e também às famílias. A intenção não é dar anos à vida; mas sim, vida aos anos.

E assim está mais do que na hora de a sociedade refletir que, mais do que ser treinados para curar, os médicos devem ser habilitados a paliar no momento certo e a suprir todas as necessidades dos pacientes para diminuir a dor da doença e, posteriormente, do luto das famílias.

Saiba mais

A dor é um dos principais sintomas considerados nos cuidados paliativos, que nem sempre são sinônimo de cuidados ao fim da vida. É uma modalidade terapêutica bem mais abrangente e que pode ser iniciada alguns anos antes da morte da pessoa – ou até décadas, como no caso de uma demência de progressão lenta. A essência dos cuidados paliativos consiste em permitir que a pessoa e seus familiares possam viver da melhor maneira possível o tempo que lhes resta.

É importante frisar que os cuidados paliativos consideram, para alívio da dor, não apenas tratamento medicamentoso. O sintoma, segundo essa modalidade terapêutica, pode ser controlado por meio de intervenções não apenas do médico, mas também do fisioterapeuta, terapeuta ocupacional e psicólogo. Aspectos espirituais ainda podem ser considerados, devido ao comprometimento multidimensional da dor.


FECHAR