publicidade
19/05/17
Chamado de Linha Verde, programa usará estrutura oferecida por hospitais parceiros para agilizar atendimento do paciente oncológico, desde diagnóstico até o pós-tratamento (Foto ilustrativa: Pixabay)
Chamado de Linha Verde, programa usará estrutura oferecida por hospitais parceiros para agilizar atendimento do paciente oncológico, desde diagnóstico até o pós-tratamento (Foto ilustrativa: Pixabay)

Projeto humanizado agiliza assistência a pacientes com câncer em rede de hospitais no Recife

19 / maio
Publicado por Malu Silveira em Blog - 19/05/2017 às 7:00

Uma forma de humanizar e, principalmente, agilizar o tratamento do paciente com câncer. Esse é o objetivo do projeto Linha Verde, iniciativa do Grupo Oncologia D’Or, que aportou há quase dois meses no Recife. O programa contemplará pacientes de todos os convênios aceitos pela clínica NeoH, nova unidade do Grupo, e pelos hospitais da Rede D’Or São Luiz na Região Metropolitana (hospitais Esperança Recife e Olinda, Memorial São José e São Marcos).

Leia também:
» Exercício e controle da alimentação são o futuro da medicina preventiva, diz Drauzio Varella
» Câncer de fígado: tratamento minimamente invasivo otimiza o combate a células tumorais
» Diagnóstico tardio do câncer de mama preocupa mastologistas
» Em classe hospitalar no Recife, criança com câncer metastático dá lição de vida

Na prática, os especialistas de saúde envolvidos na área oncológica das unidades unem esforços para atender às demandas de uma espécie de concierge do Linha Verde, profissional responsável por acolher o paciente com suspeita ou diagnóstico confirmado da doença. A assistência engloba, por exemplo, marcação de consultas e exames. A meta atual é reduzir para menos de 30 dias a definição do tratamento adequado.

“A ideia é utilizar toda a estrutura dos hospitais em benefício do paciente através de uma linha única de cuidados. Reduzir para 30 dias a definição do tratamento para a realidade da saúde suplementar é um ganho enorme, já que a média na saúde privada é de três meses”, ressalta o médico cirurgião Hélio Calabria, gestor do Linha Verde na capital pernambucana.

Esse prazo de um mês para bater o martelo na intervenção terapêutica necessária em cada caso é o modelo seguido no Rio de Janeiro. Já em vigor na cidade há dois anos, o Linha Verde atende uma média de 150 pacientes por mês. “O projeto criou uma referência na área que não existia no Rio de Janeiro a nível de hospitais privados”, defende Calabria. No Recife, apesar do pouco tempo, o programa já cadastrou cerca de 40 pacientes oncológicos.

Os pacientes de planos de saúde não credenciados também podem se cadastrar no Linha Verde, que agenda os exames e cirurgias nos locais onde o convênio oferece cobertura. Dessa forma, o programa funciona como um elo entre o paciente e a operadora. “Muitos pacientes pensam que estão protegidos por causa do seguro saúde. Só vão perceber que não é sempre fácil quando precisam do atendimento. Por isso, reduzir o tempo junto à operadora de saúde nesse momento é essencial”, pontua.

O Grupo de Oncologia D’Or possui mais de 35 clínicas em seis estados brasileiros e no Distrito Federal. A parceria com a Rede D’Or São Luiz em Pernambuco é recente. A proposta é minimizar os danos de alguns gargalos na rede de assistência, buscando não só o bem-estar físico mas também mental dos pacientes oncológicos, familiares, amigos e profissionais de saúde envolvidos em todas as etapas do tratamento.

Simpósio

A capital pernambucana sediará neste sábado (20) o II Simpósio Nacional de Hematologia Oncologia D’Or. A programação reunirá especialistas de todo o Brasil para discutir aspectos da onco-hematologia, ramo da medicina dedicado ao estudo de doenças do sangue e seus distúrbios, como leucemias agudas e linfomas agressivos. A primeira edição do simpósio aconteceu em agosto de 2016 em Salvador (BA). Este ano migrou para Pernambuco com o objetivo de se integrar à NeoH (Núcleo Especializado em Oncologia e Hematologia).


FECHAR